Global icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Uma viagem pelos túneis fechados do Metro de Lisboa

Uma viagem pelos túneis fechados do Metro de Lisboa

Apanhámos o metro à 1.30, quando todas as estações estão fechadas, e fomos com os trabalhadores do Metro de Lisboa reparar carris, sinais e sistemas eléctricos. Sem perturbações.
Trabalhos de manutenção do Metro
1/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
2/34
Duarte Drago
Metro Baixa-Chiado
3/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
4/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
5/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
6/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
7/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
8/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
9/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
10/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção no Metro
11/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção no Metro
12/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
13/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
14/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
15/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
16/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
17/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
18/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
19/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
20/34
Duarte Drago
21/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
22/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
23/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
24/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
25/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
26/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
27/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
28/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
29/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
30/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
31/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
32/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
33/34
Duarte Drago
Trabalhos de manutenção do Metro
34/34
Duarte Drago
Por Duarte Drago |
Publicidade

Os últimos comboios a circular nos subterrâneos de Lisboa partem de cada estação terminal por volta da 1.00 da madrugada. Meia hora depois, quando os passageiros já estão todos à superfície, recolhem às oficinas da Pontinha. A corrente eléctrica é desligada nas linhas e entra em circulação uma locomotiva a diesel, que acompanha os trabalhadores que fazem a manutenção da rede nas galerias vazias.

Este trabalho no Metro é invisível às centenas de milhares de passageiros que a ele recorrem para percorrer a cidade durante o dia. A Time Out acompanhou estas operações de manutenção da linha, que é feita ao longo da madrugada para garantir o bom funcionamento de carris, sinalizações e sistemas elétricos.

Tudo ao som do motor da locomotiva e orquestrado pelo inspector de via, numa obra verdadeiramente sincronizada. No fim, uma composição electrificada percorre todas as linhas para garantir que não existem perturbações – e que a circulação de passageiros pode ser retomada às 6.30, quando as estações voltam a abrir ao público.

Os trabalhos de reparação continuam durante o dia, à superfície, no Parque de Material e Oficinas III do Metropolitano de Lisboa, na Estrada da Pontinha. Uma reportagem para ler na revista desta semana, com um tema dedicado à Lisboa subterrânea.

Transportes colectivos

Publicidade
carris
Fotografia: Manuel Manso
Notícias, Vida urbana

Já é possível usar os transportes públicos e pagar depois

Esta terça-feira pode começar a ser diferente para alguns utilizadores nos transportes públicos de Lisboa. Há uma nova modalidade de pagamento do Cartão Lisboa VIVA, o VIVA Go, que permite aos utilizadores andar de transportes sem necessidade de carregamento prévio do título. O valor da viagem será debitado na conta bancária do titular, apenas e quando usar o cartão.

More to explore

Publicidade