Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Taco Locoo é o novo oásis mexicano no coração de Lisboa
Notícias / Comida

O Taco Locoo é o novo oásis mexicano no coração de Lisboa

Taco Locoo
©Inês Félix

No 119A da Rua do Conde de Redondo há um novo México à prova. O Taco Locoo chega de um sonho de aproximar toda a geografia gastronómica do país dos mariachis e tem na cozinha a mão de Zenesh Bhattarai, o chef que conta com passagens pelo Mez Cais LX, Las Ficheras ou Cantina Los Bicos.

Há fajitas de frango, bife e camarões (16,95€), chimichangas (14,95€), enchiladas de vegetais (13,95€) e frango (14,95€). Não falta chili com carne (13,95€), tacos soft shell como o pastor (9,95€), com secretos de porco, o prawn (10,95€), com camarão grelhado, ou tacos hard shell, como o de frango (9,50€), servido com pico de gallo, queijo ralado e coentros. E nem os burritos como o barbacoa (14,95€), com carne de porco cozinhada lentamente, ou os churros (5,95€), foram esquecidos.

O Taco Locoo – com dois "o" por questões comerciais – é um sonho antigo de Sushma Rimal e Zanesh Bhattarai, o casal nepalês que percorreu o globo e acabou em Lisboa a trazer o México à mesa. "Ele cozinha há dezasseis anos e dedicou-se à comida mexicana nos últimos 11", diz Sushma sobre Zanesh, enquanto prepara uma margarita clássica (6,50€), acompanhada na carta por outras como a de morango ou pelas especiais mint juleby (8,95€) com frutos vermelhos, menta, sumo de lima, almeca e agave, e a cucumber juleby (8,95€), com o pepino a servir de ingrediente diferencial da anterior.

 

O chili com carne do Taco Locoo traz os molhos separadamente
Fotografia: Inês Félix

 

A razão da mistura entre Nepal, México e Portugal pode parecer estranha, mas a passagem de Zanesh pelo país a sul dos Estados Unidos serviu de dínamo. "O chef viveu uns quantos meses no México e trabalhou no passado com bons chefs, em Londres, o que lhe deu um bom conhecimento." Isso precipitou uma cozinha em que as fronteiras se esbatem. Não há gastronomia exclusiva do Norte ou do Sul, não há distinção entre Este e Oeste, "é sobre o sabor, isso é que importa". "A base é mexicana, claro, mas os sabores são de todo o mundo. Se fosse exclusivamente mexicano, os pratos e a apresentação seriam diferentes."

O primeiro indício da diferença é na disposição do prato. Todos os que chegam à mesa estão cuidadosamente organizados e com uma particularidade: a separação dos molhos. "Queremos que as pessoas possam escolher o que querem e o que não querem, sem precisar de restringir o gosto por culpa do tempero", diz Sushma. "O burrito servimos com guacamole e sour cream à parte porque desta forma o sabor é mais suave. E fazemos o mesmo com as fajitas", explica, acrescentando que o chili é uma excepção já que, apesar de trazer os molhos separadamente, leva picante na confecção "para o tornar mais autêntico."

 

A chimichanga acompanhada de arroz mexicano, natas, guacamole, jalapenos e salada
Fotografia: Inês Félix

 

Outra das diferenças é nas fajitas, trazidas à mesa desconstruídas. "Queríamos que as pessoas pudessem construí-las como lhes apetecesse, se não gostarem de um ou outro molho, têm sempre opção." Por último, o plano é a expansão, ainda que, por agora, estejam "mais concentrados nos pratos e na frescura do que no futuro", atira Sushma. "Gostávamos de ter um espaço maior, mesas diferentes, mas vamos com calma porque ainda faltam algumas alterações aqui."

Até lá, há uma esplanada para abrir no princípio de Dezembro com capacidade para 20 pessoas e várias paredes para preencher de cor, no início de Janeiro. Mas a peça central já chegou, ao fundo, um mural com Frida Khalo e uma garrafa de Corona. "Demos a ideia à marca e conseguimos, o plano era fazer o resto das paredes com qualquer coisa assim" mas, por agora, são os sombreros que marcam a decoração, tanto nas paredes como nas mesas. 

 

As fajitas são um dos pratos mais pedidos
Fotografia: Inês Félix

 

As sobremesas finalizam a carta e estendem-se dos churros ao cheesecake (6,95€), passando pelo combo banana Nutella chimichanga (6,95€), em que as tortilhas caseiras de trigo se recheiam de banana, Nutella, gelado de baunilha e nozes picadas, e pelo mixed ice cream (5,95€), com três colheres de diferentes sabores. Se o México não lhe chegar, pela carta há também bife do lombo (17,95€), salada de salmão (12,95€), hambúrguer clássico (11,95€) com costelinha de porco temperada ou ceviche de pescada, salmão e atum (11,95€). 

Rua do Conde de Redondo, 119A (Marquês de Pombal). 21 589 9191. Seg-Dom 11.30-15.00/18.30-02.00 (a cozinha encerra às 23.00).

+ Os melhores restaurantes mexicanos em Lisboa

Publicidade
Publicidade