Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Rossio na Betesga #31: a Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos
Notícias / Vida urbana

O Rossio na Betesga #31: a Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos

Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos
© Helena Galvão Soares

Entre Alcântara e Santos encontram-se as duas Gares Marítimas construídas nos anos 1940 num plano de modernização do Porto de Lisboa. Ambas são belíssimos edifícios projectados pelo arquitecto Porfírio Pardal Monteiro, com enormes e espectaculares painéis murais de Almada Negreiros nos salões de recepção dos passageiros. Pena é os lisboetas não os poderem ver, porque estão encerrados ao público. (Não podiam abri-los um domingo por mês? Ou umas quantas vezes por ano, já era alguma coisa... fica a sugestão.)

Mas o que nos traz a estas gares são os seus nomes. Gare Marítima de Alcântara não tem grande ciência – fica na Doca de Alcântara, em Alcântara. Mas, Rocha do Conde de Óbidos? É difícil de conceber que ali à beira-Tejo existisse uma rocha com dimensões tais que desse nome ao local. E mais, a ter existido, o que lhe aconteceu?

 

 

Palácio e Escadinhas da Rocha do Conde de Óbidos
© HGS

 

Como muitas vezes acontece, as referências no mar estão em terra, e é esse o caso aqui. De costas para a gare e olhando para terra, lá está ela, a Rocha, um penedo que se via do Tejo, bem acima dos edifícios da actual 24 de Julho. Sobre ele foi construído no século XVII o Palácio do Conde de Óbidos, hoje sede da Cruz Vermelha. A partir do Palácio começou a criar-se um pequeno império onomástico que se estendeu ao jardim (actual Jardim 9 de Abril), miradouro e escadaria, que ficaram conhecidos como Jardim, Miradouro e Escadinhas da Rocha do Conde de Óbidos. Dali para o Tejo, foi um pulinho.

Embora as gares não estejam abertas ao público, o Porto de Lisboa faz visitas guiadas gratuitas para grupos com um mínimo de dez pessoas. Marcações: 21 361 1025/6

O Rossio na Betesga #30: The Smallest Gallery

+ O Rossio na Betesga #29: um arco em bolandas

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments