A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
the hood
Manuel Manso

The Hood: um bairro artístico com restaurantes, lojas e arte urbana na Amadora

Por
Francisca Dias Real
Publicidade

O The Hood é como aquelas bonecas matrioscas, esconde sempre algo lá dentro e está dentro de algo maior. Confuso? Este complexo artístico é um bairro sem fronteiras que dá outra vida ao centro comercial UBBO (antigo Dolce Vita Tejo), na Amadora. Comida, lojas, lazer, cultura e arte urbana reúnem-se num só espaço para formar o que se caracteriza como um “anti-mall”. 

Eram 25 mil metros quadrados de praça coberta – a maior da Europa – que estavam completamente desaproveitados, serviam apenas de local de passagem para quem visitava o centro comercial. 

“Esta praça tornou-se ideal para criarmos um excelente ambiente para desenvolvermos o nosso programa de actividades de lazer e cultura sem restrições de espaço, tal como aconteceria na baixa de uma grande cidade”, explica Ivan Moreno, diretor de operações do The Hood. “Além disso, o The Hood acaba também por ser um complemento e uma alternativa à oferta do centro comercial”. 

Manuel Manso

E se a experiência quer ser alternativa e imersiva, a arquitectura do espaço faz jus à ideia. Há contentores coloridos distribuídos por grande parte do espaço, que acolhem as lojas e os restaurantes que integram o projecto. “Aqui a componente artística sobrepõe-se à componente comercial, sendo o The Hood mais do que um destino de compras e alimentação, é um destino de lazer e experiências e um local onde se respira cultura”, diz Ivan. 

A arte urbana é a estrela deste espaço, com paredes, chão e tectos trabalhados com curadoria da Mistaker Maker, e com todo o mobiliário personalizado pelo Colectivo Warehouse. “Mais do que considerarmos que a arte urbana tem um peso nestas zonas de Lisboa, temos como assumido no nosso trabalho e experiência diária que a arte urbana é um instrumento potencial de transformação, seja ela cultural, social, turística, arquitectónica ou económica”, explica Lara Rodrigues, da Mistaker Maker. 

O mural maior que cobre uma das fachadas do UBBO foi intervencionado por Antonyo Marest e os Halfstudio, uma parede daquelas mega-instagramáveis. Há também um mural de Tamara Alves e uma intervenção de Aheneah, sendo que 2020 trará mais intervenções artísticas regulares. “Tínhamos como objectivo incorporar artistas consagrados, artistas emergentes, artistas nacionais e internacionais, de estéticas distintas”, refere Lara. “Facilmente se percebe que o The Hood é uma proposta artística que, apesar de incluir diferentes estéticas, em diferentes medidas, podemos compreender e observar como um espaço coeso, equilibrado.”

Manuel Manso

A ideia não é que a experiência se concentre apenas nos contentores. Está a ser traçada uma agenda recheada de eventos, dos concertos aos workshops, das exposições às performances, ou até campeonatos desportivos, como já decorreram por lá. “O programa de experiências do The Hood diferencia-se de um centro comercial normal, pela oferta cultural inovadora e alternativa, pelo hub artístico e criativo permanente”, explica Ivan.

Além disso, o The Hood não foge à sua raiz de cultura urbana e todos os detalhes contam: há rampas de skate, sobretudo para os miúdos mais radicais se entreterem, e uma tabela de basquetebol para uns afundanços valentes. 

Para quem não se quiser cansar, há uma mesa de matraquilhos, pingue-pongue e duas máquinas de arcade, mesmo à antiga.  

No campo das compras, o Shop Studio, há marcas como a Hurley, Ementa SB, Ericeira Surf & Skate, Charlie, Oculista LX e a Forallphones. Para encher a barriga, a área Foodies Paradise tem oferta distinta da habitual dos food courts de superfícies comerciais: Frankie Hot Dogs, Don Ciccio Pizzaria, Ribs & Company Barbecue, Mal Amada Doughnuts and Coffee, Neighborhood Cocktails, Cerveja Musa Bar e a Churrasqueira Cucurico. No início de Janeiro, abre o The Therapist com as componentes de restaurante, clínica e estúdio de yoga e meditação – com acroyoga no telhado.  

Manuel Manso

Fora os restaurantes e as lojas, há também um Culture Hub com um estúdio de tatuagens, o Alternative Tattoo Society. Este é um espaço que já existe na Estrela e representa um colectivo de artistas tatuadores liderado por Diogo Andrade, que também é dono da Barber Factory na Lx Factory e que aqui tem um contentor próprio. 

Com a assinatura “The Lisbon get-together”, Ivan rejeita que o espaço tenha sido projectado para turistas e admite ainda que um dos objectivos do espaço é atrair pessoas de outras áreas da Grande Lisboa “dando uma nova vida à Amadora onde trabalham com a comunidade para ajudar na reabilitação e integração social e cultural”. 

UBBO. Avenida José Garcês. Seg-Dom 10.00-23.00.

Sítios em Lisboa que são mais do que parecem

Últimas notícias

    Publicidade