Jupiter Marina Hotel: Amor e uma cabana. Mas das boas

Em Portimão, achámos um refúgio ideal para ir a dois e voltar a ser miúdo sem abdicar de ser adulto.

Lá dizia o outro, isto para fazer campismo não há nada que chegue a um bom hotel. A idade vai nos aburguesando, não há que contrariar, e a rapaziada que ainda ontem adorava dias de praia, noites de rambóia e que lá pela manhã se recolhia alegremente em dois metros quadrados de tenda ou na cama de qualquer pardieiro, continua a achar tudo isso muito bonito mas já pedindo outros confortos e mordomias. A este processo natural de evolução da espécie chama-se crescer e é bom.

Jupiter Marina Hotel

Ora, o novíssimo Jupiter Marina Hotel em Portimão – já tinha aberto portas no final do Verão de 2017 para se testar, mas só neste mês de Março reabre em pleno e afinado – foi erguido um pouco a pensar nesta categoria de gente. Um quatro estrelas cool, com piscina infinita e bar no terraço, e em baixo 150 quartos de conforto prático (incluindo seis suites), todos com varandas e boas vistas de rio. Fica junto às ruínas do Convento de São Francisco e ao Porto Comercial de Portimão, mesmo em frente à estrada que dá acesso ao bulício da Praia da Rocha, mas convenientemente plantado no sossego das margens do Arade.

O hotel nasceu nas ruínas da antiga fábrica de conservas Facho que aqui funcionou até 1923. Restou a chaminé da fábrica, que foi recuperada e integrada no novo edifício, e o nome que, em homenagem, baptiza o restaurante da casa, no piso zero. A cozinha do Facho está entregue ao chef Carlos Guerreiro, que aposta em aperaltar uma cozinha sul e mediterrânica com aqueles cuidados típicos de uma mesa pensada para jantarinhos a dois. Há 70 lugares lá dentro e outros 70 na esplanada exterior (conte pagar, em média, uns 30€ por cabeça).

À medida de dois

Na zona mais pitoresca de Portimão ergue-se agora este edifício ondulado, a imitar o movimento do mar. Por dentro, é a praia a servir de mote discreto para a decoração interior, cuidada ao detalhe mas despojada, confortável mas perfeitamente enquadrada com o espaço e o lugar. A alcatifa do corredor imita discretamente areia de praia, as cadeiras em tesoura de Monchique e os outros apontamentos regionais, das peças em corda às alcofas de palhinha que pontuam as madeiras claras no mobiliário de linhas direitas, sempre utilitário como o design deve ser.

A oferta deste Jupiter Marina Hotel é clara, assumida, e um passo inteligente de um grupo hoteleiro de base familiar: não é para famílias. “Tal como dissemos desde início”, relembra-nos a sub-directora do hotel Elsa Azevedo, “não é obrigatório mas é aconselhável que os hóspedes tenham mais de 16 anos”. Dito de outra forma, isto não é para gaiatos. Ou antes, até é, mas daqueles que já requerem outras mordomias.

Ver preços Ler mais
Publicidade

Como chegar
Nada que enganar. Sempre direito a Portimão, seguir depois pela estrada junto ao rio que dá acesso à Praia da Rocha.

Preços
Quartos a partir dos 50€ (época baixa)

Planos de Fuga

Convento da Sertã: no meio é que está a virtude

Este texto vai ter de começar com uma lição de história. Não temos alternativa. O passado paira sobre o Convento da Sertã como se fizesse parte da atmosfera daquele lugar. Um microclima de histórias. Mas não se pense que estamos num sítio abafado – pelo contrário. Este é um hotel descontraído, moderno e extremamente funcional. Um dos melhores pontos a partir do qual se pode explorar o interior português. Mas já lá vamos. Agora está na altura da tal lição de História. 

Ler mais
Por Luís Leal Miranda

Quinta Nova: aqui tudo o que luz é Douro

A paisagem do Douro é uma obra-prima cuja autoria é debatível. É verdade que o rio fez a parte mais difícil do trabalho, ao moldar a paisagem, a desenhar as elegantes curvas do terreno e a formar um vale que parece um compridíssimo anfiteatro para assistir às exibições das quatro estações do ano. Mas há a somar a isto a intervenção humana, que esculpiu degraus nas montanhas e os ajardinou (o termo é muito errado, mas deixem-nos ser líricos) com videiras. Toda esta parceria entre homem e mãe natureza já seria espectacular por si só, mas acontece que daquele chão saem alguns dos melhores vinhos do mundo. Haverá pedaço de terra mais abençoado que este?

Ler mais
Por Luís Leal Miranda
Publicidade

Quinta da Mata: uma casa solarenga

O pôr-do-sol, esse cliché. Todos os dias há um destes fenómenos e todos os dias nos surpreendemos com ele. É como se duvidássemos da mecânica celeste. Na Serra do Brunheiro, perto de Chaves, o recolher do astro-rei é um espectáculo digno de ser visto. E a Quinta da Mata funciona como uma espécie de anfiteatro: como se a casa, as janelas, a natureza e a perspectiva ampla tivessem sido moldadas de propósito para aquele momento.

Ler mais
Por Luís Leal Miranda

Comentários

0 comments