A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Chafariz, Rua Morais Soares, Pátio das Antigas
©DR

O Pátio das Antigas: Lisboa cheia de Sede

Coisas e loisas da Lisboa de outras eras

Por Eurico de Barros
Publicidade

O Verão de 1925 foi invulgarmente quente na capital. A água faltou e os alfacinhas fizeram longas filas nos chafarizes e fontanários.

Na década de 20 do século passado, Lisboa já dispunha de um sistema de abastecimento de água ao domicílio, graças à entrada em funcionamento, em 1880, da estação elevatória dos Barbadinhos, que trazia água do rio Alviela para a capital, e à construção sistemática de canalizações. Mesmo assim, nesses anos 20, a água só chegava às casas de uma pequena parte da população da cidade e o consumo médio diário de água por pessoa estava muito abaixo do de outras capitais europeias.

Bastantes alfacinhas dependiam por isso dos fontanários e chafarizes públicos para o abastecimento de água. O Verão de 1925 foi invulgarmente quente em Lisboa, em especial no final de Agosto e no início de Setembro, e como tinha chovido menos que o costume nos meses anteriores, houve falta de água na capital. Fazia "um calor tremendo, africano", como se lia no Diário de Notícias, e os lisboetas fizeram longas filas nos pontos públicos de abastecimento de água, alguns deles improvisados.

É um desses, situado no Rua Morais Soares, que a foto desta página documenta. Uma cena que se repetia onde quer que houvesse um chafariz ou um fontanário: longas filas de lisboeta sedentos, sobraçando os mais variados recipientes e esperando, à torreira do sol, da sua vez para os encher de água fresca.

+ O Pátio das Antigas: Os Olivais em Construção

+ Os segredos da calçada em Lisboa

+ Leia, grátis, as últimas edições da Time Out

Últimas notícias

    Publicidade