A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
O Homem Que Comia Tudo
O Homem Que Comia Tudo

O Zoom Mais Ardente de Portugal: o curso de picantes d'O Homem Que Comia Tudo

O jornalista Ricardo Dias Felner vai ensinar tudo o que sabe sobre coisas picantes num curso online, de 9 a 15 de Dezembro.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Era uma ideia que lhe matutava na cabeça fazia tempo mas, pelo meio, meteu-se a pandemia. Ricardo Dias Felner, jornalista, ex-director da Time Out e O Homem Que Comia Tudo no mundo virtual, é um dos muitos seres humanos cujo genuíno interesse e prazer pelos chiles, pimentas e picantes, no geral, acalenta a alma e deixa a suar em bica. Não sendo possível partilhar o entusiasmo e o conhecimento presencialmente sobre este universo com seus semelhantes, lembrou-se de criar um curso online, em que irá ensinar a cozinhar molhos picantes, picles, fermentados, receitas, salteados chineses, maioneses. Tudo picante, portanto.

Chamou-lhe O Zoom Mais Ardente de Portugal. Acontece entre 9 e 15 de Dezembro, das 18.30 às 20.30, e a ideia “é cruzar conhecimento”, explica à Time Out. “Há alguns anos que estudo estas coisas. Falo de picantes à base de malaguetas, mas também de pimentas-de-sichuan, gengibre ou mostarda”, detalha. Ao todo, serão oito horas, quatro jantares (picantes) e seis preparações – mas para que tudo seja possível, será enviado para casa de cada participante um kit picante, com algumas matérias-primas difíceis de encontrar e que tornam possível a confecção de tudo o que está planeado. Serão também dadas indicações para a compra de bens perecíveis, que não podem ser enviados e essenciais à experiência.

O Homem Que Comia Tudo
O Homem Que Comia Tudo

Mas não se preocupe se já está a achar que este é um curso só para entendidos, ou que tem de ser um consumidor ávido de capsaicina, o componente activo das pimentas que lhe conferem aquele calor na boca. O anfitrião garante que a maior parte do processo andará à volta de “picar alho e moer coisas”. Deixa, contudo, o aviso de que convém ter um pilão à mão. O kimchi, diz-nos, será provavelmente o processo mais complexo. Além disso, irá aprender-se a fazer os pós que dão origem aos caris indianos, bem como as técnicas de outros caris, frescos, como o tailandês ou o etíope, por exemplo. “Vamos aprender a comprar [o picante], conhecer os melhores produtores, os melhores molhos (nacionais e internacionais), as receitas mais especiais e os melhores livros da especialidade”, escreve o jornalista no site criado para o evento gastronómico.

O curso fica-lhe por 55€ (com o envio das matérias-primas incluídas) e tem lugar na plataforma Zoom. Para saber mais sobre esta passagem e troca de conhecimentos picantes, consulte o site d’O Homem Que Comia Tudo – Picante. É lá que também poderá fazer a inscrição ou esclarecer qualquer dúvida com o autor. Fica a promessa de noites repletas de endorfinas naturais e de suores frios nas pálpebras.

+ Leia grátis a Time Out Portugal desta semana

+ Os restaurantes mais picantes da cidade

Últimas notícias

    Publicidade