Quinta dos Machados: o bosque em casa

Árvores que davam para encher 11 campos de futebol numa quinta com quase 400 anos. Um sítio para voltar rejuvenescido desta experiência entre o spa e o sossego rural a 40 km de Lisboa.

Nas traseiras de uma casa há uma roseira. Consta que em tempos deu sombra a uma declaração de amor. Uma antiga matriarca foi ali pedida em casamento e a família pôs como condição de venda da propriedade que a planta fosse cuidada. A roseira, vem a saber-se, é um raríssima Bela Portuguesa, arbusto de grandes dimensões criado em 1903 por um francês, de seu nome Henri Cayeux, jardineiro-chefe do Jardim Botânico. Dá botões todo o ano, oferece rosas enormes e diz-se que não restam mais que umas dezenas espalhadas pelo país. E é um cartão de visita perfeito para a Quinta dos Machados, um espaço enxertado de natureza, património, beleza e uma história por contar.

Quinta dos Machados

A Quinta dos Machados Country House & Spa, de seu nome completo, fica a 39 quilómetros do centro de Lisboa (que, como é do conhecimento geral, fica no n.º 10 da Avenida Liberdade), encostado à Tapada de Mafra e junto à aldeia de Gradil. Tem 29 quartos, distribuídos entre um edifício classificado que é sede da quinta, e um outro recente, a Ala Relax, onde cada alojamento oferece “uma decoração temática, relacionada com acontecimentos relevantes da zona e com diferentes estados da alma.”

Na nossa visita, experimentámos o Sexy Room, nome que não se crê relacionado com qualquer acontecimento relevante da zona nem deve ser demasiado associado ao estado de alma que evoca. Porque tudo na Quinta dos Machados prima pela sobriedade, num equilíbrio bem conseguido entre o perfil rural da propriedade, o gosto pelo mobiliário vintage e uma decoração despojada. E os quartos não são excepção. 

 

Publicidade
Sopas e descanso

Sopas e descanso

O espaço começou a ganhar forma há quase quatro séculos. Em 1633, a família Camarate fez aqui a sede da sua exploração agrícola e só depois do terramoto de 1755, quando passou para os Machados, a Quinta ganhou este nome. Há apenas uma década, foi adquirida pelos actuais proprietários que mantiveram a aposta da empresária Daniela Camarate na organização de eventos e a promessa de cuidar da roseira que testemunhou o noivado da sua mãe. E toda esta história está de alguma forma viva em cada pormenor deste hotel pensado como abrigo de sossego, convivendo em harmonia com o espaço reservado a casamentos, baptizados, team-buildings e outros eventos pouco dados ao silêncio.

A estratégia é simples: uma coisa de um lado, outra do outro. Na zona da casa velha, encontramos o renovado salão principal, para mais de 250 comensais, oito quartos de linhas mais tradicionais e dois apartamentos, de 4 e 5 pessoas. “Esses quartos ficam, por regra, reservados aos noivos, aos convidados, às pessoas que participam nos eventos, os restantes hóspedes ficam longe de tudo isto, no sossego”, explica-nos Márcia Faleiro, assistente de direcção e cicerone entusiasmada dos Machados. Na Ala Relax, está bom de ver, pretende-se sopas e descanso. Além dos 12 novos quartos, há um spa com banho turco, sauna, jacuzzi, solário e serviço de massagens, uma ampla e recolhida piscina exterior e o restaurante Cantinho dos Sabores de que falamos com algum entusiasmo na caixa do lado.

Um bike hotel

O resto é paisagem, mas a paisagem é quase tudo. Os dois edifícios dão para 11 hectares de bosque plantado dentro da quinta, sobre o antigo caminho do Palácio Real de Mafra. Uma manta de pinheiros, sobreiros e ciprestes, serpenteada por trilhos adaptados para caminhadas e, em breve, para BTT — a partir de Novembro, a Quinta dos Machados será um Bike Hotel com todas as valências, incluindo uma pequena oficina. Boa parte dos trilhos está também pensado para pessoas com mobilidade reduzida – como, aliás, todas as acessibilidades do hotel. Se quiser fazer um piquenique por ali, pode encomendar o cesto que eles preparam. Se quiser simplesmente espojar-se numa cama de baloiço, não precisa pedir licença. 

Ver preços Ler mais
Mafra/Ericeira
Publicidade

Como chegar
Pela A1, saída para a A21 EriceiraMafra-Malveira; saída para a EN8, sentido Torres-Vedras. Após portagens, rotunda, 1ª saída à direita. Ande mais 7,2 km e chegou. No total, se saiu de Lisboa, não andou mais de 40 km.

Preços
Quartos a partir dos 80€ (mas atenção às promoções).

GPS

Para comer

Para comer

Fique já aqui, não vá mais longe. O restaurante O Cantinho dos Sabores (serve refeições todo o dia. Dom-Qui 08.00-22.00/ Sex e Sáb 08.00-23.00) é uma experiência obrigatória para quem se instala na Quinta dos Machados e uma opção recomendável para quem estiver pela zona. A comida é de inspiração portuguesa, baseada em produtos locais, a carta é curta, mas consistente, o serviço de uma simpatia inatacável. Serve refeições a prato ou às tapas, o que quer dizer que as entradas não devem ser evitadas.

Recomendam-se as Chamuças de Queijo de Cabra, Alho Francês e Avelã (3,90€). De saída não fuja das sobremesas, que isto um dia não são dias e vá direito ao Leite-creme de Tangerina (3,80€). A carta de vinhos é inteligente (tudo produto local num local de bom vinho) e honesta (a coluna da direita começa nos 9€). O pão é de Mafra, de verdade, e devia ser acompanhado de um alerta contra dependências. A boa notícia, é que o seu pequeno- -almoço também é feito e servido nesta sala.

Planos de fuga

Convento da Sertã: no meio é que está a virtude

Este texto vai ter de começar com uma lição de história. Não temos alternativa. O passado paira sobre o Convento da Sertã como se fizesse parte da atmosfera daquele lugar. Um microclima de histórias. Mas não se pense que estamos num sítio abafado – pelo contrário. Este é um hotel descontraído, moderno e extremamente funcional. Um dos melhores pontos a partir do qual se pode explorar o interior português. Mas já lá vamos. Agora está na altura da tal lição de História. 

Ler mais
Por Luís Leal Miranda

Quinta Nova: aqui tudo o que luz é Douro

A paisagem do Douro é uma obra-prima cuja autoria é debatível. É verdade que o rio fez a parte mais difícil do trabalho, ao moldar a paisagem, a desenhar as elegantes curvas do terreno e a formar um vale que parece um compridíssimo anfiteatro para assistir às exibições das quatro estações do ano. Mas há a somar a isto a intervenção humana, que esculpiu degraus nas montanhas e os ajardinou (o termo é muito errado, mas deixem-nos ser líricos) com videiras. Toda esta parceria entre homem e mãe natureza já seria espectacular por si só, mas acontece que daquele chão saem alguns dos melhores vinhos do mundo. Haverá pedaço de terra mais abençoado que este?

Ler mais
Por Luís Leal Miranda
Publicidade

Quinta da Mata: uma casa solarenga

O pôr-do-sol, esse cliché. Todos os dias há um destes fenómenos e todos os dias nos surpreendemos com ele. É como se duvidássemos da mecânica celeste. Na Serra do Brunheiro, perto de Chaves, o recolher do astro-rei é um espectáculo digno de ser visto. E a Quinta da Mata funciona como uma espécie de anfiteatro: como se a casa, as janelas, a natureza e a perspectiva ampla tivessem sido moldadas de propósito para aquele momento.

Ler mais
Por Luís Leal Miranda

Comentários

0 comments