A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
  1. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresUma declaração de amor ao Belenenses na Praça do Império
  2. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade
  3. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade, frente ao Cinema São Jorge
  4. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade
  5. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade
  6. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresRua Augusta, perto do Arco
  7. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade
  8. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresJardim da Estrela
  9. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade
  10. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresNesta bandeira no Jardim da Estrela lê-se a data em que a calçada foi feita. Veja lá se encontra.
  11. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresMiradouro de São Pedro de Alcântara
  12. Calçada Portuguesa
    ©Helena SoaresAvenida da Liberdade

Os segredos da calçada em Lisboa

A calçada de Lisboa esconde assinaturas que os calceteiros de Lisboa espalham pelas ruas, à socapa.

Escrito por
Helena Galvão Soares
Publicidade

Cuidado onde põe os pés! É que pode estar a pisar  uma flor, um barquinho, um relógio, uma estrela ou um trevo de quatro folhas. Chamam-se assinaturas a pequenos desenhos que não fazem parte do padrão oficial da calçada. São desenhos executados geralmente com grande rigor e numa escala mínima, e só existem por uma razão: o calceteiro decidiu fazê-los. São ilegais e anónimos, só os colegas de profissão sabem identificar quem os fez, seja pela técnica ou pelos temas. Como uma espécie de graffiti na pedra.

Mostramos alguns destes segredos e avisamos: depois de ver o primeiro, vai começar a andar de olhos pregados no chão e a descobrir muitos mais. É viciante. Ora espreite a galeria aqui em cima. 

Recomendado: Monumentos de Lisboa: estátuas de A a bronze

Lisboa é top secret

  • Museus

Há museus completamente gratuitos em Lisboa (já os listámos) e depois há outros que não dão o braço a torcer e onde vai ter sempre de se chegar à frente e abrir a carteira. Mas ainda há um meio termo, aqueles que dão tréguas em pelo menos um dos dias da semana ou do mês, para que possa entrar sem gastar dinheiro. Seja ao sábado, no primeiro domingo do mês ou depois de uma certa hora – há opções para tudo e não há grandes desculpas para não aderir a estas borlas. Está pronto para apontar estas dicas?

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade