A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Os Eleitos
Gene PageBack L to R: Micah Stock as Deke Slayton, Jake McDorman as Alan Shepard, Aaron Staton as Wally Schirra, Michael Trotter as Gus Grissom, Patrick J. Adams as John Glenn, Colin O’Donoghue as Gordon Cooper and James Lafferty as Scott Carpenter speak to the press in National Geographic's THE RIGHT STUFF streaming on Disney+. (Credit: National Geographic/Gene Page)

O primeiro reality show da América foi uma corrida pela imortalidade

‘The Right Stuff’ é a primeira série da National Geographic a estrear-se no Disney+.

Por
Hugo Torres
Publicidade

A medalha de ouro da corrida espacial foi conquistada pelos EUA, em 1969, quando a tripulação da missão Apollo 11 protagonizou um “grande salto para a humanidade” com a bem sucedida alunagem de Neil Armstrong e Buzz Aldrin. Dez anos antes, no entanto, os norte-americanos estavam atrasados em relação ao progresso soviético. Para tentar contrariar a desvantagem, Washington decidiu acelerar e... disfarçar. Por um lado, foi criada a NASA para coordenar o esforço de exploração espacial; por outro, aproveitou-se o processo de selecção dos primeiros astronautas para entreter o povo com propaganda. É nesta parte da história que se centra Os Eleitos, a primeira série original e dramatizada a chegar ao novo Disney+ com a marca National Geographic. Estreia-se sexta-feira, 9 de Outubro, com os primeiros dois episódios. Os outros seis ficarão disponíveis semanalmente.

Os Eleitos é uma adaptação do livro escrito por Tom Wolfe, nome de dianteira do jornalismo literário, cujo título original é The Right Stuff e no qual é relatada a história do grupo de sete pilotos que ficou conhecido como Mercury Seven (em alusão ao programa espacial que integraram, o Projecto Mercury, o primeiro pensado para lançar missões tripuladas a partir dos EUA). Foi um bestseller em 1979 e rapidamente chegou ao grande ecrã, em 1983, pela mão do realizador Philip Kaufman (ainda antes de A Insustentável Leveza do Ser e Henry e June). O ambicioso filme, com mais de três horas, não teve a performance esperada nas bilheteiras, mas agradou à crítica e aos membros da Academia, que o nomearam para oito Óscares (venceu quatro, perdendo nas categorias principais). Quatro décadas depois, a história é resgatada, embora a série se foque menos no seu lado aventureiro, como fez Kaufman, e mais na ideia de que este foi, de facto, o primeiro reality show americano.

Gordon Cooper (Colin O'Donoghue), Wally Schirra (Aaron Staton), Scott Carpenter (James Lafferty), Deke Slayton (Micah Stock), Gus Grissom (Michael Trotter) e sobretudo John Glenn (Patrick J. Adams) e Alan Shepard (Jake McDorman), os dois protagonistas que a série extrai do grupo, tornaram-se figuras públicas do dia para a noite, estrelas, desdobrando-se em entrevistas, presenças, visitas e acções de charme. Logo em 1959, no ano em que foram escolhidos, de um conjunto mais alargado de destemidos pilotos de testes da Força Aérea e da Marinha, com critérios nem sempre compreendidos, para se tornarem nos primeiros astronautas americanos. Ainda não tinham alcançado qualquer objectivo e já eram tratados com a deferência reservada aos heróis. Enquanto engenheiros e cientistas de todo o tipo tentavam reduzir a um par de anos as décadas que se estimavam ser necessárias para concretizar os avanços tecnológicos essenciais, num contra-relógio personificado pelas figuras de Bob Gilruth (Patrick Fischler) e Chris Kraft (Eric Ladin).

Os Mercury Seven eram profetas do futuro, rostos solares de uma Guerra Fria que enregelava os americanos de medo. Uma esperança, uma promessa de vitória. Deviam apresentar-se como cidadãos perfeitos, patriotas, “God-fearing family men”, como os descreveu a revista Life. Essa pressão criava as tensões de bastidores, incluindo no seio familiar, que veremos em Os Eleitos. Tal como Tom Wolfe entrevistou as mulheres destes pilotos, também a série – que tem Mark Lafferty (Castle Rock) como showrunner e a Appian Way de Leonardo DiCaprio na produção – se detém em Annie Glenn (Nora Zehetner), que se debate em público com os seus problemas de fala; Louise Shepard (Shannon Lucio), a esposa ferida mas resiliente; ou Trudy Cooper (Eloise Mumford), que abdica das suas próprias ambições como piloto em prol do marido.

A cereja no topo do bolo é a rivalidade entre John Glenn e Alan Shepard, em busca do título de primeiro americano no Espaço, que chega a pôr em risco o programa. Shepard viria a ganhar essa corrida, tornando-se mais tarde no único elemento do grupo a andar na Lua. Glenn seria o primeiro americano a orbitar a Terra e venceria outra corrida, a da longevidade: em 1998, aos 77 anos, tornou-se na pessoa mais velha do mundo a bordo de uma viagem espacial. Nunca deixaram de olhar para cima. O que tanto buscavam no vazio do universo? A imortalidade. E ela aí está.

Disney+. Sexta-feira, 9 de Outubro (Estreia T1)

+ Tudo o que precisa de saber sobre o Disney+

+ Onze filmes no Disney+ a não perder

Últimas notícias

    Publicidade