A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Teatro Nacional D. Maria II
Teatro Nacional D. Maria IIDistante, com encenação de Teresa Coutinho

Nova temporada do D. Maria II arranca com verdadeira maratona de Tchékhov

No Rossio, a rentrée do Teatro Nacional D. Maria II faz-se mais cedo. A programação inclui todos os espectáculos cancelados entre Março e Julho deste ano e dezenas de novidades.

Por Raquel Dias da Silva
Publicidade

O segundo mandato de Tiago Rodrigues enquanto director artístico do Teatro Nacional D. Maria II termina já no final de Dezembro, mas a sua eventual renomeação é uma questão ainda em aberto. Já fechada, embora com “muitas incertezas”, está a programação para a temporada 2020/2021. O arranque, marcado para os primeiros dias de Setembro, faz-se com uma verdadeira maratona de Tchékov, no D. Maria II e no São Luiz Teatro Municipal.

Temporada 2020/2021 - Teatro Nacional D. Maria II from Teatro Nacional D. Maria II on Vimeo.

O primeiro espectáculo é particularmente ambicioso. Adaptado e montado a partir de quatro das mais importantes peças de Tchékhov – A Gaivota, O Tio Vânia, Três Irmãs e O Ginjal –, A vida vai engolir-vos, de Tónan Quito, estará dividido em duas partes, com cerca de quatro horas cada. A primeira será mostrada no São Luiz Teatro Municipal (nos dias 1, 3, 8 e 10 de Setembro) e reúne as primeiras metades dos quatro textos. A segunda será apresentada um dia depois na Sala Garrett do D. Maria II (nos dias 2, 4, 9 e 11) e agrega o final das obras. Mas há mais.

Aos sábados (dias 5 e 12), o público é desafiado a participar numa experiência ímpar: passar uma noite entre os dois teatros, assistindo às duas partes do espectáculo de uma só vez. Estas maratonas, terão início às 19.00 no São Luiz e terminarão às 06.00 do dia seguinte, no D. Maria II, período durante o qual terão lugar intervalos e serão servidas duas refeições, incluídas no valor dos bilhetes.

Já na Sala Estúdio do D. Maria II, destaca-se a peça Aurora Negra, que poderá ser vista de 3 a 13 de Setembro. Com criação e direcção artística de Cleo Tavares, Isabél Zuaa e Nádia Iracema, o espectáculo, vencedor da segunda edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, aborda a invisibilidade a que os corpos negros estão sujeitos nas artes performativas em particular e na sociedade portuguesa no geral.

Entre as produções nacionais, distingue-se ainda Última hora, uma encomenda feita ao escritor Rui Cardoso Martins. Com encenação de Gonçalo Amorim, trata-se de uma tragicomédia negra sobre o jornalismo, que se desenrola num jornal e aborda a transição do papel para o online, com uma nova administração voraz, capitalista e mercantil, que ameaça o respeito pela deontologia jornalística e o serviço público.

A primeira apresentação internacional, a decorrer entre os dias 25 e 27 de Setembro, será Eurovisão da canção filosófica, um espectáculo-concurso de canções com letras escritas por filósofos de vários países europeus, incluindo Portugal. A proposta é de Massimo Furlan e Claire de Ribaupierre, que convidaram 11 pensadores a escrever canções sobre a relação da humanidade com os grandes temas da filosofia, que serão interpretadas na língua original do autor e avaliadas por Massimo Furlan, Catarina Furtado e um júri local, constituído por figuras de destaque de várias áreas da sociedade. O público terá também direito a votar, para que a cada noite seja consagrado um país vencedor, tal como na Eurovisão.

Bajazet, considerando o teatro e a peste, a mais recente criação do alemão Frank Castorf, a partir de Artaud e Racine, que estava prevista estrear na temporada anterior e foi agora reagendada para Março de 2021, é outro dos destaques internacionais. Sobressaem ainda O silêncio e o medo, do francês David Geselson; Achas para a fogueira, do também francês Antoine Defoort; O Bom Combate, da moçambicana Edna Jaime; All Together, do japonês Michikazu Matsune, pela primeira vez em Portugal; e Please Please Please, da coreógrafa francesa Mathilde Monnier, da coreógrafa hispano-suíça La Ribot e do encenador português Tiago Rodrigues.

A estes espectáculos juntam-se muitos outros, de nomes como Catarina Requeijo, Marlene Monteiro Freitas, Raquel André, Sara de Castro, Jean Paul Bucchieri, David Pereira de Bastos, Sandro William Junqueira, Thierry Jolivet e Tiago Cadete. Mas também três dos principais festivais de teatro portugueses: o Alkantara Festival, o Festival de Almada e o FIMFA Lx.

Nesta temporada, reforça-se ainda o trabalho para a infância e juventude, com o regresso de projectos como a Boca Aberta, que tem alargado cada vez mais a sua rede de actuação junto de jardins de infância da região de Lisboa; o PANOS – Palcos Novos, Palavras Novas, dirigido a grupos de teatro escolar e juvenil de todo o país; o K Cena, destinado a jovens dos 14 aos 18 anos; ou o Presente!, que pretende combater ao insucesso escolar através da actividade teatral.

A programação inclui ainda oficinas de teatro, sessões descontraídas, espectáculos e visitas guiadas com interpretação em língua gestual portuguesa e audiodescrição, workshops e masterclasses de artistas nacionais e internacionais, leituras encenadas, conversas, exposições e lançamentos de livros.

+ As peças de teatro em Lisboa a não perder em Julho

Últimas notícias

    Publicidade