Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As estreias de cinema que não pode perder até ao final do ano

As estreias de cinema que não pode perder até ao final do ano

O novo Tarantino, o português 'Variações', o musical 'Cats' ou o nono Star Wars são algumas das estreias a assentar até Dezembro

Once Upon a Time in Hollywood 2
Por Eurico de Barros |
Publicidade

A conversar é que a gente se entende. A pensar nisso, damos-lhe uma dezena de bons tópicos de conversa – em forma de estreias de cinema – para não ficar de fora das discussões cinematográficas.

Há muito tempo que os meses do calor deixaram de ser reservados às reposições. Os filmes continuam a estrear-se pelo Verão adentro e até Setembro estão anunciados vários que prometem. É o caso de Era Uma Vez... Em Hollywood, de Quentin Tarantino, que vai concorrer no Festival de Cannes, Variações, sobre a vida de António Variações, o novo Rei Leão, da Disney, Homem-Aranha: Longe de Casa, onde Spidey vai de férias para a Europa, uma versão contemporânea da história da Branca de Neve, com Isabelle Huppert no papel de madrasta má, ou o filme de Downton Abbey.

Recomendado: Filmes em cartaz esta semana

As estreias de cinema que não pode perder até ao final do ano

‘O Rei Leão’, de Jon Favreau

Depois de O Livro da Selva, em 2016, Jon Favreau volta a assinar uma adaptação em imagem real e com efeitos digitais, de uma longa-metragem animada clássica da Disney. Esta nova incarnação de O Livro da Selva, realizado por Roger Allers e Rob Minkoff em 1994, conta com as vozes de James Earl Jones, Seth Rogen, Donald Glover, Beyoncé ou John Oliver. (Estreia dia 18 de Julho)

‘Blanche comme Neige’, de Anne Fontaine

Eis uma versão contemporânea da história de Branca de Neve, realizada por Anne Fontaine. A jovem e bela Claire (Lou de Laâge) trabalha no hotel do seu falecido pai, que é agora propriedade de Maud (Isabelle Huppert), a sua malvada madrasta. Quando o jovem amante desta se apaixona por Claire, Maud decide livrar-se da rapariga de uma vez por todas. (Estreia dia 25 de Julho)

Publicidade

‘Tolkien’, de Dome Karukosi

Nicholas Hoult interpreta o autor de O Senhor dos Anéis neste filme que vai apanhar o professor e escritor ainda jovem, quando forma, no colégio, uma sociedade semi-secreta com mais três amigos, a T.C. B. S., seguindo-o depois, quando começa a estudar na Universidade de Oxford e conhece Mary Edith Bratt (Lily James), com a qual se casaria mais tarde. Entretanto, rebenta a I Guerra Mundial. (Estreia dia 25 de Julho)

‘Os Novos Mutantes’, de Josh Boone

Já tinham feito uma aparição em Logan, em 2017, e agora os sucessores dos X-Men tem um filme só para eles. Cinco jovens mutantes que estão ainda a descobrir e explorar os seus poderes, e se encontram encerrados numa instalação secreta do governo dos EUA, decidem evadir-se. Charlie Eaton, Alice Braga e Antonio Banderas estão entre os intérpretes de mais esta produção de super-heróis. (Estreia dia 1 de Agosto)

Publicidade

‘Velocidade Furiosa: Hobbs & Shaw’, de David Leitch

Dwayne Johnson e Jason Statham retomam os seus papéis de Luke Hobbs e Deckard Shaw neste spin-off da série Velocidade Furiosa, e têm que se juntar para enfrentarem o vilão Brixton (Idris Elba). Este é um ciber-anarquista geneticamente modificado que está de posse de uma arma biológica com que ameaça o futuro da humanidade. (Estreia dia 1 de Agosto)

‘Ran-Os Senhores da Guerra’, de Akira Kurosawa

Esta versão do Rei Lear de Shakespeare transposto para o Japão do século XVI pelo mestre Akira Kurosawa em 1985, regressa aos ecrãs portugueses em versão restaurada. Um filme de época sumptuoso, furioso, épico e violento, com uma magnífica banda sonora composta por Toru Takemitsu e um elenco liderado por Tatsuya Nakadai, intérprete de confiança de Kurosawa. (18 de Julho)
Publicidade

‘Era Uma Vez… Em Hollywood’, de Quentin Tarantino

Um dos filmes mais aguardados do ano, a nova realização de Quentin Tarantino competiu no Festival de Cannes. Hollywood, 1969. Vivem-se os últimos anos da idade de ouro do cinema americano, e estamos no auge da contracultura. Uma estrela da televisão na mó de baixo (Leonardo DiCaprio) e o seu “duplo” (Brad Pitt) tentam a sua sorte na indústria cinematográfica. (15 de Agosto)

‘Variações’, de João Maia

Esta biografia de António Variações vai ser um dos mais importantes filmes portugueses do ano, e também destes últimos tempos. Sérgio Praia já personificou Variações no palco e volta a interpretá-lo nesta fita de João Maia, que segue o barbeiro vindo da província que se transformou num fenómeno único da música pop portuguesa em Lisboa, antes de atingir o sucesso, e logo depois de se ter tornado célebre. (22 de Agosto)
Publicidade

‘It: Capítulo 2’, de Andy Muschietti

Passaram 27 anos sobre os devastadores acontecimentos do primeiro filme, e os jovens que formavam o grupo de amigos que enfrentaram e derrotaram o maléfico palhaço Pennywise cresceram e cada um seguiu a sua vida, melhor ou pior. Mas um terrível telefonema vai juntá-los na cidadezinha onde tudo se passou, obrigá-los a regressar ao passado e voltar a combater o monstro. (5 de Setembro)

‘Joker’, de Todd Phillips

Joaquin Phoenix é o novo Joker nesta fita de Todd Phillips, também co-argumentista, ambientada na Gotham dos anos 80 e onde vamos descobrir as origens daquele que se tornou num dos mais temíveis inimigos de Batman. Chamava-se Arthur Fleck, era um cómico de stand-up falhado que enlouqueceu e acabou por se transformar num assassino psicopata. Robert De Niro surge também no elenco. (3 de Outubro)
Publicidade

‘Um Dia de Chuva em Nova Iorque’, de Woody Allen

Estamos em Nova Iorque e o tempo não anda famoso e promete chuva e frio. Ashleigh (Elle Fanning) chega à cidade com a intenção de entrevistar um famoso realizador para um trabalho da universidade. Gatsby (Timothée Chalamet), o seu namorado, acompanha-a e quer aproveitar para mostrar a Ashleigh os seus lugares favoritos de Nova Iorque. Mas o seu plano para um fim-de-semana romântico vai correr mal. (24 de Outubro)

‘Le Mans’66: O Duelo’, de James Mangold

Eis a história de como a Ford desafiou o domínio da Ferrari nas 24 Horas de Le Mans em 1966, graças ao seu modelo GT 40, concebido por Carrol Shelby. Este é aqui interpretado por Matt Damon, enquanto que Christian Bale personifica o engenheiro e piloto Ken Miles, inglês naturalizado americano, que conduziu um dos Ford GT 40 que acabariam por fazer história em Le Mans 66. (7 de Novembro)
Publicidade

‘Frozen II: O Reino do Gelo’, de Chris Buck e Jennifer Lee

Os heróis da animação estreada em 2013 pela Disney vão meter-se numa nova aventura nesta parte II. Agora, Elsa, Olaf, Anna e Kristoff têm que viajar para muito longe de Arendalle. Objetivo: atingir uma ancestral floresta, para poderem descobrir a origem dos poderes de Elsa. A salvação do reino depende do sucesso dessa busca. (21 de Novembro)

‘Star Wars: A Ascensão de Skywalker’, de J.J. Abrams

No nono ( e último) filme da saga Star Wars, que volta a ter J.J. Abrams como realizador e co-autor do argumento, os sobreviventes da Resistência continuam a enfrentar as forças da Primeira Ordem. Ao mesmo tempo, o ancestral conflito entre os Jedi e os Sith atinge o clímax. No elenco surgem nomes já sobejamente familiares: Daisy Ridley, Mark Hamill, Billy Dee Williams, Adam Driver, John Boyega e Oscar Isaac, entre outros. (16 de Dezembro)

Publicidade

‘Cats’, de Tom Hooper

Judi Dench, Ian McKellen, Jennifer Hudson, Taylor Swift, James Corden e Iris Elba são alguns dos nomes que se vestem de gatos e cantam e dançam nesta adaptação ao cinema do célebre musical homónimo de Andrew Lloyd Webber, estreado em Londres, em 1981, e por sua vez inspirado no livro de poesia de T.S. Eliot Old Possum’s Book of Practical Cats. Lloyd Webber e Steven Spielberg são produtores executivos. (26 de Dezembro)

Tanto cinema

Sala de Cinema
Fotografia: Manuel Manso e Rui Pita
Filmes

As melhores salas de cinema de Lisboa

O cinema é, em grande medida, uma experiência íntima. Por mais que sejamos solidários, pessoas com mente aberta, gente disponível para aventuras destemidas, há coisas que só fazem sentido da nossa maneira. Ou seja, se para uns um filme vai bem com uma avalanche de pipocas (e aquele mascar é por certa agradável banda sonora), para outros há poucas coisas piores no mundo do que ir ao cinema e ter que levar com o barulho da mão a ir ao fundo do balde (e o sugar do refrigerante na palhinha? Ui…). A lista que se segue é uma tentativa de prós e contras sem animosidade, para agradar a gregos e troianos, pois claro.

Roma
©Netflix
Filmes

14 filmes originais Netflix que tem de ver

Para lá das séries, há muito cinema para ver na Netflix, que tem apostado cada vez mais em filmes. Começou com os documentários, depois com os filmes de autor e, mais recentemente, entrou no campeonato de Hollywood e dos grandes festivais de cinema. Roma é o melhor exemplo disto: o filme de Alfonso Cuarón conquistou o Leão de Ouro em Veneza e conseguiu para o serviço de streaming um triunfo nas nomeações para os Óscares com dez indicações. Mas há também Aniquilação, do escritor e realizador Alex Garland (Ex Machina), que acabou abandonado pela Paramount antes da estreia – felizmente, a Netfix não deixou escapar e acabou a produzir o filme de ficção científica que tem Natalie Portman à cabeça. Contas feitas, os filmes com a chancela da Netflix já são muitos. Na ficção, estes são os que não pode perder. Recomendado: Dez séries originais Netflix que não pode perder

Publicidade