Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Uma carta aberta aos cartazes das eleições
Uma carta aberta aos cartazes das eleições
Inês Martins

Uma carta aberta aos cartazes das eleições

Publicidade

Já passaram quase três meses desde as últimas legislativas e ainda há propaganda política a poluir a nossa vista. As palavras de ordem vazias, os slogans gastos e sempre as mesmas caras macilentas olhando para nós do cimo de umas estacas ou empoleiradas nas paredes.

Os cartazes dos partidos políticos portugueses nunca – nunca! – são bonitos. E, infelizmente, o tempo não os torna mais atraentes. Aquele outdoor gigante junto a uma via rápida com um candidato sorridente de braços cruzados? Não é com as chuvas de Dezembro e a exposição solar dos meses anteriores que vai ficar mais interessante.

Há partidos que, em vez de fazerem campanha eleitoral, fazem uma campanha de redecoração das paredes da cidade. “Este muro é muito bonito, mas vai ficar mais bonito com 40 papeletas em mosaico com o slogan do nosso partido”.

As eleições europeias foram em Maio, mas ainda podemos encontrar pela Avenida Almirante Reis e seus arredores a face impenetrável e misteriosa de Gonçalo Madaleno, o jovem candidato do Partido Trabalhista Português.

Há campanhas que fazem lembrar a atitude de algumas pessoas muito preguiçosas em relação ao Natal: para quê desfazer a árvore e o presépio se daqui a 11 meses vamos estar a montá-los outra vez?

O Provedor do Lisboeta é um vigilante dos hábitos e manias dos alfacinhas e de todos aqueles que se comportam como nabos e repolhos nesta cidade. Se está indignado com alguma coisa e quer ver esse assunto abordado com isenção e rigor, escreva ao provedor: provedor@timeout.com.

+ Uma carta aberta ao Pai Natal decorativo pendurado na varanda

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade