A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
periquito de colar
SPEA - Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Vá contar periquitos-de-colar nos jardins da cidade

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves faz censos regulares a várias espécies de aves de Lisboa e todos nós podemos ajudá-la nesta missão.

Escrito por
Helena Galvão Soares
Publicidade

Quem conheça o mínimo de observação de aves, conhece a primeiríssima regra a respeitar: o silêncio é de ouro. Para conseguir ver aves, sem as assustar, é necessário ficar imóvel e em silêncio. Mas para ajudar a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) a contar periquitos-de-colar (Psittacula krameri) nem esta regra é preciso cumprir. Estas são as aves mais ruidosas de Lisboa (e com esta dica, apostamos que até já sabe quais são). Também o aspecto não engana: são verdes e de cauda pontiaguda e deslocam-se pela cidade em grandes bandos.

A SPEA faz censos regulares a várias espécies de aves da cidade e para isso pede ajuda a quem cá vive: os lisboetas. Um dos mais recentes desafios lançados era detectar ninhos de gaivotas – bem mais difícil do que o que agora propõem (ora diga lá que não tem a vida facilitada).

E como pode participar? O site da SPEA explica tudo: até ao fim de Novembro, por volta das 16.30, dirija-se a um jardim ou parque da cidade e siga de ouvido aquela inconfundível algazarra que estes periquitos fazem, até descobrir em que árvores estão instalados, tentando perceber se estão a alimentar-se ou a descansar. Faça uma estimativa do número de aves que está a ver e, de seguida, preencha o formulário "Registe as suas observações". Simples.

Com este gesto vai contribuir para a monitorização destas aves exóticas, oriundas de África e da Ásia, que desde os anos 80 existem em Lisboa, provavelmente fugidas de cativeiro, e têm aumentado substancialmente de número (a última estimativa aponta para 650, só em Lisboa).

O que a SPEA pretende é saber se a população de periquitos-de-colar está a crescer demasiado, afectando as espécies nativas, ao competir com elas por alimento e espaço de nidificação.

+ Centro Tejo: tanto para ver deste rio aqui tão perto

+ Leia a edição digital da Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade