Lisboa icon-chevron-right Uma carta aberta à pessoa que está aos berros ao telefone no autocarro
Notícias / Vida urbana

Uma carta aberta à pessoa que está aos berros ao telefone no autocarro

Provedor
Mariana Soares

As cabines telefónicas estão extintas. Não há, hoje, nenhuma estrutura que isole um telefonema do resto do mundo. A atmosfera terrestre é, toda ela, uma cabine sem fronteiras.

É por isso que ficamos a saber que o sujeito A, que nunca vimos antes, precisa de tirar o dia para levar o carro à revisão. Ou que o sujeito B, um anónimo, anda a tentar fazer com que os seus canários procriem, sem sucesso.

Na hora de ponta, num autocarro, há sempre pelo menos uma pessoa a tratar da sua vida. Conversas íntimas partilhadas por pessoas cuja caixa torácica permitiria uma carreira no teatro – ou mesmo na ópera.

A vida é um palco, etc., mas calma lá. Ninguém tem o direito de transformar umas dúzias de passageiros letárgicos num auditório involuntário para os seus dramas laborais. Aos monólogos desinteressantíssimos à base de “e depois ela disse”, “e depois eu disse”, “e nem vais acreditar no que ela disse a seguir”, juntamse relatos neo-realistas de pais divorciados ou descrições muito detalhadas sobre o que vai ser o jantar: “Vou fazer um guisado só ainda não sei se acompanho com arroz ou esparguete. Talvez esparguete, que arroz já comemos ontem ao jantar”.

Os telemóveis transformaram a esfera privada num paralelepípedo público e os transportes em cabines com rodas e, muito de vez em quando, ar condicionado que realmente funciona.

Das duas uma: ou metemos uns auscultadores nos ouvidos e deixamos o mundo em “mute”. Ou absorvemos os dramas da vida moderna que se vão fazendo anunciar no autocarro, como uma radionovela péssima ou um podcast amador.

O Provedor do Lisboeta é um vigilante dos hábitos e manias dos alfacinhas e de todos aqueles que se comportam como nabos e repolhos nesta cidade. Se está arreliado com alguma coisa e quer ver esse assunto abordado com isenção e rigor, escreva ao provedorprovedor@timeout.com

+ Uma carta aberta aos pombos de Lisboa

+ Uma carta aberta ao cagalhão no passeio

Publicidade
Publicidade

Comentários