Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right 15 curiosidades sobre Lisboa que sempre quis saber e teve vergonha de perguntar
vista lisboa
Fotografia: Ana Luzia

15 curiosidades sobre Lisboa que sempre quis saber e teve vergonha de perguntar

Lisboeta que se preze sabe responder a estas questões sobre a cidade. Ou então não, mas finge saber a resposta.

Por Luís Leal Miranda e Renata Lima Lobo
Publicidade

Responda rápido, por favor: qual é a pata direita do cavalo de D. José? Se precisa de ir ao Terreiro do Paço confirmar é porque preciso mesmo da nossa ajuda. Aqui na Time Out gostamos de sugerir pratos e restaurantes mas não somos os melhores do mundo a alimentar as dúvidas. Aliás, se dependesse de nós andava toda a gente com a curiosidade saciada. Há, no entanto, aquelas questões que nos assombram quando vamos no trânsito, aquele ponto de interrogação que paira sobre nós à saída do duche. Se anda com uma pulga atrás da orelha com alguma questão sobre a cidade, talvez a consiga catar por aqui. Ora vejamos curiosidades sobre Lisboa. Se mesmo assim ainda tiver alguma dúvida, não deixe de nos dizer. Prometemos não parar até conseguirmos responder a tudo. Afinal não queremos que fique na dúvida.

Recomendado: Livros sobre Lisboa que tem de ler

 

15 curiosidades sobre Lisboa

Lixo nas ruas
Lixo nas ruas
Duarte Drago

1. Por que é que os homens do lixo são “Almeidas”?

Chamamos “Almeidas” aos homens que recolhem o lixo porque os primeiros a fazer esse trabalho vinham de Almeida, na Guarda, vila fronteiriça da comarca de Pinhel. Se fossem naturais da Lixa, cidade do concelho de Felgueiras, esta história tinha mais piada.

Arco de São Bento, Praça de Espanha
Arco de São Bento, Praça de Espanha
© Inês Félix

2. Por que é que há um arco no meio da Praça de Espanha?

O arco que está no meio da praça fazia parte do Aqueduto das Águas Livres e estava na Rua de São Bento. Foi desmontado aquando de umas obras de remodelação, em 1938, e esteve espalhado na rotunda da Praça de Espanha até 1998, ano em que um gigante apaixonado por Legos o devolveu à sua forma original.

Publicidade
pombos
pombos
©Sanjiv Nayak/Unsplash

3. É mesmo proibido dar de comer aos pombos? Porquê?

Dar milho aos pombos é proibido de acordo com o n.º1 do Art.º 60º do Regulamento de Resíduos Sólidos. A dieta é obrigatória para evitar que esta praga se reproduza. Ou seja, se os pombos comerem os seus restos de pão e bolos não vão comer o milho contraceptivo que é distribuído pela cidade com o objectivo de controlar essa encantadora população de aves que insiste em redecorar os nossos carros com os seus excrementos.

rua da betesga, betesga, rossio, rua, turismo, turistas, sol, prédios
rua da betesga, betesga, rossio, rua, turismo, turistas, sol, prédios
Inês Félix

4. Quanto mede a rua da Betesga? É assim tão pequena?

A Rua da Betesga tem aproximadamente 10 metros de comprimento e é tida como a rua mais pequena de Lisboa. A expressão “meter o Rossio na Rua da Betesga” é usada sempre que um lisboeta muda de casa e tem de tirar o sofá pela porta da entrada.

Publicidade

5. Quanto tempo demoraram as obras de Santa Engrácia?

284 anos. De 1682 a 1966. Demorou, mas lá que ficou uma obra bonita, isso ficou.

Farol do Bugio
Farol do Bugio
Fotografia: Arlindo Camacho

6. Há um faroleiro no Bugio?

O farol, no Forte de São Vicente do Bugio, deixou de ser uma fortificação em 1945 e tornou-se automático em 1981. No ano seguinte os faroleiros foram mandados para casa e desde então que está vazio. Isto significa que se quiser pode ocupar o forte, declarar a sua independência e começar a emitir moeda. Não diga a ninguém que fomos nós que demos a ideia.

Publicidade
estátua de D. José I, terreiro do paço
estátua de D. José I, terreiro do paço
Fotografia: Arlindo Camacho

7. Qual é a pata direita do cavalo de D. José?

É a esquerda. Não conhece o trocadilho? É uma provocação tão antiga como a estátua equestre que está no Terreiro do Paço. A pata direita – ou que está “a direito” – é a pata esquerda do cavalo. A pata do seu lado direito está ligeiramente dobrada, daí ser possível brincar com os vários significados da palavra “direita”. É rir a bom rir. E qual é a cor do cavalo branco de D. José? Ok, ok, vamos parar com isto.

estátua rossio
estátua rossio
©DR

8. É verdade que a estátua que está no Rossio é de um imperador mexicano?

Não e é uma pena. Dava uma belíssima história. O mito urbano de que a estátua que está na praça do Rossio não é de D. Pedro IV, mas sim do imperador Maximiliano do México, é só isso mesmo: um mito. Reza a lenda que o escultor tinha feito uma belíssima estátua do tal imperador, entretanto fuzilado, e para não dar o trabalho por perdido reciclou-a como homenagem ao monarca português.

Publicidade
Segunda Circular
Segunda Circular
©Guilherme Guimas/Wikipédia

9. Estamos todos familiarizados com a Segunda Circular, mas onde fica a Primeira Circular?

A Primeira Circular existiu e “circulava” a cidade no século XIX: começava no Largo de Alcântara, passava pela Rua D. Carlos, Rua Marquês da Fronteira, Duque de Ávila, Praça do Chile e por aí acima pela Morais Soares para depois descer até Santa Apolónia. Representava na altura os limites da cidade, que entretanto transbordou e vai daí fez-se uma Segunda Circular.

Museu da Dermatologia Portuguesa Dr. Sá Penella
Museu da Dermatologia Portuguesa Dr. Sá Penella
©Rosa Reis

10. Passei pelo Hospital dos Capuchos e vi uma placa a dizer Museu da Dermatologia. Devo?

Depende. Mas avisamos: o Museu da Dermatologia Portuguesa Dr. Sá Penellat tem centenas de máscaras de cera onde é possível testemunhar, no Salão Nobre do Hospital dos Capuchos, os efeitos dermatológicos de uma série de doenças, sobretudo sífilis. Didáctico, mas que ao mesmo tempo pode impressionar os mais sensíveis. Está aberto apenas à quarta-feira, das 14.00 às 17.00.

Publicidade
Parque Eduardo Sétimo
Parque Eduardo Sétimo
Fotografia: Inês Félix

11. Quem foi o atrevido que fez a estátua no topo do Parque Eduardo VII?

Sim, há quem lhe chame "O Pirilau" e o próprio escultor, João Cutileiro, disse por alturas da sua inaguração que "o jacto de água do Lago de Genebra tem uma ejaculação muito maior". Posto isto, a peça chama-se Monumento ao 25 de Abril de 1974 e foi uma encomenda do município inaugurada a 25 de Abril de 1997. Pesa 90 toneladas e a forma fálica que se destaca simboliza a força viril e o vigor da revolução de Abril.

taxi
taxi
Fotografia: Ana Luzia

12. Porque é que há táxis pretos e verdes e outros bejes?

As gerações mais velhas sabem mais ou menos esta história. No já longínquo ano de 1993, foi decretada a alteração obrigatória da cor dos táxis, então todos verde-mar e preto, para bege-marfim, por ser menos dispendiosa. Mas seis anos depois a cor do veículo ficou à escolha do proprietário do veículo, que pode optar entre esta cor e a versão mais clássica.

Publicidade
Franjinhas
Franjinhas
©Inês Félix

13. Quem baptizou o Franjinhas com nome de desenho animado?

Amado por uns, odiado por outros, a verdade é que este edifício de lojas e escritórios da Rua Braancamp ostenta o galardão de Prémio Valmor e é Monumento de Interesse Público desde 2011. Apesar de toda a polémica, foi a sociedade alfacinha que o baptizou com um nome carinhoso. Franjinhas é uma referência ao cão da série animada francesa Carrossel Mágico, que se estreou na RTP em 1966.

castelo de São Jorge, S.Jorge, castelo,
castelo de São Jorge, S.Jorge, castelo,
Fotografia: Duarte Drago

14. O Castelo de São Jorge é do tempo de que rei?

Tudo começou com uma fortificação construída pelos muçulmanos que aqui reinavam antes da chegada de D. Afonso Henriques em 1147. Ao longo dos tempos foi sendo readaptado, mas chegou ao século XX em ruínas, ocupado por algumas estruturas militares. O que vemos hoje foi reconstruído entre 1938 e 1940 a partir das fundações da fortaleza original, numa altura em que se descobriram imensos vestígios históricos.

Publicidade
Trabalhos de manutenção do Metro
Trabalhos de manutenção do Metro
Fotografia: Duarte Drago

15. O que acontece quando fecham as portas do metro?

Assim que termina a circulação à uma da manhã, todas as carruagens recolhem ao Parque de Material e Oficinas III do Metropolitano de Lisboa, na Estrada da Pontinha. É nesta altura que entra em marcha o trabalho de técnicos do Metropolitano de Lisboa que se apresentam meia hora depois para fazerem a manutenção e a reparação de carris, sinais e sistemas eléctricos pelos túneis da rede. Nós já vimos tudo. Espreite aqui.

Coisas sobre Lisboa

Descubra onde é isto e teste se é um verdadeiro lisboeta

Coisas para fazer Jogos e passatempos

Considere isto um treino para não corar quando alguém de fora lhe fizer perguntas difíceis sobre a sua própria cidade. Este é o segundo teste que o pode validar como um verdadeiro alfacinha, o que só acontece se responder a pelo menos três dos cinco desafios propostos. As soluções estão a seguir à imagem nº5 (ou antes da imagem nº 1, como lhe der mais jeito) e, apesar das imagens terem sido retiradas do Google Maps, não vale ir copiar ao Google. Aceita o nosso desafio?

Jardim Botânico da Universidade de Lisboa
Helena Galvão Soares

O Rossio na Betesga #33: dragoeiros de Lisboa – em flor

Notícias Vida urbana

“É uma árvore pré-histórica.” “Vivem mais de 1000 anos.” “Só tem flores de vinte em vinte anos.” “São muito raras em Lisboa.” Isto é tudo mais ou menos verdade, mas não inteiramente. A figura exótica do dragoeiro (Dracaena draco), com a sua copa de guarda-chuva fractal, tende a inflamar a imaginação de quem os vê. Mais ainda quando estão em flor, com uns grandes cachos de flores cor de pérola que convivem com cachos de frutos laranja vivo.

Publicidade
quinta das conchas, lumiar, parque, jardim,
Fotografia: Duarte Drago

Os melhores parques e jardins em Lisboa

Coisas para fazer

Em Lisboa há espaços verdes para todos os gostos e nós escolhemos os melhores para brincar com os miúdos, ler um livro ou fazer um piquenique, independentemente da altura do ano. Afinal todos os dias são bons para uma pausa num destes parques e jardins de Lisboa. Do jardim da Estrela ao pulmão verde de Lisboa – falamos do Monsanto, pois claro –, espaços verdes não faltam na cidade. Com parques infantis, espaços para praticar desporto e correr ou simplesmente para se deixar estar. Vale tudo, menos ficar em casa.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade