A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Uma carta aberta ao Pai Natal decorativo pendurado na varanda

Por O Provedor
Publicidade

Caro Pai Natal, Como vão as coisas aí em cima? Não deve ser fácil passar 11 meses enfiado numa caixa de cartão de uma despensa, atolado em bolas, estrelas, luzes e bonecos de barro. Tudo isso para depois, assim que chega Dezembro, ir parar à varanda, pendendo precariamente sobre as ruas movimentadas, sujeito a correntes de ar, chuvadas e ao fumo dos cigarros do vizinho de baixo. O São Nicolau enquanto elemento decorativo já passou por muita coisa. Mas nada se compara a este adereço flutuante, o senhor barbudo que pespegamos à janela de casa assim que os dias começam a ficar mais frios.

Mas o Pai Natal não está sozinho. Tem como companhia a bandeira do menino Jesus, um pano vermelho que serve para anunciar à vizinhança que naquela casa existe uma ou várias pessoas que ainda insiste que as prendas são oferecidas por uma versão infantil de Cristo e não por um senhor de barbas com roupas da mesma cor da Coca-Cola.

Tanto o Pai Natal alpinista como o Jesus esvoaçante fazem parte da paisagem natalícia dos bairros residenciais de Lisboa. São uma espécie de decoração pública vernacular, uma oferta dos lisboetas aos seus concidadãos – uma partilha não-solicitada de espírito natalício.

Ambos estão sujeitos a uma rajada de vento, a sentir na pele os efeitos da gravidade. Ou à ira daquele senhor que, na reunião de condóminos, gosta de implicar com as pessoas que põem roupa a secar na varanda.

O Provedor do Lisboeta é um vigilante dos hábitos e manias dos alfacinhas e de todos aqueles que se comportam como nabos e repolhos nesta cidade. Se está indignado com alguma coisa e quer ver esse assunto abordado com isenção e rigor, escreva ao provedor: provedor@timeout.com.

+ Uma carta aberta ao vizinho de cima (o meu e o vosso)

Últimas notícias

    Publicidade