A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Antiga serralharia do Hospital de São José
Arlei LimaAntiga serralharia do Hospital de São José

Serralharia onde trabalhou Saramago em risco, mas arqueólogos resgataram o que resta

Não há decisão sobre futuro dos equipamentos e edifício do Hospital de São José. Única preservação é a da memória.

Escrito por
Rute Barbedo
Publicidade

Não foi preciso muito mais do que uma semana de trabalho para inventariar, fotografar, analisar e medir ferramentas como uma fresadora, um torno, um berbequim e uma prensa, bem como o sistema de transmissão de energia que regava a antiga serralharia do Hospital de São José, fechada há mais de um ano, não para obras, mas por questões de segurança, já que o edifício se encontra num “estado periclitante”, em risco de ruir. Quem o conta é um grupo de três arqueólogos que, precisamente devido ao risco de colapso, foi chamado a intervir e a registar a memória da infra-estrutura pelo próprio Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHLC). São eles Carlos Boavida, do Gabinete do Património Cultural do CHLC; João Sequeira, investigador da Universidade do Minho; e Afonso Leão, investigador da Universidade Nova de Lisboa, que apresentaram no final do ano passado o artigo “Memorial da Serralharia: Arqueologia do Passado Recente no Hospital de São José”, no IV Congresso da Associação dos Arqueólogos Portugueses.

A palavra memorial não foi escolhida ao acaso, já que nesta infra-estrutura, possivelmente erguida na década de 1930, trabalhou José Saramago. E talvez seja este o principal motivo para que alguém ainda queira olhar para ela. Do ponto de vista arquitectónico, o edifício não tem propriamente interesse, nota Carlos Boavida. Grande parte da maquinaria caiu em desuso e está em mau estado de conservação e a memória industrial nem sempre é o ponto forte das empreitadas de conservação. Contudo, a passagem do Nobel da Literatura por esta serralharia (que o próprio, aliás, refere na sua obra, embora designando-a de oficina de automóveis, não estando a hipótese de ali ter existido esta valência completamente descartada) foi curta: aconteceu entre Novembro de 1941, tinha ele 19 anos, e Março de 1942. Foi contratado como aprendiz de serralheiro (ofício para o qual estudou) e, mais tarde, passou a fogueiro, ficando responsável pela caldeira. Consta, porém, que não gostava muito da barulheira infernal do espaço, pelo que rapidamente arranjou maneira de dali sair. “Como escrevia muito bem, chamaram-no para trabalhar no secretariado do hospital”, conta o arqueólogo Carlos Boavida. Mas, tornando ao ponto-chave, a dúvida impõe-se: se Saramago não tivesse por cá passado, ainda que por pouco tempo, alguém olharia para a serralharia do São José como património? Provavelmente, não.

Os arqueólogos João Sequeira, Carlos Boavida e Afonso Leão
Arlei LimaOs arqueólogos João Sequeira, Carlos Boavida e Afonso Leão

Em Dezembro de 2021, o grupo de arqueólogos juntou-se para documentar o edifício e os equipamentos, confrontou testemunhos orais com informações de arquivo e pôde, assim, resgatar a memória desta oficina desactivada que o São José criou sob as ordens de Curry Cabral, com o fim de limpar as contas do hospital. “Este trabalho de arqueologia, de confrontar a memória”, como lhe chama João Sequeira, foi um dos principais resultados da pesquisa. É um trabalho que nunca tinha sido feito, como acontece em muito do património industrial português, dada a subjectividade quanto ao que tem interesse ou não preservar, discutem os profissionais. No entanto, banais ou não, oficinas deste género vão desaparecendo e acabamos por ficar sem esse registo, analisa João Sequeira, que prossegue: Daqui a alguns anos, provavelmente, diriam que esta serralharia nunca existiu.” Também Afonso Leão refere que são poucos os sítios contemporâneos registados em Lisboa, alegando a importância de preservar a memória do passado recente, através desta arqueologia contemporânea.

No caso da serralharia do São José, o trabalho destes investigadores permitiu, acreditam, dar voz a uma situação que, se não for registada, é silenciada, bem como colmatar hiatos da História, nas palavras de João Sequeira. Embora seja desconhecido o futuro reservado à oficina e aos equipamentos que a compõem (o CHLC ainda não tomou uma decisão sobre o tema), a probabilidade da sua demolição e da não preservação das ferramentas é forte. Apenas um torno, eléctrico e em condições de usabilidade, tem boas hipóteses de continuar em acção, noutras instalações do centro hospitalar. 

+ O Pátio das Antigas: Um restaurante numa praça de touros

+ “Últimos banhos públicos” de Alfama aguardam obras de preservação há anos

Últimas notícias

    Publicidade