Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Botanista: um jardim vegan para comer e fotografar a toda a hora
Notícias / Comida

O Botanista: um jardim vegan para comer e fotografar a toda a hora

O Botanista
©Duarte Drago

Bem-vindo ao maravilhoso mundo do vegetal: O Botanista, o novo projecto de Catarina Gonçalves, do Ao 26 - Vegan Food Project, com André Baptista, tem um piso térreo muito verde, carregadinho de plantas e um menu vegan para todas as horas do dia.

O único ponto em comum com o 26, o restaurante que Catarina abriu em 2015 na zona do Chiado, é precisamente a alimentação vegan, porque aqui o foco é outro (lá, apesar de estar aberto para lanche, o forte são os almoços e jantares). “Não queremos recriar o que já existe em versão vegan. Queremos, antes, apresentar coisas boas, que te alimentam e que te sabem bem, e que esqueças que não tem carne, peixe ou ovos. Não entra nada de origem animal mas nem dizes que é vegan”, explica André, responsável pela parte da cozinha enquanto Catarina fica com a pastelaria. “A comida claro que é vegetal, teria de ser, mas queríamos enaltecer o sabor de cada ingrediente e não fazer muitas misturas. Por exemplo, se um prato tem pimentos, enaltecemos os pimentos”, exemplificam.

 

French toast com queijo creme e framboesas
Fotografia: Duarte Drago

 

 

O menu tem opções mais associadas à primeira refeição do dia, como a french toast, com um pão brioche feito na casa, sem glúten e sem açúcar e com queijo creme e framboesas no topo (6€), creme de aveia com cardamomo, limão e damascos (4,50€), trio de waffles (6,50€) ou um cestinho que chega com pães caseiros com manteigas vegetais e compota caseira (6€) – mas na verdade tudo se pode pedir até ao restaurante fechar – nas primeiras semanas da abertura aconteceu até ser pedida uma massa fresca logo pela manhã. Durante todo o dia há revuelto de batata-doce com feijão, tomate assado e crème fraîche (6€), bruschettas várias, saladas frias. Há uma secção de crus, com um género de lasanha feita com courgette e aipo cortados muito finos, com espuma de tomate e cogumelos no recheio (9€); uma parte de pratos principais, com noodles de arroz em caril frutado de manga (9,50€) ou uma massa negra fresca com cogumelos e espargos trufados (9€).

 

Mil-folhas de courgette e aipo cortados muito finos, com espuma de tomate e cogumelos no recheio
Fotografia: Duarte Drago

 

 

Nos doces, com mão de Catarina, é tudo feito com açúcar de coco, agave e tâmaras, não entram açúcares refinados. Há todos os dias mousse de chocolate salpicada em maracujá e manga (4€) ou uma frigideira de pêssegos assados com crumble e gelado caseiro (4,50€). Mas vale a pena ir espreitar a montra de sobremesas frescas que ao longo do dia vai tendo updates no stock, que traz, por exemplo, um fresco bolo de cenoura com damascos, arandos e compota de laranja.

 

Bolo de cenoura com damascos, arandos e compota de laranja
Fotografia: Duarte Drago

 

 

As bebidas com leite são todas feitas com leite de soja mas é possível trocar pelos leites vegetais de aveia ou amêndoa caseiros. A lista de bebidas tem ainda espaço para os nomes divertidos dos smoothies e milkshakes, que por si só alimentam – caso do Nice to mint you, com abacate, hortelã, spirulina e chocolate (5,50€) ou do Monstro das bolachas, com baunilha, chocolate branco e cacau (5€).

 

Smoothie Nice to mint you
Fotografia: Duarte Drago

 

 

E, para acabar de vez com os preconceitos de que os veganos não bebem álcool, há vários cocktails, dos mais clássicos aos avant garden, sangrias botânicas, vinhos biológicos de pequenos produtores, cervejas artesanais e até uma espanhola sem glúten. “No 26 perguntavam-me porquê esta alimentação, diziam-me que era um radicalismo. Mas não é. É um desafio. Até para um cozinheiro, seja ele vegan ou não. Ser vegan não é reduzir ingredientes, é uma descoberta e uma abundância muito grande de outros ingredientes”, diz Catarina, reforçando que não estão aqui para serem “evangelistas” e querer que todos se tornem vegans. “Mas se mostrarmos coisas boas através disto, as pessoas também podem achar que é um caminho. Mas não criamos barreiras à entrada para quem não é vegan, aliás em praticamente nenhum lado diz que este é um restaurante vegan.”

O Botanista, além de uma esplanada, tem um segundo piso, neste momento multiusos mas no futuro vão explorar a questão dos jantares.

Rua Dom Luís I, 19 (Cais do Sodré). Seg-Sáb 09.00-20.00.


+ Os melhores restaurantes vegan em Lisboa

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments