A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
1855 Gin Garden
Mariana Valle LimaSmokey Ginger Sour

O gin continua na berra? No Bar 1855 Gin Garden sim

Há modas que não passam de moda. É o caso do gin. Neste novo bar, no Hotel Martinhal Chiado, a espirituosa é a estrela.

Escrito por
Teresa David
Publicidade

Apelativo para os olhos, prazeroso na boca, sexy e sofisticado. Há mais de dez anos que o gin se transformou numa bebida de culto em várias partes do mundo – uma moda que teima em não desaparecer e que continua a fazer nascer espaços especializados em Lisboa. Prova disso é o Bar 1855 Gin Garden, no Hotel Martinhal Chiado, aberto desde Junho na Rua das Flores, no Chiado, e inaugurado agora. A carta de cocktails, assinada por Peter O'Connor, do Onda, na Graça, é na sua maioria preparada com gin. No dia a dia, Rui Barbosa é o barman de serviço. 

Aqui, o ambiente – escuro, intimista, acolhedor – convida a um copo descontraído, mesmo que o espaço pertença a um edifício histórico imponente, de 1855. Da decoração simples e bonita, com azulejos e plantas, salta à vista um BMW Isetta estacionado à entrada. “Este carrinho tem uma história. Relaciona-se com o Martinhal. Em todos os hotéis temos uma carrinha pão de forma, mas quando viemos para aqui não tínhamos espaço para ela, então decidimos colocar este carrinho, que é um BMW Isetta”, esclarece Rosa Santos, directora de marketing do Martinhal. 

1855 Gin Garden
Mariana Valle Lima

Além de servir o hotel, há uma porta para a rua a chamar quem lá passa. “Queríamos fazer uma coisa apelativa para um mercado local. Não propriamente aquele mercado mais novo que vem para a noite, mas sim as pessoas que querem beber um copo e comer umas tapas depois do trabalho, que vão ao teatro ou aos espectáculos aqui perto”, diz Rosa Santos. Já a escolha do gin como a espirituosa de eleição, deve-se unicamente a Peter O'Connor. “Foi muito pesado pelo Peter, ele achou que era distintivo”, revela. 

1855 Gin Garden
Mariana Valle Lima

Na carta estão então cocktails clássicos e de autor, de baixo teor alcoólico, como o Pink Lady (11€), um cocktail frutado e amargo com gin, framboesas frescas, sumo de limão, clara de ovo e xarope de açúcar; o longo e refrescante 1855 Garden Spritz (8,50€), com gin, licor de flor de sabugueiro, bitter floral, água com gás de alecrim e vinho espumante; ou o Smokey Ginger Sour (11€), um dos poucos sem gin, de sabor fumado e picante, com whiskey, sumo de limão, xarope de açúcar, ginger beer e clara de ovo. Também há mocktails (cocktails sem álcool) e os mais criativos são desafiados a criar o próprio gin tónico. Basta selecionar o gin, uma bebida e uma guarnição. 

1855 Gin Garden
Mariana Valle LimaPink Lady

E como um petisco cai sempre bem, há uma seleção de pratos para partilhar e que harmonizam os cocktails. A opção vegetariana (13,50€) tem guacamole, húmus, nachos e tostas para picar; outra boa escolha são os pinchos. Há de abacate, espinafres e tomate seco (2,75€/1 unidade, 8€/3 unidades); presunto, queijo creme e amendoim (2,75€/1 unidade, 8€/3 unidades); e salmão fumado, waldorf e rúcula (2,75€/1 unidade, 8€/3 unidades). 

Às quintas-feiras, o Bar 1855 Gin Garden recebe um sushiman para uma noite de sushi e volta e meia acolhe pequenos eventos, mas Rosa Santos quer fazer mais. “Queríamos desenvolver um calendário de eventos mais completo”. 

Rua das Flores, 44 (Chiado). 91 003 6180. Ter-Dom 17.00-00.00

+ De Évora, com amor: chef do Tua Madre assina a nova carta do Provincia

+ José Avillez volta a receber a chef brasileira Kátia Barbosa, desta vez em Cascais

Últimas notícias

    Publicidade