A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Café, Café Chave d'Ouro, Lisboa Antiga, O Pátio das Antigas
©DR

O Pátio das Antigas: O café do grande letreiro

Coisas e loisas da Lisboa de outras eras

Por Eurico de Barros
Publicidade

Ligado à oposição ao regime nos anos 40 e 50, o Chave d’Ouro foi um dos cafés históricos da Baixa, ocupando um prédio inteiro.

Inaugurado em 1916, o Café Chave d’Ouro, situado no Rossio, foi um dos cafés históricos da Baixa lisboeta. E não era à toa que ostentava no telhado do prédio onde estava instalado um grande letreiro com o seu nome. É que o prédio era totalmente ocupado pelo Chave d’Ouro, que além do café, tinha restaurante, salão de chá, tabacaria, barbearia e os indispensáveis bilhares. O salão de chá chegou a ter um conjunto musical próprio. O estabelecimento promovia também passagens de ano que ficaram célebres na capital.

Em 1936, o Chave d’ Ouro foi remodelado. O projecto ficou a cargo do arquitecto Norte Júnior, tendo este nomeadamente alterado a fachada, retirando a figura do anjo em pedra de lioz e ferro da autoria de Fausto Fernandes, que lá estava desde a inauguração e fazendo construir uma fachada em estilo modernista.

Nas décadas de 40 e 50 o café estava muito ligado aos meios da oposição ao regime salazarista. Foi lá que, em Maio de 1958, se realizou o lançamento da candidatura do general Humberto Delgado à Presidência da República, onde este respondeu “Obviamente, demito-o!” à pergunta de um jornalista estrangeiro sobre o que faria a Salazar, se fosse eleito. O Chave d’Ouro encerrou em 1959, diz-se que por pressões do Governo.

+ O Pátio das Antigas: Os Olivais em Construção

+ Os segredos da calçada em Lisboa

+ Leia, grátis, as últimas edições da Time Out

Últimas notícias

    Publicidade