A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Lisboa Criola
DR

O que une um artista plástico italiano e uma fadista portuguesa? Uma escultura

A fadista Sara Correia e o artista plástico Tony Cassanelli são a última dupla a responder ao repto lançado pelo projecto Lisboa Criola. A Time Out falou com os artistas.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

Estão sentados lado a lado num banco de jardim. Tony Cassanelli e Sara Correia falam como se fossem amigos há anos, mas, na verdade, conheceram-se há poucos meses. Foi Dino D’Santiago que juntou o artista italiano e a cantora portuguesa. Desafiou-os para fazerem parte do Lisboa Criola, um “projecto cultural, criativo, transversal e participativo, que tem por missão aproximar, celebrar e amplificar a mistura cultural que compõe a cidade comum que nos une”, como se lê na sua apresentação.

A partilha de experiências resultou num documentário em que ambos partilham a sua versão da cidade a que chamam casa. Entre Alfama, Chelas e Bairro Alto, mostram como a capital os inspira também no seu trabalho. “As coisas aqui constroem-se com relações humanas”, diz Tony Cassanelli, que depois de passar por Nova Iorque, Paris e São Paulo, optou por fixar-se em Lisboa. “Conhecer a Sara foi uma das maiores prendas”, revela, minutos depois de construírem, a dois, uma escultura de forma improvisada. 

“Queríamos fazer em conjunto uma obra performativa. Concretizar a música [da Sara] numa escultura. Foi uma coisa muito natural. Ela explicava-me as razões do seu fado, da sua música, e o que significa, o que é a alma fadista para ela. E ao mesmo tempo eu tentava consolidar essa alma através do seu som”, explica à Time Out. “A ideia era fazer nascer uma alma”, diz. O resultado, um molde em gesso, deverá dar lugar ainda à peça final. “É um negativo, que depois pensarei em fazer em bronze, cera ou numa resina resistente”.

Lisboa Criola
DR

“Parece uma alma”

Se, enquanto fadista, Sara Correia está habituada a interpretar, neste contexto foi desafiada a ir mais longe. “Foi diferente pelo facto de estar a cantar e alguém estar a fazer uma obra ao mesmo tempo inspirada naquilo que estou a cantar. É completamente diferente de estar a cantar para um público a passar somente uma mensagem às pessoas. Foi o cruzar de duas almas diferentes e de duas formas de arte. Mas que no fundo se cruzaram e muito bem. Foi um dia muito especial”, conta. Apesar de terem combinado que a peça seria criada de improviso, a intérprete admite que tentaram que ela cantasse coisas mais fadísticas e pesadas”.

No processo, a cantora também interagiu com os materiais. “Normalmente quando faço concertos tenho a tendência de tocar nos meus músicos ou mesmo nos próprios instrumentos. Aqui foi diferente pelo facto de sentir que estava a crescer algo de novo. E nem eu nem eles sabíamos o que poderia sair daquela obra”, afirma. O resultado, “parece uma alma”, descreve. E “que as almas se cruzaram não tenho dúvidas nenhumas”.

O documentário pode ser visto na íntegra no canal de Youtube do projecto Lisboa Criola, assim como o vídeo do processo de criação da obra conjunta dos artistas. 

+ Somos todos crioulos: nasceu um projecto para celebrar Lisboa

+ ‘A Mensagem’ torna-se o primeiro jornal português a dar notícias em crioulo

Últimas notícias

    Publicidade