A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Noite, Música, Lux Frágil
©Luísa FerreiraLux Frágil

Salas do Circuito Lisboa vão receber 120 concertos entre Maio e Junho

Vai voltar a ouvir-se música ao vivo nalgumas das principais salas da cidade. Nalguns casos, o silêncio durava há um ano.

Por
Luis Filipe Rodrigues
Publicidade

Em Março do ano passado, as salas de concertos de Lisboa fecharam as portas. Julgavam que ia ser só por uns meses, mas algumas não voltaram a abrir. Até agora. A Câmara Municipal de Lisboa (CML) aliou-se às 12 salas da cidade que fazem parte da rede Circuito e, juntas, vão promover 120 concertos e DJ sets, envolvendo 480 profissionais do sector cultural, entre 3 de Maio e 30 de Junho.

Os bares e os clubes onde a música se vai voltar a ouvir são o B.Leza, a Casa Independente, a Casa do Capitão, as DAMAS, o Hot Clube de Portugal, o Lounge, o Lux Frágil, o Musicbox, o RCA Club, o Titanic Sur Mer, a Valsa e o Village Underground Lisboa. Os preços dos ingressos vão dos zero (assim mesmo, grátis) aos dez euros e os bilhetes podem ser comprados à porta dos locais ou reservados com antecedência, dependendo da sala.

A programação ainda não está completa, mas os preços e os horários da maior parte das actuações já podem ser consultados em lisboa.circuito.live. Há uns quantos que enchem o olho e despertam a curiosidade, como Primeira Dama a 5 de Maio no Lounge, Menino da Mãe a 6 de Maio nas Damas, ou DJ Marfox a 8 de Maio no Lux. E isto é só a primeira semana. Maria Reis, Gala Drop, P.S. Lucas, Benjamim ou Rod Krieger e Surma (num ensaio aberto) são outros nomes em destaque.

Os concertos vão respeitar todas as orientações da Direcção-Geral de Saúde, e muitos deles não seriam possíveis sem o apoio do município. Por isso, a reabertura das salas não é definitiva, nem a tempo inteiro; é esporádica e temporária, um balão de oxigénio e uma bóia para ajudar estes negócios a manterem-se à tona. É o resultado visível de um apoio aprovado pela CML no âmbito do plano Lisboa Protege. Mas não é o único.

Os membros do Circuito, uma rede nacional, encaram estes apoios “como um importante passo no reconhecimento e valorização da importância social, cultural e económica das salas com programação própria de música ao vivo e do seu contributo primordial para o ecossistema da música actual portuguesa”. E esperam que “este projecto possa servir de modelo e motivar outros municípios para a urgência de um investimento semelhante”.

+ Os eventos que pode ver na internet, em streaming

+ Leia a edição desta semana: Revolução das plantas

Últimas notícias

    Publicidade