Lisboa icon-chevron-right As peças de teatro em Lisboa a não perder em Fevereiro

As peças de teatro em Lisboa a não perder em Fevereiro

Em Lisboa não faltam peças de teatro que valem a pena estar nos planos de qualquer um. Organize a agenda e não perca estas peças de teatro em Lisboa
À Espera de Beckett ou Quaquaqua
©DR À Espera de Beckett ou Quaquaqua
Por Rui Monteiro |
Publicidade

Deixe-se de desculpas e vá ao teatro. Em Lisboa, não faltam opções, grande parte delas com preços bem apetecíveis. Até nos meses mais parados, Lisboa tem um cartaz preenchido de peças de teatro para todos os gostos. Algumas, graças aos estranhos caminhos da programação e não ao desprezo do público, estão tão pouco tempo em cena que, a bem dizer, é preciso correr e ver, que isto nunca se sabe se e quando são repostas. Outras há que vêm de trás e para a frente continuam.

Podemos dizer que há de tudo nesta selecção, em constante actualização. Há companhias históricas, mas também emergentes. Nomes bem conhecidos e outros sobre os quais ainda vai ouvir falar garantidamente. Está à espera de quê para ir ao teatro? Com a temporada em velocidade de cruzeiro, Fevereiro é mês de estreias, mas também de continuação de carreira e reposição de peças acarinhadas pelo público. Aqui vão dez peças de teatro a não perder em Fevereiro.

Recomendado: As melhores coisas para fazer em Lisboa este mês

Teatro em Fevereiro: as peças de teatro a não perder

1
À Espera de Beckett ou Quaquaqua
©DR
Teatro

À Espera de Beckett ou Quaquaquaqua

icon-location-pin Teatro Municipal Joaquim Benite, Grande Lisboa
icon-calendar

O texto e a encenação de Jorge Louraço é uma homenagem a Ribeirinho, autor e actor com obra exemplar do seu talento e dedicação, “numa mistura virtuosa e singular entre o lado popular e o lado erudito do teatro.” Por isso, a peça revisita as suas três encenações de À Espera de Godot. A primeira, a seguir às eleições de 1958, a segunda durante a longa agonia de Salazar (em Março de 1969, ano em que Beckett recebe o Prémio Nobel da Literatura e se refugia no Hotel Cidadela, em Cascais), e a terceira com o país à beira da revolução, em 1973, com uma companhia itinerante, apresentando a peça em Angola a colonos e militares. Em cena estão Estêvão Antunes, Mário Moutinho, Óscar Silva e Pedro Diogo.

Teatro Municipal Joaquim Benite (Almada). 23 e 24 Fev. Sáb 21.00; Dom 16.00. 10€ (ver descontos).

2
Hamlet
©DR
Teatro, Shakespeare

Hamlet

icon-location-pin Chapitô, Castelo de São Jorge
icon-calendar

Foi um êxito tão grande o ano passado, quando estreou, que a Companhia do Chapitô, depois de andar com a peça em digressão, não tem, por assim dizer, outro remédio se não repor a 36ª peça do seu reportório. Hamlet, nem mais, “segue as linhas mestras do texto original do escritor e dramaturgo inglês William Shakespeare, mas propõe uma reflexão despretensiosa, mordaz e pejada de humor sobre vários aspectos da realidade física e social”, tendo Jorge Cruz, Susana Nunes, Patrícia Ubeda e Tiago Viegas como adereço… “gravatas que ganham vida e assumem funções distintas ao longo da acção.”

Chapitô. Até 24 Fev. Qui-Dom 22.00. 12€.

Publicidade
3
Os Aliens
©Jorge Gonçalves
Teatro

Os Aliens

icon-location-pin Teatro da Politécnica, Princípe Real
icon-calendar

Nas traseiras do café de uma pequena cidade norte-americana, daquelas onde nada acontece, dois homens passam o tempo a modos que “ensombrados pelo tédio.” E, com este muito reduzido ponto de partida, regressa aos palcos portugueses um texto de Annie Baker, decerto uma das mais estimulantes dramaturgas da actualidade. Depois de ter encenado Cinema, Pedro Carraca volta a encenar obra da autora norte-americana, desta vez com Afonso Lagarto, Pedro Baptista e Pedro Caeiro na interpretação.

Teatro da Politécnica. Até 2 Março. Ter-Qua 19.00; Qui-Sex 21.00; Sáb 16.00, 21.00.

4
Boudoir
©DR
Teatro

Boudoir

icon-location-pin Teatro da Trindade, Chiado
icon-calendar

Em Boudoir, que é, em francês no original, um quarto de senhora dedicado a “recepções intimas”, Martim Pedroso e a Nova Companhia inspiram-se nos “sete diálogos libertinos” do Marquês de Sade, para, “à distância de mais de dois séculos, numa celebração da liberdade do corpo e do pensamento”, se dirigirem, como escreveu Sade em A Filosofia na Alcova, aos “voluptuosos de todas as idades e sexos.” Composto por sete diálogos, o texto, com interpretação de Flávia Gusmão, João Gaspar, João Telmo, Maria João Abreu, Margarida Bakker, Martim Pedroso, Pedro Monteiro e Sofia Soares Ribeiro, centra-se numa “espécie de viagem iniciática, sem limites nem tabus, da ingénua Eugénia pelas práticas carnais e amorais da ‘voluptuosa’ Senhora de Saint-Ange e do ‘cínico’ Dolmancé.”

Teatro da Trindade. Até 10 Mar. Qua-Sáb 21.30; Dom 17.00. 8€-10€ (ver descontos).

Publicidade
5
A Verdade
©DR
Teatro

A Verdade/A Mentira

icon-location-pin Teatro Aberto, Campolide
icon-calendar

Na peça de Florian Zeller encenada por João Lourenço (exibida em dias alternados com A Mentira, dos mesmo autor e encenador e com os mesmos actores), Patrícia e Paulo dormem um com o outro às escondidas dos respectivos. Mas Joana, mulher de Paulo, que também tem das suas para contar, suspeita e faz-lhe perguntas cada vez mais embaraçosas. Miguel, o marido de Patrícia e o melhor amigo de Paulo, que não é nenhum puro, também anda com o bichinho atrás da orelha, e, enquanto os enganos se vão enredando, os dois casais perdem-se num labirinto de quem disse o quê a quem. O que resulta no cruel e divertido jogo de máscaras interpretado por Joana Brandão, Miguel Guilherme, Patrícia André e Paulo Pires.

Teatro Aberto. Até 31 Mar. Qua-21.30; Dom 18.30. 17€ (ver descontos).

O melhor da agenda cultural de Lisboa

Yo La Tengo
Photograph: Courtesy Godlis
Música

Concertos em Lisboa em Fevereiro

Recordem-se as sábias palavras da avó: "Fevereiro é o mês mais curto e menos cortês". Que avó? Qualquer uma, não interessa. Porque a única pergunta que vale a pena fazer, quando confrontado com este dizer popular, é o que é isto quer dizer? É o tipo de resposta que só uma avó pode dar, portanto o melhor é mesmo falar com ela. Se quiser saber de concertos, porém, estamos aqui para si. 

Boneca Russa
Netflix
Filmes

Quatro séries a não perder em Fevereiro

Num ano televisivo que se vive em contagem decrescente para o grande final de A Guerra dos Tronos, Fevereiro não é o mês mais forte ou excitante, com os canais e as produtoras a guardarem algumas das suas apostas para a Primavera. Mesmo assim, há boas promessas. Falamos de três estreias que podem vir a dar que falar como Boneca Russa, da Netflix, e um regresso esperado há meses, Como Defender Um Assassino, cuja quinta temporada está a passar há meses nos Estados Unidos mas por cá só chega no final do mês (AXN). Aí vão quatro séries a não perder em Fevereiro. 

Publicidade
Quatuor Arod
©Marco Borggreve
Música

Concertos gratuitos de Jazz & Clássica em Fevereiro

A oferta de concertos gratuitos de Fevereiro chega à trintena, em parte graças ao programa ECHO Rising Stars, que todos os anos traz à Fundação Gulbenkian grandes promessas da música clássica, patrocinados pelas mais prestigiadas salas de concertos da Europa. Por outro lado, o Festival Antena 2 também inclui concertos de entrada livre, para ver e ouvir no Teatro Nacional D. Maria II, e na Igreja do Loreto pode ouvir um Te Deum que não era tocado há mais de dois séculos. Krzysztof Penderecki, compositor associado da temporada 2018/19 da Orquestra Metropolitana de Lisboa, vai à Ler Devagar. 

More to explore

Publicidade