Os restaurantes que vão abrir até ao final de 2017 em Lisboa

Lisboa não abranda com a aproximação do fim do ano. Há 13 restaurantes para abrir até ao final de 2017 e um com abertura marcada para o inicio de 2018
Naked
©Arlindo Camacho
Por Catarina Moura e Inês Garcia |
Publicidade

Por enquanto ainda não há mesas postas nestes restaurantes, só betoneiras, tijolos e muita pedra para partir. Fomos conhecer quatro espaços que vão abrir ainda este ano e ainda outro que já pôs o dedo no ar e garante que vai abrir no início de 2018. Achámos que isto não bastava e fizemos-lhe uma lista dos chefs que não pode esquecer até 2017 terminar: uns vêm de fora, outros são velhos amigos da capital, todos nos vão encher a barriga.

Em obras e com o estômago a dar horas

LÉclair, matthieu
Fotografia: Arlindo Camacho

Restaurante L’Éclair
Onde Rua dos Bacalhoeiros, 113 (Baixa)
Quando Novembro

Matthieu Croiger ainda anda no meio dos tijolos que fazem a sua nova casa parecer pequena, mas não se desanima. Não lhe é difícil perspectivar um espaço cheio de luz, com um pequeno balcão encostado à parede para tomar um café, uma esplanada na Rua dos Bacalhoeiros pedonal (assim será no final das obras do Campo das Cebolas) e naturalmente uma nova carta de éclairs preparada para o Inverno. Na segunda loja da marca fundada por Matthieu e por João Henriques em 2014 (terceira, se contarmos com o balcão no Time Out Market) a L’Éclair quer aumentar a ligação à rua: é passar, pegar num éclair e continuar o passeio pela Baixa lisboeta. E as novidades talvez não parem por aqui, que Matthieu anda a pensar em gelados.

Yasser e Fátima do mezze
Fotografia: Arlindo Camacho

Restaurante Mezze
Onde Mercado de Arroios
Quando Terça-feira, 19 de Setembro

Yasser e Fátima conheceram-se num campo de refugiados na Grécia, quando queriam entrar na Europa vindos da Síria. Chegaram a Portugal há quatro meses e queriam, como a maioria, sair para países mais ricos – Suécia ou Alemanha eram hipóteses – mas o ambiente começou a ajudar e a vida a construir-se, contam à Time Out, sempre com a ajuda de Rafat na tradução, que o português ainda está a ser trabalhado. Agora, casados, fazem parte da equipa do Mezze, o restaurante de comida do Médio Oriente impulsionado pela Pão a Pão – Associação para a Integração de Refugiados do Médio Oriente. Yasser faz o pão saj, bem fino e a servir de colher  para tudo o que sai da cozinha.

Publicidade
Miguel Júdice e Carla Contige
Fotografia: Arlindo Camacho

Restaurante Naked
Onde Rua da Escola Politécnica
Quando Últimas semanas de Setembro

Flexitarianismo. Este é o conceito a aprender antes de entrar no novo espaço de Miguel Júdice e Carla Contige, prestes a abrir com uma ementa pensada pela blogger Joana Limão. “É um restaurante para pessoas como eu: um dia são vegetarianos, outro dia não são, gostam de comida mas têm cada vez mais preocupações saudáveis e por isso evitam fritos, não comem carnes”, diz Miguel. Está pensado para pessoas com intolerâncias mas vai ter propostas para todos – se quiser um doce com tudo a que tem direito, saiba que vai haver alguns da Nós é mais bolos, mas também há versões sem açúcares, lactose ou gluten. Terá também gelados da Paletaria, menus de brunch e opção grab & go para tudo.

miguel castro e silva
Fotografia: Manuel Manso

Restaurante Mercado Simply Portuguese
Onde Rua de São Pedro de Alcântara
Quando Até ao final do ano

Os tapumes já saíram das janelas e já dá para espreitar as mesas e a cozinha. Miguel Castro e Silva começou por abrir nas alturas do hotel The Lumiares, o Lumni, e agora vai abrir uma cafetaria portuguesa no rés-do-chão. Eram duas lojas, viradas para o Elevador da Glória, por isso serão dois espaços complementares. Vai haver petiscos na vitrine, das empadas e tortilhas aos queijos e enchidos, saladas compostas, tartes salgadas e doces, e sandes “diferentes”, na linha do que o chef serve na cafetaria da Fundação Calouste Gulbenkian, mas com mais oferta. Haverá também pratos mais clássicos, como o bacalhau à Brás ou o arroz de vitela. Vai estar aberto das 10.00 às 00.00.

Publicidade
Manel perestrelo
Fotografia: Arlindo Camacho

Restaurante Ainda é secreto
Onde Rua Coelho da Rocha, 110 (Campo de Ourique)
Quando 1º trimestre de 2018

Manel Perestrelo, assim mesmo, sem u, não é um chef assim tão conhecido em Lisboa: estudou na escola alemã quando ainda não queria ser chef de cozinha, formou-se em gestão e só sabia cortar cebolas. Foi num estágio com um chef italiano que tomou o gosto e decidiu tirar um curso de cozinha em Barcelona. Ficou lá quatro anos, dois a estudar e outros dois numa escola que tinha um restaurante com estrela Michelin, onde teve um contacto muito forte com a pastelaria. Depois foi para o laboratório do Fat Duck, de Heston Blumenthal, onde experimentou a cozinha de sensações. No regresso a Portugal, seis meses depois, trabalhou com José Avillez até abrir o seu próprio projecto no Algarve, o Salmora Live Kitchen. 

Em 2018 regressa ao seu bairro, Campo de Ourique. O novo projecto fica numa antiga carvoaria - ainda estão a partir pedra no espaço, literalmente, mas está tudo muito definido na cabeça do chef: à entrada haverá uma garrafeira enorme, só com bebidas portuguesas (do gin ao vermute), vai ter janelas grandes em moldura e uma cozinha totalmente aberta - e vai ter uma bebida em foco: o vinho rosé, criado por Manel na Quinta do Sanguinhal.

Servirá comida portuguesa, com apresentação moderna e, na compra de um prato, esta bebida, a “poção mágica”, é oferecida. Long story short, até porque só está previsto para os primeiros meses do próximo ano, vai ser uma “taberna portuguesa modernizada, sem cheirar a cerveja de barril, um espaço trendy”, descreve. A tal poção é “uma bebida muito fácil, transversal a homens e mulheres, meia seca, não tem muito álcool”, revela. 

Outros chefs a manter debaixo de olho

Chef Diogo Noronha
Fotografia: Arlindo Camacho

Diogo Noronha

Nome Pesca
Onde Rua da Escola Politécnica, 27 (Príncipe Real)
Quando Início de Outubro

Ao passar pelo local do futuro Pesca vê-se que está quase pronto. O nome diz tudo. A inspiração vem do mar e de uma visão sustentável deste recurso: peixes da estação e produtos locais, a que se vão juntar os cocktails de Fernão Gonçalves.

Ljubomir Stanisic
Fotografia: Arlindo Camacho

Ljubomir Stanisic

Nome 100 Maneiras
Onde Rua do Teixeira (Bairro Alto)
Quando Até ao final do ano

O 100 Maneiras vai deixar o número 35 da Rua do Teixeira e mudar-se para umas portas à frente, com novas cadeiras e um novo conceito. 

Publicidade
andré magalhães
Fotografia: Ana Luzia

André Magalhães

Nome Taberna Fina
Onde Largo Camões
Quando Outubro

André Magalhães, o taberneiro da Rua das Flores, vai entrar pela cozinha de autor, diz à Time Out Daniel Lobo Antunes, um dos sócios. Vai ser um restaurante de fine dining, com menu de degustação à noite, ligação à comida portuguesa e às quatro estações.

Jamie Oliver talks to Time Out about Food Revolution Day
© Jon Enoch

Jamie Oliver

Nome Jamie's Italian
Onde Rua D. Pedro V (Príncipe Real)
Quando Início de Novembro

Vai ter quatro andares e é uma sucursal da cadeia de restaurantes de comida italiana do mediático chef britânico. Com o novo livro 5 Ingredientes – Receitas Fáceis & Rápidas prestes a chegar às bancas (9 de Novembro), o mais provável é a apresentação em Lisboa ser já no restaurante no Príncipe Real.

Publicidade
joão sá
©DR

João Sá

Nome Ainda é secreto
Onde Perto da Casa dos Bicos
Quando Até ao final do ano

João Sá ainda não quer revelar muito “para não agoirar”, diz à Time Out, mas será um restaurante farm to table: comida sazonal, com grande proximidade com pequenos produtores portugueses e a  respeitar a sazonalidade dos ingredientes.

Mário Rolando

Vitor Sobral, Hugo Nascimento, Luis Espadana e Mário Rolando Peres

Nome Padaria da Esquina
Onde Rua Coelho da Rocha, 108 (Campo de Ourique)
Quando Até ao final do ano

Na Padaria da Esquina – que se não fossem os problemas de fornecimento de energia já teria aberto – vai poder comer-se “uma carcaça de verdade”, garante Vitor Sobral, um dos sócios, juntamente com Hugo Nascimento, Luís Espadana e Mário Rolando Peres, o homem com as mãos na massa. Levanta ainda a ponta do véu: o pão a não perder vai mesmo ser o da Padaria da Esquina, receita da casa feita com farinha biológica.

Publicidade
vincent farges
©Paulo Barata

Vincent Farges

Nome Ainda é secreto
Onde Junto ao Largo da Academia Nacional de Belas Artes (Chiado)
Quando Início de Outubro

O chef francês optou pelo secretismo total até abrir a porta. Sabe-se apenas que  Vincent Farges fará alta cozinha na mesma linha do que fazia na Fortaleza do Guincho, de onde saiu em 2015.

susana felicidade
Fotografia: Arlindo Camacho

Susana Felicidade

Nome Ainda é secreto
Onde Idem
Quando Até ao final do ano (espera a chef)

Quais obras de Santa Engrácia, os trabalhos no futuro restaurante de Susana Felicidade duram há três anos. “É um edifício antigo”, justifica. Vai ter a sua linha de cozinha, mas com alguma inovação.

Publicidade
maria
©DR

Tartar-ia, de Maria Calheiros Machado

Nome Ainda em estudo
Onde Rua de São Paulo (Cais do Sodré)
Quando Até ao final do ano

O restaurante do Time Out Market vai ter dois irmãos mais novos, ambos de Maria Calheiros Machado. Um deles será uma Tartar-ia ainda sem um nome para a chefia da cozinha. Vão ser 25 lugares, espaço de balcão, a servir tártaros e não só; o outro será um restaurante com cozinha virada para o Médio Oriente.

Restaurantes em Lisboa: últimas novidades

à justa
Fotografia: Manuel Manso
Notícias, Comida

No novo restaurante da chef Justa Nobre come-se À Justa

O novo restaurante da chef Justa Nobre abriu esta segunda-feira ao público na Calçada da Ajuda. Chama-se À Justa, tem Gonçalo Moreno na cozinha e os melhores pratos de sempre da chef no cardápio. E a comida não é à justa, o espaço é que é pequeno. 

Publicidade
©Francisco Santos
Notícias, Comida

Da salada de curgete aos chicken and waffles, no Terraço 23 é sempre a partilhar

O 23 da Rua Câmara Pestana já tinha uma cave e agora ganhou ar livre e vista para o Tejo. A Cave 23, o restaurante no hotel Torel Palace, mudou de chef — saiu Ana Moura e entrou Bernardo Agrela — e viu nascer o Terraço 23: há mesas no pátio onde, ao levantar-se para dar aquela voltinha que ajuda à digestão, consegue ver a Baixa e o Tejo. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com