Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Uma mulher contra a verdade manipulada dos reality shows
UnReal, Ep 301 "Oath"
Bettina Strauss UnReal

Uma mulher contra a verdade manipulada dos reality shows

‘UnREAL’ vai tentar recuperar o elã perdido na segunda temporada. À terceira, é uma mulher que está no centro do jogo de solteirões – e que vai fazer frente aos bastidores altamente corrosivos da reality tv.

Publicidade

Quais são os limites para fazer “boa televisão”? Quinn King (Constance Zimmer) teria uma resposta que os espectadores apreciariam num produtor de ficção: não há limites. Na boca da protagonista de UnREAL, no entanto, esse nível de voluntarismo ganha contornos maquiavélicos e preocupantes: Quinn é a showrunner de Everlasting, um reality show decalcado de The Bachelor, em que um grupo de concorrentes se guerreia, entre jogos e intrigas, para conquistar um apetecível solteirão; o que significa que a ausência de limites se aplica a pessoas de carne e osso, que a sua equipa manipula em prol das audiências.

Escrúpulos e compaixão são as únicas cartas fora do baralho. Essa é a certeza com que se chega à terceira temporada de UnREAL, que se estreia no TVCine Emotion logo na semana a seguir ao episódio final da segunda (o que é possível porque a série criada por Marti Noxon e Sarah Gertrude Shapiro, que fez parte da equipa de The Bachelor, está a passar com atraso na televisão portuguesa; nos EUA, a quarta e provavelmente última temporada foi exibida há dois anos). A aposta na continuidade sem interrupções pode ajudar a manter o público da série, que foi recebida à primeira temporada com um entusiasmo que esmoreceu significativamente à segunda. A terceira promete voltar a subir a fasquia.

Everlasting, cujos impiedosos bastidores somos levados a conhecer (onde se passa de tudo, desde a redução dos concorrentes a marionetas dos produtores até ao encobrimento e à falsificação de provas num suicídio), vai inverter a sua misógina premissa e apresentar a primeira suitor mulher. Serena Wolcott (Caitlin FitzGerald), uma empresária triunfante no sector das tecnológicas, que é apresentada como um “Elon Musk feminino”, será cortejada por um leque de homens que vai do bombeiro ao investidor de Wall Street. Mas, ao contrário do que é habitual com outros pretendentes, Serena não está disposta a ser manobrada. É inteligente, bem sucedida e participará nos seus termos.

É apenas um de muitos desafios que Quinn e o seu ex-namorado e criador do reality show, Chet Wilton (Craig Bierko), vão ter de enfrentar após a desastrosa temporada anterior (a autocrítica dos argumentistas de UnREAL?). Everlasting esteve a ponto de ser cancelado e Quinn começa a sentir-se encurralada, incapaz de encontrar uma saída pela porta grande. Para agudizar o problema, o seu braço direito e mestre da mentira e da manipulação, Rachel Goldberg (a co-protagonista Shiri Appleby), regressa de um retiro investida de uma crua e inesperada propensão para a honestidade. Ou seja: a saúde mental de Rachel, da qual a segunda temporada revelou sórdidos pormenores, vai continuar a ser explorada.

UnREAL dramatiza em excesso os meandros da reality tv – mesmo para o contexto americano. Mas, numa altura em que o Big Brother regista generosas audiências por cá, a série dá algumas pistas sobre a “realidade” que nos surge no ecrã de imaculadas vestes, como se ninguém sobre ela interviesse mais do que o que está à vista de todos. Quem dispensar a análise televisiva, pode comprazer-se com os momentos de comédia, roer-se com a tensão na régie, indignar-se com o sexismo e a objectificação das mulheres, ou começar a escrever cartas ao advogado sempre que alguém levantar a voz a um árduo trabalhador do programa. Pode agarrar já em meia dúzia de resmas de papel.

TVCine Emotion. Qua 22.10 (estreia T3)

+ "La Casa de Papel": última temporada terá filmagens em Portugal

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade