Quinta dos Machados: o bosque em casa

Árvores que davam para encher 11 campos de futebol numa quinta com quase 400 anos. Um sítio para voltar rejuvenescido desta experiência entre o spa e o sossego rural a 40 km de Lisboa.
Por João Pedro Oliveira |
Publicidade

Nas traseiras de uma casa há uma roseira. Consta que em tempos deu sombra a uma declaração de amor. Uma antiga matriarca foi ali pedida em casamento e a família pôs como condição de venda da propriedade que a planta fosse cuidada. A roseira, vem a saber-se, é um raríssima Bela Portuguesa, arbusto de grandes dimensões criado em 1903 por um francês, de seu nome Henri Cayeux, jardineiro-chefe do Jardim Botânico. Dá botões todo o ano, oferece rosas enormes e diz-se que não restam mais que umas dezenas espalhadas pelo país. E é um cartão de visita perfeito para a Quinta dos Machados, um espaço enxertado de natureza, património, beleza e uma história por contar.

Quinta dos Machados

LUIS PITEIRA

A Quinta dos Machados Country House & Spa, de seu nome completo, fica a 39 quilómetros do centro de Lisboa (que, como é do conhecimento geral, fica no n.º 10 da Avenida Liberdade), encostado à Tapada de Mafra e junto à aldeia de Gradil. Tem 29 quartos, distribuídos entre um edifício classificado que é sede da quinta, e um outro recente, a Ala Relax, onde cada alojamento oferece “uma decoração temática, relacionada com acontecimentos relevantes da zona e com diferentes estados da alma.”

Na nossa visita, experimentámos o Sexy Room, nome que não se crê relacionado com qualquer acontecimento relevante da zona nem deve ser demasiado associado ao estado de alma que evoca. Porque tudo na Quinta dos Machados prima pela sobriedade, num equilíbrio bem conseguido entre o perfil rural da propriedade, o gosto pelo mobiliário vintage e uma decoração despojada. E os quartos não são excepção. 

 

Telmo Ferreira

Publicidade

Sopas e descanso

O espaço começou a ganhar forma há quase quatro séculos. Em 1633, a família Camarate fez aqui a sede da sua exploração agrícola e só depois do terramoto de 1755, quando passou para os Machados, a Quinta ganhou este nome. Há apenas uma década, foi adquirida pelos actuais proprietários que mantiveram a aposta da empresária Daniela Camarate na organização de eventos e a promessa de cuidar da roseira que testemunhou o noivado da sua mãe. E toda esta história está de alguma forma viva em cada pormenor deste hotel pensado como abrigo de sossego, convivendo em harmonia com o espaço reservado a casamentos, baptizados, team-buildings e outros eventos pouco dados ao silêncio.

A estratégia é simples: uma coisa de um lado, outra do outro. Na zona da casa velha, encontramos o renovado salão principal, para mais de 250 comensais, oito quartos de linhas mais tradicionais e dois apartamentos, de 4 e 5 pessoas. “Esses quartos ficam, por regra, reservados aos noivos, aos convidados, às pessoas que participam nos eventos, os restantes hóspedes ficam longe de tudo isto, no sossego”, explica-nos Márcia Faleiro, assistente de direcção e cicerone entusiasmada dos Machados. Na Ala Relax, está bom de ver, pretende-se sopas e descanso. Além dos 12 novos quartos, há um spa com banho turco, sauna, jacuzzi, solário e serviço de massagens, uma ampla e recolhida piscina exterior e o restaurante Cantinho dos Sabores de que falamos com algum entusiasmo na caixa do lado.

Viagens

Um bike hotel

icon-location-pin Mafra/Ericeira

O resto é paisagem, mas a paisagem é quase tudo. Os dois edifícios dão para 11 hectares de bosque plantado dentro da quinta, sobre o antigo caminho do Palácio Real de Mafra. Uma manta de pinheiros, sobreiros e ciprestes, serpenteada por trilhos adaptados para caminhadas e, em breve, para BTT — a partir de Novembro, a Quinta dos Machados será um Bike Hotel com todas as valências, incluindo uma pequena oficina. Boa parte dos trilhos está também pensado para pessoas com mobilidade reduzida – como, aliás, todas as acessibilidades do hotel. Se quiser fazer um piquenique por ali, pode encomendar o cesto que eles preparam. Se quiser simplesmente espojar-se numa cama de baloiço, não precisa pedir licença. 

Publicidade

Como chegar
Pela A1, saída para a A21 EriceiraMafra-Malveira; saída para a EN8, sentido Torres-Vedras. Após portagens, rotunda, 1ª saída à direita. Ande mais 7,2 km e chegou. No total, se saiu de Lisboa, não andou mais de 40 km.

Preços
Quartos a partir dos 80€ (mas atenção às promoções).

GPS

Para comer

Fique já aqui, não vá mais longe. O restaurante O Cantinho dos Sabores (serve refeições todo o dia. Dom-Qui 08.00-22.00/ Sex e Sáb 08.00-23.00) é uma experiência obrigatória para quem se instala na Quinta dos Machados e uma opção recomendável para quem estiver pela zona. A comida é de inspiração portuguesa, baseada em produtos locais, a carta é curta, mas consistente, o serviço de uma simpatia inatacável. Serve refeições a prato ou às tapas, o que quer dizer que as entradas não devem ser evitadas.

Recomendam-se as Chamuças de Queijo de Cabra, Alho Francês e Avelã (3,90€). De saída não fuja das sobremesas, que isto um dia não são dias e vá direito ao Leite-creme de Tangerina (3,80€). A carta de vinhos é inteligente (tudo produto local num local de bom vinho) e honesta (a coluna da direita começa nos 9€). O pão é de Mafra, de verdade, e devia ser acompanhado de um alerta contra dependências. A boa notícia, é que o seu pequeno- -almoço também é feito e servido nesta sala.

Planos de fuga

Hotéis

Anantara Vilamoura

Não só é um dos hotéis mais luxuosos do Algarve, como se reinventa em programação variada ao longo do ano. Para quem quer descanso absoluto, o resort garante jardins exteriores abrigados do stress e várias piscinas (uma delas só para adultos), onde pode mergulhar num verão que teima em ficar. Já para quem gosta de se mexer nas férias, saiba que, a 5 e 6 de Outubro, o EMO (o restaurante de fine dining do Anantara) recebe um ilustre residente português no Canadá. O Ferreira Café, aberto desde 1996 em Montreal, fará um take over do espaço, com Carlos Ferreira e o Chef João Dias a viajarem pela gastronomia nacional. No dia 6, o jantar contará com uma degustação de vinhos da Malhadinha Nova. O menu custa 125€ por pessoa (acrescente 60€ com o wine pairing).

Hotéis

Cerca Design House

No meio é que está a virtude e a Cerca Design House está entre a Serra da Gardunha e a Serra da Estrela. É uma verdadeira casa de campo para descobrir bem longe da azáfama citadina. A Cerca Design ergue-se na pequena aldeia de Chãos, no Fundão. É um tesouro bem guardado para deixar para trás o stress citadino e entrar em simbiose com a natureza que engole as instalações.

Publicidade
Porto Pim Bay
D.R.
Hotéis

Porto Pim Bay

A localização não poderia ser melhor: a Baía de Porto Pim, uma das maravilhas naturais da Horta, com tons de azuis impossíveis de reproduzir digitalmente (quanto mais por palavras). Fica perto do centro do Faial, e do seu Porto, onde diariamente chegam barcos de todo o mundo — e, ao mesmo tempo,  partem mini-barcos à procura de baleias e golfinhos para eternizar em álbuns de recordações. O hotel privilegia as linhas modernas e usa a típica madeira local, a criptoméria, nos quartos. O Porto Pim Bay tem cinco apartamentos, entre o TO e o T3, todos eles com cozinha equipada.

Pousada de Marvão
D.R.
Hotéis

Pousada de Marvão

Quase colada a Espanha, a Pousada de Marvão é um hotel de charme que ocupa quatro casas tradicionais alentejanas. A poucos quilómetros de Portalegre, conjuga atitude e altitude, o que garante uma vista deslumbrante sobre as planícies e vales — portugueses e espanhóis. A Pousada deve a sua origem à vontade de Jeremias da Conceição Dias, que, ao herdar uma casa, resolveu uni-la à do vizinho sacristão, para construir uma estalagem. Apresse-se, entre 5 e 7 de Outubro decorre o Al-Mossassa, o festival de cultura islâmica.

Publicidade
belmond reid's madeira
©DR
Viagens

Belmond Reid's Palace

Longe vão os tempos em que se chegava quase exclusivamente de barco ao mítico hotel madeirense onde Winston Churchill costumava pernoitar. Elegante e luxuoso, o Reid’s mantém a aura de outros tempos, com uma decoração sofisticada e um chá das cinco (35,50€) digno de figurar num episódio de Hercule Poirot. Tal como o seu vizinho aqui de cima tem um restaurante agraciado pelo guia de pneus, o William, liderado por Luís Pestana, e detentor de uma estrela. Os quartos começam nos 315€.

Publicidade