Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Rossio na Betesga #25: macacarias
Notícias / Vida urbana

O Rossio na Betesga #25: macacarias

O Rossio na Betesga #25: macacarias
© Inês Félix

Em toda a valiosa colecção do Museu do Azulejo, este será o painel que mais facilmente fará o visitante soltar uma gargalhada ou esbugalhar os olhos. O que faz aquela galinha dentro de um coche?

© Inês Félix

 E no canto oposto, aquilo é uma orquestra de macacos instrumentistas? O olhar é puxado para cada pormenor.

© Inês Félix

O painel chama-se O Casamento da Galinha e é uma singerie (macacaria), um estilo em que os protagonistas são macacos (sim, daí o nome) em trajos e actividades humanas, com intenção geralmente satírica. Embora estas figuras já apareçam como apontamentos nas iluminuras medievais, o estilo surge em força na pintura flamenga do século XVI e XVII e espalha-se pela Europa nos séculos seguintes em frescos, mobiliário, cerâmica, serviços de louça... Em Portugal, como não podia deixar de ser, surge em azulejo. A nobreza que acabara de sair vitoriosa da Guerra da Restauração (1640-1668) investiu na construção de novas quintas de recreio e encomendava painéis de azulejo para o revestimento de casas e jardins. Foi em duas dessas quintas que surgiram as macacarias que chegaram até hoje.

 

 

Pormenor de um painel do Palácio Marqueses de Fronteira
©DR

 

O painel O Casamento da Galinha foi trazido da Quinta de Santo António da Cadriceira, no Turcifal, e os outros exemplares podem ser vistos nos jardins do Palácio dos Marqueses de Fronteira.

+ O Rossio na Betesga #24: as placas da Avenida de Madrid

+ O Rossio na Betesga #23: o zoológico da Tapada das Necessidades

Publicidade
Publicidade