Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Jardim da Gulbenkian vai crescer para um dos lados
Notícias / Vida urbana

O Jardim da Gulbenkian vai crescer para um dos lados

mapa gulbenkian

Em cima da mesa estão as negociações entre as fundações Gulbenkian e Eugénio de Almeida, proprietárias de terrenos contíguos ao jardim.

Quem avança a notícia é o jornal Público que desvenda as negociações entre as duas fundações sobre as fronteiras dos terrenos que as duas entidades possuem e que têm origem no antigo Parque de Santa Gertrudes. Resolvida a questão, há vontade da Fundação Gulbenkian em lançar até Junho um concurso internacional de arquitectura e de paisagismo. Um dos objectivos para o futuro concurso será a criação de uma nova entrada para a Colecção Moderna do Museu Gulbenkian (hoje escondida na Rua Dr. Nicolau Bettencourt) virada para a Rua Marquês de Fronteira, mesmo em frente ao Palácio de São Sebastião. Mas fique por dentro desta história.

O inovador e modernista projecto para o Jardim da Gulbenkian, dos arquitectos paisagistas Gonçalo Ribeiro Telles e António Viana Barreto, foi concluído em 1969 e nasceu em terrenos do antigo Parque de Santa Gertrudes, propriedade do filantropo Vasco Maria Eugénio de Almeida.

Em 1957, o proprietário do parque e obreiro da Fundação Eugénio de Almeida em Évora, vendeu seis sétimas partes da área total do Parque de Santa Gertrudes. Os terrenos que pertenciam à Gulbenkian ficaram conhecidos até 1965 como Parque de Palhavã, enquanto que os que permaneceram na família Eugénio de Almeida como Casa de Santa Gertrudes. A sul os limites da Gulbenkian fixavam-se no muro que a separa do sui generis edifício que lembra um castelo e que na verdade funcionou como as cavalariças do antigo parque, onde também chegou a funcionar a Feira Popular de Lisboa durante 14 anos, com arranque em 1943.

em 2005, a Gulbenkian comprou a Maria Teresa Eugénio de Almeida, viúva de Vasco Maria, parte do terreno junto à Casa de Santa Gertrudes e, segundo o Público, ficou acordado que Maria Teresa teria usufruto do terreno até à sua morte, o que aconteceu o ano passado. O edifício e a restante área contígua aos jardins da Gulbenkian permaneceria na posse da Fundação Eugénio de Almeida.

+ Conheça as nove propostas para a Praça de Espanha do futuro

+ O caso dos azulejos da Praça da Figueira

Publicidade
Publicidade