A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Óscares: em noite de surpresas, o prémio maior foi para Green Book

Escrito por
Cláudia Lima Carvalho
Publicidade

Foi uma noite de surpresas, com a maior de todas a ser guardada para o fim: Green Book – Um Guia Para a Vida venceu o Óscar de Melhor Filme, deixando para trás o favorito Roma. O filme de Peter Farrelly valeu ainda a Mahershala Ali a estatueta de Melhor Actor Secundário.

Sem o habitual, e tantas vezes controverso, apresentador, depois de a Academia ter afastado Kevin Hart por declarações homofóbicas, a noite de Óscares deste domingo foi diferente com a diversidade em cima do palco e com os prémios a serem distribuídos pelos vários filmes.

Se olharmos para os números, não deixa de ser surpreendente que Bohemian Rhapsody, o filme sobre a vida de Freddy Mercury que tanto apaixonou os fãs de Queen como chateou os críticos, seja o grande vencedor com quatro Óscares. O filme que teve o seu realizador despedido, depois de várias acusações de abuso sexual, valeu a Rami Malek o Óscar de Melhor Actor. Bryan Singer, no entanto, nunca foi mencionado. Logo atrás, ficaram Black Panther, Green Book e Roma com três estatuetas.

Pela primeira vez, o México venceu o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro com Roma, de Alfonso Cuarón. O filme da Netflix era um dos grande favoritos aos prémios com dez nomeações, a par de A Favorita, mas acabou por arrecadar apenas três. Ainda assim, as memórias de infância de Cuarón numa clara homenagem à empregada doméstica que o ajudou a criar valeram-lhe o Óscar de Melhor Realizador. Roma venceu ainda na categoria de Melhor Fotografia. Nunca a Netflix tinha conquistado tantos e tão importantes prémios.

“Como artistas, o nosso trabalho é olhar para onde os outros não olham. Esta responsabilidade torna-se ainda mais importante nos momentos em que nos dizem para desviar o olhar”, disse em palco o realizador mexicano que soma já quatro Óscares na sua carreira.

Já a A Favorita, do grego Yorgos Lanthimos, só conseguiu mesmo um prémio, que foi também uma surpresa. O papel da rainha Ana valeu a Olivia Colman o Óscar de Melhor Actriz, levando a melhor a Glenn Close, que continua assim sem receber o cobiçado prémio. “Isto é hilariante, ganhei um Óscar”, reagiu a britânica Colman, mostrando-se surpresa com a sua escolha.

Por seu lado, Rami Malek era apontado como o grande favorito ao maior prémio de representação. O actor que deu primeiro nas vistas na aclamada série Mr Robot foi somando prémios até aqui chegar, entre os quais um Globo de Ouro. Malek, de 37 anos, filhos de imigrantes do Egipto, lembrou a infância difícil quando ainda procurava o seu lugar. “Aquele miúdo estava a lutar com a sua identidade, a tentar perceber-se e para aqueles que estão a lutar e à procura de uma voz, oiçam: fizemos um filme sobre o um homem gay, um imigrante, que viveu a sua vida sem pedir desculpas”, disse Malek ao receber o Óscar.

Bohemian Rhapsody venceu ainda nas categorias de Melhor Montagem, Melhor Sonoplastia e Edição Sonora.

Nas categorias secundárias da representação, além de Mahershala Ali, que conquistou o seu segundo Óscar com o papel do pianista de jazz Don Shirley, foi premiada Regina King. Esta foi a primeira vez que a actriz foi nomeada, por Se Esta Rua Falasse, e ao subir ao palco King não escondeu a emoção e dedicou o prémio à sua mãe por todo o apoio e dedicação.

Sem surpresas, o Óscar de Melhor Canção Original foi entregue a Shallow, de Lady Gaga. Assim Nasce Uma Estrela, de Bradley Cooper, estava nomeado para oito categorias, mas acabou por só levar esta estatueta para casa. A cantora não escondeu as lágrimas na hora de subir ao palco: “Trabalhei muito durante muito tempo e não se trata de ganhar. Trata-se, sim, de não desistir. Se têm um sonho, lutem por ele”, disse Gaga, que no início da cerimónia cantou Shallow com Bradley Cooper, conquistando uma ovação de pé.

Homem- Aranha: No Universo Aranha, que trouxe a diversidade para o universo do Homem Aranha, foi distinguido como Melhor Filme de Animação, acabando com uma hegemonia da Disney, que vencia nesta categoria há seis anos seguidos.

A lista completa dos vencedores pode ser consultada aqui.

+ As estreias de cinema que não pode perder até Maio

Últimas notícias

    Publicidade