A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Seis anos de festa rija no Lounge

Por Clara Silva
Publicidade

A Night Out With The Hard Ones já se tornou a festa mais antiga do Lounge. Na quinta sopra seis velas com um convidado do Porto, DJ Lynce. Contamos-lhe mais sobre a noite queer mais alternativa da cidade, um segredo ainda bem guardado.

All-rounder pocket porn disco sleazefest. É assim que a página de Facebook da festa A Night Out With The Hard Ones – para maiores de 18, avisam – descreve o que se passa no Lounge. “De dois em dois meses, os duros fogem da toca dos prazeres secretos e trazem fantasias explícitas para corações em demandas suadas”, explicam num dos eventos. “É disco, é italo, é hi-nrg, há orquestrações luxuriantes, divindades esculturais, heróis em tronco despido. Do falo ou a ele relativo, erotismo de bolso para maiores de 18.”

Há seis anos que os protagonistas Mário Valente e Trol2000 se juntam para servir uma boa dose de italo-disco – talvez a única que vai encontrar na cidade –, carregada de homoroerotismo, às vezes bem explícito, com vídeos projectados numa das paredes do Lounge. “No início tínhamos vídeos para puxar o lado mais visual, aquela coisa dos heróis musculados dos filmes de acção”, conta Mário Valente, criador da festa e responsável pela curadoria musical do Lounge. “Agora centramo-nos mais na música.”

Quando começaram e a festa começou ser divulgada como uma festa gay, ainda houve gente que apareceu à procura de outra coisa. “Mas isto não é o ambiente especificamente de uma festa gay”, continua Mário. A preocupação principal, lá está, é o italo-disco, género de música de dança que surgiu no final dos anos 70 e que se popularizou com o italiano Giorgio Moroder. “É isso que acho fixe, abrir o espaço a outros clientes.”

Em Janeiro de 2013, chegava de Nova Iorque carregado de discos e muito virado para o italo e para o hi-nrg. “Não foi nada programado. Eu e o Rodrigo [Trol2000] arranjámos um nome meio parvo, fomos buscar uns flyers mais provocatórios e começámos [a festa].”

À dupla que forma este núcleo duro, chamemos-lhe assim, juntam-se de vez em quando convidados como o veterano DJ Lynce, do Porto, “amigo de longa data” que vem de propósito na quinta para soprar estas seis velas de noites suadas. Entre os convidados que passaram pela festa ao longo dos últimos anos estão também alguns nomes da noite underground alfacinha como SONJA, CVLT, Joe Delon, Jonathan e convidados internacionais como o duo pop queer britânico Nimmo ou Nic Fisher, DJ residente e gerente do famoso clube gay Dalston Superstore, em Londres, que veio ao Lounge numa edição especial A Night Out With The Hard Ones em parceria com o festival Rama Em Flor.

Pelo elenco, dá para perceber que continua a ser uma festa de nicho. “Continua a ser um segredo”, reforça Mário. “Vive muito dentro dos clientes do Lounge e dos nossos amigos, mas dentro do circuito LGBT as pessoas nem conhecem. Até porque, lá está, é mais focada no lado estético queer dos anos 80 e é especificamente mais musical.”

Há seis anos, quando tudo começou, era “o disco mais puro” que estava na moda, em parte “por causa das vindas regulares dos Horse Meat Disco”. Agora o italo já pega mais na pista de dança e há cada vez mais discos à venda. “Há uma abertura muito maior [para o género] e o italo está definitivamente de volta”, diz o DJ.

“Dantes as tiragens dos discos eram mais curtas, eram raríssimos e valiam muito. Este ano finalmente começa-se a reparar que há imensas reedições desses discos porque há procura para isso e um ressurgimento”, continua. “É mais fácil as pessoas pegarem logo com aquilo do que há uns anos, o que é fixe.” É ir na quinta ao Lounge e ver se consigo pega também.

Quinta, 23.00-04.00, no Lounge. Rua da Moeda, 1 (Cais do Sodré). Grátis

Sair do armário – o melhor da agenda LGBT em Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade