A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Could Be Worse: The Musical
Joana Dilão

Uma peça muito portuguesa: “Está tudo na merda, mas podia ser pior”

Por Miguel Branco
Publicidade

Could Be Worse: The Musical, o novo espectáculo de Cão Solteiro & André Godinho, é uma espécie de alcoólicos anônimos, versão artistas. E sempre aquele mal-menor português que insiste em dizer: “deixa lá, há coisas piores na vida”.

“Olá, sou o André, sou artista e não pratico há sete anos”. Todos, em coro: “Olá, André”. Percebido? Não? E se dissermos que há um círculo com cadeiras à volta e gente que fala à vez das suas angústias profissionais? Pois é, estamos numa sala de artistas anónimos, onde um bando de desesperados tenta não voltar a dar na arte, não voltar ao vício que os fez chegar àquele lugar prejudicial.

Could Be Worse: The Musical – que estreia esta quinta-feira no São Luiz – é um espectáculo que volta a unir o Cão Solteiro e o realizador André Godinho. Uma colaboração que, desde 2007, já gerou cinco criações – que insistem em levar o cinema a jantar fora com o teatro. 

Nada do que é no presente vem do presente, certo? Em Day for Night (2014) – o penúltimo dos seus espectáculos – já havia um momento musical que destoava de tudo o resto. E depois, em We’re Gonna Be Alright (2017), surgem mais detalhes do que viria a definir este novo conceito: “Esse título já tinha assim uma coisa do vai correr tudo bem, que é assim uma coisa muito irónica e desesperada, é um bocado aquela coisa portuguesa do está tudo na merda, mas podia ser pior”, conta André Godinho. Ou seja, o título vem daí. O resto foi pegar na estrutura dos filmes musicais clássicos americanos e dar-lhe uma volta à tuga. Não há personagens, não há propriamente uma narrativa geral, vivemos dos testemunhos – em vários formatos e estilos e canções e coreografias – dos artistas que habitam este palco, que obviamente são portugueses e portanto “seria inevitável isso estar aqui presente”, afirma Paula Sá Nogueira.

Do musical americano não ficou o final feliz, isso já seria demais. E também não estamos propriamente num lugar cheio de glamour e hollywoodesco, há uma decadência qualquer no cenário, só combatida pela instalação de Vasco Araújo, uma espécie de letreiro de néon com formas diversas. “Há outra coisa interessante no musical: normalmente é tudo muito espectacular, roupas com muito brilho, cenários faustosos e nós gostamos de trabalhar essas ideias, mas com quase nada. O cenário é assim pobrezinho, mas não deixa de ter um aspecto de espectacularidade”, enquadra André Godinho, ao que Paula Sá Nogueira acrescenta: “Talvez o que nos interesse mesmo é a ideia da espectacularidade e não a construção efectiva da mesma”.

Espectaculares não serão certamente os testemunhos, nos quais, entre outras coisas, há uma artista que relata o momento em que, após ter um acidente de carro em que fica encarcerada, desata a realizar um filme na sua cabeça. O quão triste ficou quando os bombeiros a salvaram, ou interromperam. Isso ou uma confissão meio tímida: “Há dias em que só me apetece escrever um conto, fazer um musical.” Quão bem percebemos esse sentimento. Mas não podia ser pior?

São Luiz. Qui 20.00. Sex-Sáb 21.00. Dom 17.30. 7-15€.

De Cão Solteiro & André Godinho
Texto José Maria Vieira Mendes
Com André Godinho, Cecília Henriques, Gonçalo Egito, João Duarte Costa, Mariana Magalhães, Patrícia da Silva, Paula Sá Nogueira, Rodrigo Vaiapraia e Tiago Jácome
Música original PZ

+ As peças de teatro para ver esta semana

Últimas notícias

    Publicidade