A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Culturgest
Francisco Romão Pereira

Tony Conrad. Obra de “super estrela que quase ninguém conhece” pela primeira vez em Portugal

No périplo pela Europa, Portugal é a última paragem da mostra que dá a conhecer o experimentalismo de Tony Conrad (1940-2016). Há pinturas, filmes, instalações e objectos do artista norte-americano para ver na Culturgest até 3 de Julho.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

É tido como um dos “padrinhos” dos The Velvet Underground, já que o nome da banda terá surgido depois de John Cale encontrar o livro com o mesmo nome (de Michael Leigh) em casa de Tony Conrad. Só que a exposição “Tony Conrad”, que inaugura esta sexta-feira, 11 de Março, na Culturgest, em Lisboa, não tem como âncora esse facto. É, antes, uma mostra antológica que reúne trabalhos históricos do artista, que utilizou não só a música, mas também o cinema, a instalação e a pintura como meios para expôr a sua visão crítica, por vezes satírica, do mundo. 

“Para as artes visuais é conhecido sobretudo como uma das maiores referências da arte experimental e dessa ideia de que vale a pena fazer um pensamento que é crítico em relação à forma como as coisas são apresentadas, como nos são dadas a ver, e que tipo de poder é que está envolvido nessa acção, nesse encontro”, diz Bruno Marchand, programador de artes visuais da Culturgest, à Time Out. “De certa forma, o Tony Conrad é uma espécie de super estrela que quase ninguém conhece”, afirma, remetendo para o legado de Conrad de questionamento das narrativas mediáticas dominantes. “A forma como os media incutem e induzem determinados tipos de discurso e comportamento e mostrava [o indivíduo] como um objecto, mais do que um sujeito. O Tony Conrad desmantelou isso a vida toda”, refere sobre o artista que já expôs nMuseum of Modern Art, o Whitney Museum of American Art ou na Bienal de Veneza. 

Tony Conrad
Francisco Romão Pereira

O texto de parede que dá mote à exposição, que já passou por cidades como Buffalo (Nova Iorque, EUA), Colónia (Alemanha) e Genebra (Suíça), assinala como “Conrad fez contribuições subtis, mas determinantes, para a cultura contemporânea ao longo do último meio século”. Naquela que é a primeira mostra do artista em Portugal, há nove salas para descobrir o experimentalismo com laivos de humor do autor, que se concretiza, por exemplo, num filme cuja película foi frita ou outro que foi tornado pickle, conservado em vinagre e especiarias. O curador, Balthazar Lovay, levanta a questão: continua a ser um filme? 

Foi precisamente no campo do cinema experimental que Conrad se destacou prematuramente na carreira, com o filme The Flicker. "É aclamado em Nova Iorque, em 1966, como a revolução no cinema, e todos dizem que há um novo herói do cinema experimental", recorda o curador na visita guiada aos jornalistas. "Ele podia ter continuado e construído [uma carreira] no cinema experimental”, acredita, alegando que terá sido a indústria cinematográfica e respectivo "aparato" que terá demovido o criador de continuar. Não constando o filme de forma permanente na exposição, há pelo menos uma exibição agendada. A obra – na sua versão original, em 16mm – pode ser vista este sábado, 12, às 17.00 no Pequeno Auditório da Culturgest, depois de uma visita guiada à exposição com o curador, às 15.00. O bilhete para a exposição adquirido no dia ou o bilhete da visita guiada dão acesso ao filme, no limite dos lugares disponíveis.

No fim “uma gargalhada amarga”

Ao longo das várias salas da Culturgest descobre-se a amplitude da criação artística de Tony Conrad, de filmes cozinhados a músicas de uma nota só (com quatro captações de violino na mesma nota, mas em oitavas diferentes) ou instalações de grande escala como WiP (2013), que simula o cenário de uma prisão ao mesmo tempo que é projectado um filme sobre uma prisão feminina. O percurso conduz os visitantes ao início dos anos 60 e culmina poucos anos antes da sua morte, em 2016.

Culturgest
Francisco Romão Pereira

Para o fim fica “uma gargalhada amarga", diz Bruno Marchand. Os visitantes são rodeados por uma série de peças de roupa interior, semelhante à utilizada no fim de vida. "É uma reflexão profunda sobre envelhecer, sobre o estado do corpo, da mente e do espaço", diz o curador Balthazar Lovay. No centro da sala, a última da exposição, está também uma cancela. "Como costuma haver nos lares de idosos para evitar que eles saiam e fujam", diz Bruno Marchand. "A cancela acrescenta uma camada ainda mais violenta e relaciona-se com a prisão e com diferentes tipos de prisão, quando a família impõe sobre nós controlo, por não sermos capazes de nos controlar mais", diz. "É uma gargalhada amarga. Vamos todos lá chegar", remata.

Culturgest (Lisboa). 12 Mar - 3 Jul. Ter-Dom. 11.00-18.00. 5€

+“Europa Oxalá”. Exposição na Gulbenkian questiona a história colonial e desmonta clichés

+ Nas telas de Gérard Fromanger, as cores têm vida própria

Últimas notícias

    Publicidade