A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Comida, Peixe, Sardinhas
©DRSardinhas

Onde comer sardinha assada em Lisboa

Para quem adora os Santos em Junho e para quem odeia arraiais: sardinha assada em Lisboa alimenta a alma de toda a gente

Escrito por
Catarina Moura
e
Inês Garcia
Publicidade

Junho em Lisboa significa cheiro a sardinha assada pela cidade. Assim que finda Maio, é ver grelhas improvisadas montadas nas traseiras de restaurantes e nos arraiais cidade fora. Podem ainda não estar gordinhas – atenção a isso, que o que nós queremos é que estejam prateadas e corpulentas, para as tirar da grelha direitas para o pão e deixás-la escorrer tudo o que podem, tirar a pele com a ponta dos dedos e limpar-lhe a espinha. Isto enquanto se ouve música pimba de qualidade e se põem manjericos ao luar. Se prefere o recato de um restaurante em vez do alarido de um arraial, escolha um destes sítios para comer sardinha assada em Lisboa, bem perto dos festões para poder fazer seguir a noite. 

Recomendado: Os melhores restaurantes de peixe e marisco

Onde comer sardinha assada em Lisboa

  • Restaurantes
  • Português
  • São Vicente 

É o pitéu favorito da Graça, dizem os moradores, os vizinhos e mesmo os chefs que trabalham perto. É sítio para se comerem uns bons filetes de peixe fritos com arroz malandro e carnes grelhadas como deve ser. Só há sardinhas quando são boas.

  • Restaurantes
  • Português
  • Santos
  • preço 2 de 4

Esta cozinha tradicional portuguesa em Santos já mereceu quatro estrelas pela crítica da Time Out Marta Brown, que destacou o caldo verde e a baba de camelo. Mas assim que se põem calor, montam uma grelha na rua para tratar da sardinhada. 

Publicidade
  • Restaurantes
  • São Vicente 

Reclamam o lugar dos primeiros a fazer um arraial no bairro da Graça e, três décadas depois desse primeiro evento social, continuam a fazer a festa em algumas noites de Santos Populares e todos os domingos à tarde. A acompanhar fados e outras cantigas, há petiscos portugueses e sardinhadas.

  • Restaurantes
  • Português
  • Alfama

Remédio santo para quando o espírito dos Santos Populares está a custar arrancar: uma travessa bem servida de sardinhas com batatas cozidas e salada em Alfama. É o ex-líbris desta tasquinha em Alfama, com direito a mesas na rua para apanhar o ar do querido mês de Junho. Chegue cedo que isto é coisa para filas quilométricas.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Português
  • Estrela/Lapa/Santos
  • preço 2 de 4

Um clássico dos dias de sol, sejam eles de Verão ou de Inverno, a olhar para o rio e a comer peixe fresco grelhado. Se é com sardinhas que lhe está a apetecer abrir Junho em Lisboa, lembre-se que ainda não estão tão boas quanto vão estar quando subirem as temperaturas. Opções, nesse caso, não faltam. Diga pampo, choco, douradas e por aí fora.

  • Restaurantes
  • Carnide/Colégio Militar

No centro histórico de Carnide, uma em cada duas portas dá para um restaurante. Neste, a especialidade são os grelhados. Uma dose de sardinhas fica a menos de 10€.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Português
  • Alvalade
  • preço 2 de 4

Só há sardinhas quando são mesmo boas – em 2019 já fizeram uma sardinhada, mas o peixe ainda não está gordinho portanto só voltam lá para início/meio de Junho. Até lá, prove outras especialidades da casa, como o arroz de moelas com gambas que o dono comeu uma vez num restaurante e replicou em casa. Os caracóis são um bom petisco – é ver nas toalhas de papel na montra se há destes bichos. Remate-se com o bolo folhado com doce de ovos legítimo do Prontinho, também em Alvalade.  

  • Restaurantes
  • Português
  • Castelo de São Jorge

O piano é o rei da grelha do Zé dos Cornos, restaurante de mesas corridas e bancos de pau. E é para comer sem preconceitos e sem medo de se agarrar ao osso com as mãos, com umas garfadas pelo meio no saboroso arroz de feijão e na salada de tomate fresco e saboroso. Mas no tempo da sardinha, estão taco-a-taco com o piano na lista dos mais pedidos. 

Petiscar em Lisboa

  • Restaurantes

É uma entrada típica portuguesa em cervejarias, marisqueiras, restaurantes tradicionais... e não só. É petisco caseiro sempre que sobram uns tentáculos de polvo dos mais nobres pratos ora de polvo à lagareiro, ora de arroz de polvo. A salada de polvo fria deve ter os tentáculos do molusco cortados todos mais ou menos do mesmo tamanho, azeite e vinagre que baste, e coentros misturados. Sendo tenrinha e fresca, esta salada, a par de outras frias como a de ovas, é perfeita para começar um final de tarde ou noite antes de uma mariscada daquelas. Atire-se a estas três. 

  • Restaurantes
  • Cervejarias

A época do petisco rastejante começa oficialmente em Maio, o primeiro mês sem R – dizem os especialistas que, apesar de não ser regra absoluta, é nestes meses mais quentes e solarengos que o caracol é melhor, porque com o chuva o bicho começa a meter-se dentro da terra. Ainda assim, a maioria dos caracóis que se servem em Portugal vêm de Marrocos, onde é proibido usar pesticidas e a garantia da qualidade deste petisco é maior. Corremos a cidade à procura de cafés e cervejarias que já estão a servir caracoladas e dizemos-lhe oito sítios onde pode comer caracóis em Lisboa. 

Publicidade
  • Restaurantes

Este é o roteiro perfeito para quem não é egoísta à mesa e gosta mesmo é de partilhar tudo, das amêijoas aos petiscos mais internacionais. Para almoçaradas de amigos, finais da tarde depois da praia, para melhorar dias de chuva, para lanches ajantarados ou até para jantares fora de horas. A arte de picar é bem típica portuguesa e calha bem a qualquer hora do dia ou qualquer refeição. Descubra aqui os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa, peça uma série de pratinhos em vez de um prato principal só para si e partilhe sem vergonha.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade