A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Para beber sumos naturais dê ao pedal, diz a Veggie Wave

Por Catarina Moura
Publicidade

Na primeira loja da Veggie Wave o cliente senta-se numa espécie de bicicleta para fazer o seu sumo natural.

Mesmo em frente ao miradouro de São Pedro de Alcântara pedem-nos que sejamos clientes proactivos: para beber um sumo há se sentar numa estranha forma de bicicleta, com uma só roda, um selim e um guiador e pedalar para que um copo liquidificador, mesmo à nossa frente, comece a trabalhar. O Veggie Wave abriu esta semana a sua primeira loja, depois de ter bancas de rua com o mesmo sistema de bicicleta em Belém, no Cais do Sodré e na Lx Factory para servir sumos naturais.

veggie world, sumos

Fotografia: Manuel Manso

Quando algum cliente está mesmo cansado ou não tem vida para isto, é Pauline que sobe para esta meia bicicleta e dá ao pedal para fazer os sumos. “Às vezes as pessoas também são muito tímidas e não querem pedalar”, conta esta belga que se mudou para Portugal há menos de um ano para fazer parte desta empresa muito internacional, com uma equipa que vai do Brasil a Itália. É deste último país que vêm os fundadores, Niccolò Bagarotto e Riccardo Ferragamo, dois surfistas que queriam ter um projecto ecológico. Depois de estudar cozinha e trabalhar em alguns restaurantes, Niccolò apercebeu-se do desperdício em que esta indústria está envolvida. Aqui, a liquidificadora não precisa de corrente eléctrica para trabalhar e depois de se espremer o gengibre, por exemplo, para o sumo Purple Haze, o desperdício mais fibroso serve para fazer energy balls como as Dr. Zenzibre (2€ cada).

veggie wave, sumos
O Veggie Wave e o Purple Haze
Manuel Manso

Antes de se sentar na bicicleta pede-se o tal arroxeado purple haze que, dizem, ajuda a memória com a laranja, beterraba, gengibre e manjericão; o veggie wave é bom para a pele por causa da curcuma activada com uns pózinhos de pimenta no topo e leva ainda laranja, banana e alecrim; o pick me up já é quase uma refeição completa com leite de soja, banana, amendoim, coco ralado, canela e curcuma. Bebem-se todos em versões pequenas ou grandes (3,20€ e 4,20€) e, quando há boa fruta da época ainda aparecem umas receitas especiais do dia, como uns morangos com chili.

Na primeira loja da marca, embora muito apertada, há espaço para mais do que sumos: uma salada – a Alice (7,50€) – com couve roxa, ananás, abacate, tahini e laranja é uma refeição para levar, sem plástico, tudo em materiais biodegradáveis; e por toda a loja há ervas aromáticas em vasos, sementes de plantas sem saquinhos e plantas aéreas da Mimos Verdes que não servem só de decoração – podem comprar-se aqui. E para estes não é preciso suar antes de pagar.

Rua Dom Pedro V 1 (Príncipe Real). Seg-Dom 10.00-19.00.

Os melhores restaurantes vegetarianos em Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade