Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores restaurantes indianos em Lisboa

Os melhores restaurantes indianos em Lisboa

Nem todos o vão fazer cuspir labaredas, mas reunimos aqui alguns dos melhores restaurantes indianos em Lisboa

chutnify
©Francisco Santos Carril de borrego do Chutnify
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Uma das primeiras referências dos portugueses no que respeita à cozinha étnica foram os restaurantes indianos. E não há como os contornar. Nos restaurantes desta lista não faltam chamuças, caris ou pães naan quentinhos. Cada um com as suas especialidades, um mais moderno e perito em fazer dosas (que são uns crepes gigantes); outros mais clássicos e prontos para darem aos comensais o que querem. E, no meio disto tudo, quase numa categoria à parte, um par de goeses que operam uns furos acima da competição, o Jesus é Goês e o Tentações de Goa. Benditos. 

Não tenha medo e prepare as papilas gustativas para ver se aguentam esta viagem pelos melhores restaurantes indianos em Lisboa.

Recomendado: Os melhores restaurantes do mundo em Lisboa

Os melhores restaurantes indianos de Lisboa

Caxemira - Sala
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Indiano

Caxemira

icon-location-pin Santa Maria Maior

Tentaram meter o Rossio na Rua da Betesga e não deu em nada, mas os melhores sabores da Índia estão todos bem escondidos num primeiro andar discreto e apertado. Entre os valores seguros, o Caxemira, na Praça da Figueira, continua a ser obrigatório, não só porque tem das melhores chamuças de Lisboa, bem recheadas, como faz dos caris mais picantes desta cidade (o caril indiano de camarão é intenso), com destaque para o borrego com piripíri. Peça também a cerveja indiana, porque vai mesmo precisar de alguma coisa fresquinha para acalmar o fogo que vai sentir.

ganesh palace
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Indiano

Ganesha Palace

Os donos do velhinho Gandhi Palace, com cerca de 20 anos na Baixa, abriram em 2017 o Ganesha Palace – o típico italo-indiano: há espinafres com paneer, um queijo indiano feito na casa a partir de leite e limão, ou shashi kofta, almôndegas vegetais mergulhadas num molho de caju e natas, e, claro, tikka masala. Se a comida é tradicional, o espaço não fica muito atrás –  não há nenhum Taj Mahal, que Saini, o dono, não queria ter esse monumento que se vê em todo o lado. Mas há, de uma ponta à outra da sala, o colossal palácio do rei de Jaipur, uma imagem onde se vê um grande lago artificial de água esverdeada. 

Publicidade
Restaurantes, Indiano

Haweli Tandoori

icon-location-pin São Vicente 

Come-se muito bem aqui. Mas convém reservar mesa, que este pequeno restaurante da Graça costuma estar bem cheio e é praticamente uma instituição do bairro. De ambiente e serviço descontraídos e honestos, acolhedores mesmo, tem boas chamuças (gulosas e gordurosas), caris no ponto, sem serem demasiado picantes, pratos de biryani e grelhados bem temperados. A bebinca também não vacila.

Zaafran by Chef Khan
©DR
Restaurantes, Indiano

Zaafran

icon-location-pin Lisboa

A uns 50 metros do Zaafran, na rotunda da Estefânia, o chef Khan, o dono, abriu um irmão mais novo, menos tradicional, que funciona com take-away. É mais virado para petiscos tradicionais mas o melhor é que aqui só tem de decidir qual a dose de picante que quer, porque existe para todos os estômagos, dos sensíveis aos corajosos. As chamuças são boas para ir comendo enquanto espera ou para começar a refeição no restaurante: há de carne picante, camarão picante, frango ou vegetais. O tikka masala – de frango, camarão, espinafres ou legumes – existe em versão sem picante, picante ou, prepara-se, muito picante, sempre com arroz basmati a acompanhar. 

Publicidade
chana massala do konceito
©DR
Restaurantes, Indiano

Konceito

icon-location-pin São Sebastião

O nosso crítico Manuel F. Caldeira deu-lhe quatro estrelas. Foram merecidas e ele não se poupou a rasgados elogios. “O Konceito revelar-se-ia um dos melhores indianos que visitei nos últimos tempos e, não de somenos importância, um a que tenciono voltar”, escreveu ele na altura. Depois, elogiou o caril com camarões “do tamanho de polegares, crocantes de bons” em leite de coco, o borrego “afogado num refogado à base de tomate”, e a boa bebinca, um bolo em camadas à base de ovos, leite de coco e açúcar.

Natraj
©DR
Restaurantes, Indiano

Natraj

icon-location-pin Grande Lisboa

O Natraj é um dos melhores indianos de Lisboa e arredores. Além de boas chamuças, com muitas especiarias, há ainda camarões em molho verde com hortelã, folhas frescas de caril, gengibre e cajus, caril de borrego, espetadas indianas bem temperadas, quase surpreendentes, e vários pratos com molho punjabi ou karahi, bem picantes. Para sobremesa há bebinca no ponto. E o melhor é que têm um par de restaurantes em Lisboa e outro em Odivelas, ambos casas sérias onde pode bater o recorde de especiarias num só prato (o camarão à Natraj com massala leva 33 pozinhos diferentes), portanto é só escolher.

Publicidade
templo hindu
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Indiano

Templo Hindu Radha Krishna

icon-location-pin Lumiar

No que respeita à cozinha vegetariana indiana, muito rica, o melhor representante continua a ser o Templo Hindu, no Lumiar. É outro sítio especial, com um parque de estacionamento debaixo do templo, gigante e cinematográfico, onde estamos sempre à espera de ver aparecer uma coreografia de Bollywood. Come-se de um buffet, à discrição, e no final pode-se levar para casa os maravilhosos aperitivos indianos, fritos feitos de farinha de lentilhas, ou os barfi, doces típicos de frutos secos, como o caju ou a amêndoa, tudo feito na fábrica do templo, mesmo ao lado. 

O melhor de tudo? É que é um dos restaurantes em Lisboa onde pode comer bem até 10 euros.

Restaurantes, Indiano

Cantinho da Paz

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Bem perto da Assembleia da República fica este restaurante com boa comida goesa. Conte com os paparis e as chamuças para entrada, e com os caris de gambas, os xacutis de galinha ou as chouriças de Goa para ficar bem alimentado. As especialidades deste cantinho saem da cozinha à sexta-feira e ao sábado. O caril de caranguejo e a moqueca à indiana são duas das mais pedidas.

Publicidade
darjeeling express
Manuel Manso
Restaurantes, Indiano

The Darjeeling Express

icon-location-pin Sete Rios/Praça de Espanha

De entre os modernos cool indianos, também já há opções. O Darjeeling Express, no Alto dos Moinhos, é o expoente máximo de um indiano indie, com empratamentos bonitos, caris de lentilhas amarelas e outros molhos comedidos de picante. 

Chutnify
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Indiano

Chutnify

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Este restaurante indiano de Berlim chegou a Lisboa para trazer novidade àquilo que sabíamos sobre cozinha indiana. E às dosas e aos pani-puris somou-se uma carta de cocktails bem trabalhada. Peça o caril de borrego de Telengana, uma povoação de Andhra Pradesh na Índia, conhecida por ser o sítio onde se comem os pratos mais picantes do país. O nosso crítico Alfredo Lacerda garante que este prato é a "estrela da noite", com bocados de borrego envoltos num molho denso, escuro e maneiríssimo.

 

Publicidade
Everest Montanha - Sala
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Nepalês

Everest Montanha

icon-location-pin Alvalade

Sem sair do subcontinente indiano pode conseguir à mesma a sua dose semanal de caril – às vezes só muda a designação de origem. A comida do Nepal, que faz fronteira a norte com a Índia, é muito semelhante à indiana. Prova disso é o Everest Montanha, na Avenida do Brasil, onde tudo é bem feito – a começar nos paparis, a acabar no camarão Everest, com molho de caju, frutos secos e couve-flor – com uma ou outra concessão aos ocidentais, como o frango tikka masala, esse ícone da cozinha indo-britânica, aqui excelente. 

Casa Nepalesa
©Cesar Baltazar
Restaurantes, Nepalês

Casa Nepalesa

icon-location-pin Avenidas Novas

Onde não há tikka masala é na Casa Nepalesa, na Avenida Elias Garcia, à Gulbenkian, restaurante onde se nota o dedo do chef e empresário nepalês Tanka Sapkota, mais conhecido pelos seus restaurantes italianos Come Prima e Il Mercato, aqui em sociedade com o irmão. Está lá todo o folclore do Nepal, mas do bom, tal como é o produto usado em pratos como o borrego nacional com batatas, espargos verdes frescos e caril, ou no javali com cogumelos frescos. 

Publicidade
Bangla
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Bangla

icon-location-pin Intendente

O Bangla é uma casa segura, sempre cheio e barulhento, com óptimo pão indiano assado no momento, excelente para ajudar a levar à boca o molho do caril de borrego. No final, não pode deixar de experimentar os doces típicos da região, também caseiros, feitos de farinha de grão ou de leite em pó, como o obrigatório gulab jamun.

Tentações de Goa
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Indiano

Tentações de Goa

icon-location-pin Castelo de São Jorge

A cozinha goesa é um caso à parte, dentro da cozinha indiana, por causa da influência portuguesa. E Lisboa é uma cidade privilegiada, por ter acolhido comunidades de ascendência goesa, quer da Índia, quer vindas de Moçambique. Mas dentro da cozinha indo-portuguesa servida em Lisboa, há outro caso à parte: o Tentações de Goa. É impressionante como Maria dos Anjos, a mulher à frente do restaurante, consegue manter a qualidade ao longo de 22 anos. O pequeno restaurante na Mouraria continua a ser uma referência para a comida indo-
-portuguesa tradicional de Lisboa, dos bajhi puris, ao caril de caranguejo, passando pelo sarapatel e acabando no extraordinário chouriço à goesa, enchido na casa com muitas especiarias e muita malagueta. Um indicador de qualidade é o facto de haver um grupo de goeses que se têm mantido clientes fiéis, desde o primeiro dia. 
De resto, não há concessões em matéria de picante, embora haja pratos que, de origem, são mais suaves, como os biryanis. O sítio fica numa pequena viela da Mouraria e está decorado com motivos e fotografias de Goa, como se estivéssemos na sala de jantar de uma família goesa. Dois alertas: não deixe de reservar; não deixe de levar dinheiro, que não há Multibanco.  

Publicidade
Jesus é Goes
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Indiano

Jesus é Goês

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

O espaço é banal, o sítio é assim-assim, mas a comida goesa de Jesus Lee Fernandes não desilude. Aliás, não sejamos comedidos, é da melhor que se come em Lisboa. Das chamuças ao xec xec de caranguejo, do sarapatel ao chacuti de cabrito, é tudo em bom. E em picante. Muito picante mesmo. 

Para algo diferente

Muito Bey - Tapas
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Os melhores restaurantes do Médio Oriente em Lisboa

Esqueça as mil e uma noites e coloque o mindset mais nos mil e um pratos. Temos Turquia, Líbano, Síria e o estilo do Médio Oriente inteiro: muitos pratos para partilhar e o pão como estrela da mesa. Nem precisa de pegar na bússola para rumar a Oriente, basta pegar nesta lista e orientar-se por estes restaurantes do Médio Oriente em Lisboa.

El Bulo
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Os melhores restaurantes latino-americanos em Lisboa

Não sabe onde comer causas, tacos, moquecas, ceviches, empanadas e guacamole na cidade? Atravessámos o Atlântico sem sair de Lisboa para lhe apresentar os melhores restaurantes latino-americanos em Lisboa. Para escorregar melhor, pode escolher entre mojitos, pisco sours, caipirinhas e margaritas. Mantenha um copo de água por perto, que a coisa pode aquecer.

Publicidade
Dim sum do Estoril Mandarim
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Chinês

Os melhores restaurantes chineses em Lisboa

Os Golden Visa não melhoraram só o panorama do imobiliário da cidade. A procura de comida chinesa autêntica e regional aumentou e já não é tudo arroz chau chau e rebentos de soja. Do Martim Moniz ao Estoril, consegue-se comer de tudo um pouco, mesmo que por vezes tenhamos de ir ao apartamento dos senhores. Estes são os melhores restaurantes chineses em Lisboa

soi
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Pan-asiático

Nestes restaurantes pan-asiáticos em Lisboa cabe a Ásia toda

Para quê um japonês ou um vietnamita quando se pode ter a Ásia (quase) toda à mesa? Pan-asiáticos: não há o que temer, não é um nome estranho para uma dieta restritiva que se tornou trending na internet. Lisboa está a ganhar uns quantos espaços que não querem ter de escolher entre um pho vietnamita ou um ramen japonês e que põem o mais que podem e sabem sobre a Ásia na mesma carta. O resultado são cartas com muita street food asiática, agridoce, picante e comida de conforto. Escolhemos seis malgas que lhe dão calor para o início do Outono.

Publicidade