Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As peças de teatro em Lisboa a não perder em Novembro
teatro
Fotografia: Filipe Ferreira

As peças de teatro em Lisboa a não perder em Novembro

Comece a organizar a agenda: estas são as peças de teatro em Lisboa a não perder em Novembro

Por Raquel Dias da Silva e Miguel Branco
Publicidade

Este ano está a ser particularmente atípico, mas os teatros estão a funcionar. Em Lisboa, não faltam opções, muitas delas com preços bem apetecíveis. Algumas, graças aos estranhos caminhos da programação e não ao desprezo do público, estão tão pouco tempo em cena que, a bem dizer, é preciso correr e ver, que isto nunca se sabe se e quando são repostas. Outras há que vêm de trás e para a frente continuam. Há de tudo nesta selecção, em constante actualização, e entre companhias históricas e emergentes, encenadores e actores conhecidos e outros ainda a esgravatar por um lugar, portugueses e estrangeiros, encontra-se um generoso conjunto de peças de teatro. Voltamos a abrir as portas das principais salas de teatro de Lisboa para lhe dizer o que reserva este bonito mês de Novembro.

Recomendado: Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana

As peças de teatro em Lisboa a não perder em Novembro

1. Os Improváveis – BecaBeca

Teatro

Os Improváveis regressam ao Auditório do Casino Estoril, para um espectáculo único que mistura teatro, improviso, música e storytelling. Em cada noite, um convidado especial. O público assiste confortavelmente e influencia o rumo da conversa e dos momentos de improviso que vão acontecer em palco.

teatro
teatro
Teatro da Trindade INATEL

2. Maria, a mãe

Teatro Teatro da Trindade, Chiado

Integrada na trilogia A Sagrada Família, este é um texto sobre a perda, a dor, a solidão, a velhice, o esquecimento e a morte. O elenco é composto por Custódia Gallego, João Gaspar, Lucília Raimundo e o próprio autor e encenador, Elmano Sancho.

Publicidade
teatro
teatro
Fotografia: Pedro Macedo - Framed Photos

3. Ricardo III

Teatro Vários locais

Sendo uma das primeiras obras de William Shakespeare, Ricardo III coloca à nossa frente um herói que desperta em nós, em simultâneo, fascínio e horror, num texto francamente actual e pleno de vitalidade sobre a ambição e os jogos de poder. Com tradução e dramaturgia de Maria João da Rocha Afonso, a encenação de Marco Medeiros conta-nos a maquiavélica ascensão ao poder daquele que é considerado o mais sangrento e terrível dos vilões.

Pare, Escute e… Ria!
Pare, Escute e… Ria!
Pare, Escute e… Ria!

4. Pare, Escute e… Ria!

Teatro Teatro Maria Vitória, Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Hélder Freire Costa apresenta uma nova temporada de revista à portuguesa no Parque Mayer. O espectáculo, interrompido devido ao contexto da pandemia, regressa agora ao palco, remodelado com novos números repletos de humor, um novo corpo de baile, temas musicais de Miguel Dias, Eugénio Pepe e Carlos Pires, e ainda um novo elenco repleto de nomes consagrados e novos talentos.

O melhor da agenda cultural de Lisboa

Malapata
Fotografia: Manuel Manso

Galerias de arte em Lisboa: um roteiro alternativo

Arte Galerias

Museus e centros de difusão de arte contemporânea são o pão nosso de cada dia no habitual roteiro cultural dos lisboetas. Mas onde andam os artistas emergentes? Nestas galerias, está claro. Ora tome lá uma lista de galerias de arte alternativas, algumas ainda meninas e moças na capital onde se compra e desfruta de arte em todos os moldes.

arte urbana
Bruno Barata

Siga este roteiro de arte urbana em Lisboa

Coisas para fazer

Vhils, Bordalo II, Aka Corleone, ±MaisMenos±, Tamara Alves ou Mário Belém são alguns dos nomes mais sonantes neste roteiro de arte urbana em Lisboa. A eles juntam-se artistas de todo o mundo, que escolhem Lisboa para servir de tela aos mais variados estilos e mensagens. Embarque connosco num passeio alternativo pela cidade.

Publicidade
Pavilhão do Conhecimento - férias com ciência
DR

Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos

Miúdos

É uma grande injustiça dizer que a palavra museu cheira a mofo. Mas se começou por arrastar os miúdos para uma exposição interminável que interessa apenas a adultos... é bem possível que o programa enfrente uma certa resistência. Não desanime. Um roteiro museológico não tem de ser um programa aborrecido, muito pelo contrário.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade