A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

“Violência doméstica” é a palavra do ano

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Expressão somou 27,7% dos votos, à frente de palavras como "sustentabilidade" e "desinformação". Em 2019, morreram 35 mulheres, homens e crianças vítimas de violência doméstica.

“Violência doméstica” é a palavra do ano escolhida numa votação online que registou mais de 20 mil votos. A escolha foi justificada “em consequência dos inúmeros casos que foram sendo conhecidos ao longo do ano e, que, infelizmente, resultaram em vítimas mortais – de acordo com as notícias recentes, foram 35 mulheres, homens e crianças assassinadas em Portugal no contexto de violência doméstica só no ano passado”, segundo a Porto Editora, que todos os anos promove esta iniciativa, com o intuito de escolher uma palavra com relevância no contexto social português.

A palavra “sustentabilidade” ficou em segundo lugar, apesar de ter liderado a votação desde o início. Esta escolha, de acordo com a Porto Editora, revelou a “crescente preocupação que o tema da sustentabilidade desperta na sociedade portuguesa perante as sérias ameaças que pendem sobre a vida colectiva em consequências das alterações climáticas”. Arrecadou 27,6% dos votos, uma décima menos do que “violência doméstica”.

Em terceiro lugar, ficou a palavra “desinformação”, com 13,8% dos votos. Para a Porto Editora, a escolha mostra que o problema da publicação e divulgação de informação falsa através das redes sociais foi uma questão “que não passou ao lados dos portugueses”.

“Jerricã” (7,5%), “nepotismo” (5,7%), “seca” (4,3%), “trotinete” (4,2%), “lítio” (4,2%), “influenciador” (4%) e “multipartidarismo” (1%) foram as palavras que seguiram na lista de 2019. Em 2018, a palavra vencedora foi “enfermeiro”, numa edição que contou com mais de 226 mil participações (este ano ficaram-se pelos 20 mil). Os profissionais de saúde reivindicam, há vários anos, aumentos de salários, progressões de carreira mais céleres e contratações.

A Palavra do Ano é uma iniciativa que “tem como principal objectivo sublinhar a riqueza lexical e o dinamismo criativo da língua portuguesa, património vivo e precioso de todos os que nela se expressam, acentuando, assim, a importância das palavras e dos seus significados na produção individual e social dos sentidos com que vamos interpretando e construindo a própria vida”, lê-se no site da Porto Editora.

A elaboração da lista de palavras candidatas é produto do trabalho permanente de observação e acompanhamento da realidade da língua portuguesa, levado a cabo por aquela editora, através da análise de frequência e distribuição de uso das palavras e do relevo que elas alcançam. Tanto nos meios de comunicação e redes sociais como no registo de consultas online e mobile dos dicionários da Porto Editora, tendo em consideração também as sugestões dos portugueses através do site www.palavradoano.pt.

“Esmiuçar” em 2009, ano da primeira edição, “vuvuzela”, “austeridade”, “entroikado”, “bombeiro”, “corrupção”, “refugiado”, “geringonça”, “incêndios” e “enfermeiro” foram, respectivamente, os vencedores dos anos anteriores.

+ As novas palavras do Desdicionário da Língua Portuguesa

Últimas notícias

    Publicidade