Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Ponha os olhos nisto: há árvores que nos olham nas ruas de Lisboa
Outro Olhar
Gabriell Vieira

Ponha os olhos nisto: há árvores que nos olham nas ruas de Lisboa

A dupla de artistas responsáveis pelos olhos gigantes trabalha há 20 anos no design e construção de instalações artísticas insufláveis.

Publicidade

Árvores que o olham de alto abaixo, já reparou nelas? Lisboa ganhou olhares indiscretos vindos directamente das copas do arvoredo de algumas das principais avenidas da cidade. E não, as árvores não ganharam vida, mas quase. São instalações insufláveis da dupla de artistas britânicos Filthy Luker & Pedro Estrellas e vêm a propósito do programa Lisboa na Rua. 

Na Praça Duque de Saldanha, na Avenida da Liberdade, nos Restauradores, no Rossio e no Cais do Sodré as árvores olham para a cidade lá do alto. Num percurso ao longo destas artérias lisboetas há agora “Outro Olhar”, o nome da instalação de arte insuflável que espalha pela cidade dez pares de olhos gigantes, nada que passe despercebido a quem já ande habitualmente de cabeça no ar. 

Este outro olhar de Lisboa é lançado pelos artistas britânicos Luke Egan e Pete Hamilton – dupla conhecida como Filthy Luker & Pedro Estrellas – e que compõem a Designs in Air, especializada no design de estruturas insufláveis e que, desde há 20 anos para cá, tem dado uma lufada de ar insuflado a várias cidades no mundo com instalações artísticas. A arte urbana tem mil caras e esta é uma delas. 

“Adoramos fazer novas esculturas sempre que possível, mas cada árvore e cada edifício são diferentes. Ficamos muito animados quando usamos as mesmas esculturas para fazer obras de arte novas e com aparência fresca”, explica-nos Luke, metade da dupla que acaba de se estrear em Portugal e que já viajou com os Eyeballs por várias cidades do mundo. “Quando colocamos os dois balões a fazer de olhos na árvore, a árvore inteira torna-se a nossa escultura. Uma nova criatura é criada, gostamos muito desse jogo”.

“Outro Olhar” é uma iniciativa que integra a programação do Lisboa na Rua, numa co-produção com A Tarumba, e também da Lisboa Capital Verde Europeia 2020. Não poderia ser mais óbvio o propósito nesse sentido: despertar a atenção de todos para a natureza que integra a paisagem urbana e pinta de verde a selva de betão. Algo tão simples quanto uma árvore. 

“Adoramos criar intervenções que transformem temporariamente o visual da cidade. Assim, as pessoas vêem a sua cidade de uma nova forma. Essas árvores fazem parte da cidade há décadas, já viram as gerações passar e muitas vezes as pessoas nem reparam nelas”, conta. “Embora os olhos sejam cómicos, eles fazem-nos olhar para eles de uma forma diferente, meio como pessoas, ou até como amigos”. 

Outro Olhar

 

Gabriell Vieira

 

Luke Egan e Pete Hamilton já produziram instalações insufláveis para eventos como as Olimpíadas de 2012, The Eden Project, Cirque du Soleil, marcas como a Dyson e Greenpeace, ou festivais como o Fuji Rock no Japão, o Lollapalooza nos EUA e o Glastonbury no Reino Unido. Depois de um incidente feliz com um secador e um saco de pano, o designer Pete Hamilton começou as suas esculturas insufláveis em 1994. Luke Egan, que criava prints,  juntou-se a Pete num workshop em 1996. Formam dupla desde então, assumindo-se como Filthy Luker & Pedro Estrellas. 

Só em 2004, porém, é que decidiram levar para as ruas o seu trabalho, com o movimento de arte urbana que surgia nessa altura. 

“Um dos principais objectivos da arte urbana é ser visto e destacar-se do resto e nós conseguimos isso mesmo. Podemos causar um grande impacto com as nossas esculturas em pouco tempo e ninguém tem que limpar depois de nós”, diz Luke. “Adoramos a sensação meio perigosa de conseguirmos fazer uma ideia maluca e colocar as nossas esculturas em lugares estranhos e difíceis de alcançar. Para nós, a arte deve ser emocionante, original e surpreendente”. 

A invasão do espaço público com obras de arte é tema sensível para alguns, até porque difícil será agradar a todos. No entanto, e pelo impacto que uma estrutura insuflável gigante causa, Pete e Luke confessam que é o “carácter temporário que torna tudo possível”. 

As árvores vão olhar para os lisboetas até 29 de Setembro, altura em que a exposição-instalação será retirada. “Estávamos ansiosos há muito tempo para voltar ao mundo e este projecto é a oportunidade perfeita, porque é uma maneira muito divertida de as pessoas saírem na cidade, com seus amigos e família, seguirem o percurso e encontrarem todas as árvores que ganharam vida”, remata.

+ Leia gratuitamente a nova Time Out Portugal

+ Festival TODOS: teatro, piqueniques, concertos e visitas numa ode à multiculturalidade

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade