Três Marias na Zambujeira do Mar: descanso alentejano

O Três Marias fica na costa alentejana e é o sítio perfeito para desligar o botão – da internet, da televisão, do som do telefone.
Rodrigo Simões Cardoso Três Marias, Alentejo, Portugal.
Publicidade

“Queremos que as pessoas se sintam em casa.” É assim, de forma simples, enquanto apela ao lado familiar do espaço, que Baltasar Trueb, nascido na Suíça, a viver na costa alentejana há largos anos, fala do Três Marias. A frase, que provavelmente já ouviu ser proferida por pessoas de várias unidades de alojamento do género, está longe de ser conversa fiada. Estamos aqui para explicar porquê.

O Três Marias é acolhedor. É uma verdadeira casa de campo alentejana, com várias zonas de quartos – abriu em 2004, com apenas dois, mas tem vindo a crescer ao longo dos anos e já soma 15 –, todos com varanda privada e cadeiras ou sofás para ficar cá fora a ouvir a natureza. Dividem-se entre quartos duplos, duplos superiores e duplos com mezzanine e estão cheios de amenities, que vão de um cheiroso gel de banho natural ao material necessário para chá e café, dos copos de vinho a um sofá para se estender. Aqui não há televisão nos quartos, o wi-fi só funciona bem na zona comum, o que significa que é para quem gosta de verdadeiro sossego.

Desligar o botão

Três Marias, Alentejo, Portugal.
Rodrigo Simões Cardoso

No Três Marias o staff parece transparente. Aparece para dar o bom dia e avisar que o bolo do pequeno-almoço (sempre delicioso) está quase a sair, aparece à hora do jantar, a servir refeições alentejanas a quem escolhe jantar por ali, e aparece na despedida, na infeliz hora de fazer o check-out, a desejar um “até breve”. Tudo o que precisar de bebidas, como água, sumos, cafés ou copos de vinho, funciona no regime honesty bar, isto é, tudo o que consumir deve ser anotado numa folha ao lado do bar e é descontado na conta final.

A zona comum podia ser a sala de uma casa. Forrada a sofás cómodos, prateleiras cheias de livros e revistas estrangeiras, com uma zona para jogos de tabuleiro (também os há), é aqui que vai querer estar de manhã a encher-se da luz que entra das janelas ou ao fim da tarde, depois de um dia de passeios ou de praia. Já a sala de refeições fica numa espécie de telheiro, virado para o campo e uma zona onde vários animais se costumam encontrar para comer. Bichos comuns como burros e ovelhas, ou mais raros como avestruzes [a ligação de Baltasar ao negócio das avestruzes, e respectivos ovos, razão pela qual está aqui, ficará para outras núpcias]. É aqui que é servido o pequeno-almoço, uma completa mesa de queijos, carnes frias, ovos mexidos, frutas, compotas caseiras e bom pão, sempre a ser reposta ao longo da manhã.

Três Marias, Alentejo, Portugal.
Rodrigo Simões Cardoso

O espaço exterior presta-se e longos passeios. Pode fazê-los de bicicleta, com aluguer ali mesmo (8€, 1 dia; 5€,  ½ dia), e ir pela estrada de terra até à de alcatrão e daí seguir junto ao mar, para o lado de Porto Covo; pode fazê-los a pé, com auxílio de Baltasar, que além de ser um conhecedor da região, até tem um mapa detalhado da zona pendurado numa das paredes da área comum, com os vários trilhos da Rota Vicentina – alguns deles acabados de estrear. Tudo para aproveitar com calma, como é regra no Alentejo.

Publicidade
Três Marias, Alentejo, Portugal.
Rodrigo Simões Cardoso
Hotéis, Hotéis de charme

Três Marias

Como chegar: Na A2, apanhar a saída 9 para IP8/Sines/N259/ Grândola e seguir sempre em direcção a Sines. Aqui, apanhar a direcção Vila Nova de Milfontes, seguir pela CM1072 até à Ribeira da Azenha, onde uma estrada de terra leva até ao turismo rural

Preços: A partir dos 100€ (quatro duplo)

GPS

Para comer: É possível jantar no Três Marias uma cozinha caseira alentejana, na sala de refeições aberta para o campo, desde que marque no próprio dia. Mas já que aqui está, experimente sair do turismo rural, atravessar a estrada de alcatrão como se fosse até à Praia dos Aivados e almoçar ou jantar os maravilhosos grelhados d’ O Amândio (Ribeira da Azenha. 269 905 277). Seja o peixe fresco que vem da Arrifana e de Sines, sejam as carnes servidas com fatias de boa fruta, daqui sai sempre de barriga cheia, a troco de uns 20€ à cabeça. Para algo mais moderno, a Tasca do Celso (Rua dos Aviadores, 39. 283 996 753), que de tasca tem pouco. É um restaurante com boa pinta, bons vinhos, também bons grelhados, e uma série de petiscos de encher o olho (primeiro) e a boca (depois), a valer em média 30-35€ por pessoa. 

Para fazer: A sugestão mais óbvia é atravessar a estrada e seguir o caminho da Praia dos Aivados, uma das grandes praias da zona, boa para quem gosta de surf. Ali perto tem também a Praia do Malhão, com pequenas enseadas, para quem quer um dia de praia mais sossegado. Para algo radical, inscreva-se em aulas de SUP com a Paddle South Portugal (96 365 9417) ou faça o passeio de barco até à Ilha do Pessegueiro (saída do porto de Porto Covo. 96 553 5683).

Outras escapadinhas

Hotéis

Dez hotéis novos e renovados no Algarve para o Verão de 2018

Verão rima com passar os dias fora de casa sem preocupações com o tempo, as arrumações e as limpezas — ou sequer em fazer a cama. Todos os anos surgem novos exemplares de hotelaria na paisagem algarvia, quer seja para satisfazer viajantes mais citadinos, quer seja para criar uma bolha de isolamento difícil de rebentar. Entre resorts, turismos rurais, casas de sonho ou boutique-hotéis, com vista de mar, serra ou piscina, temos dez sugestões de sítios que cheiram a novo.

Figo Verde
Ágata Xavier
Viagens

Quinta do Figo Verde: amor, tendas e uma caravana

Em podendo, era clonar o Ben e a Ana. Bricolagem, jardinagem, canalização, electricidade, energia solar, permacultura, astronomia ou culinária – são poucos os assuntos que não dominam. Quando não sabem, lêem, perguntam ou pesquisam na internet. Foi nesta última que Ben deu com um terreno no Vale, perto de Arcos de Valdevez, numa altura em que vivia aborrecido na Holanda e procurava um novo sítio para morar. 

Publicidade
Hotéis

Casa das Cegonhas: um ninho em Alcácer

A portuguesa Catarina de Bragança, casada com o rei Carlos II de Inglaterra, ficou com a fama de ter introduzido o chá e o garfo no Reino Unido. Mas talvez tenha feito mais do que isso: ela e o monarca eram verdadeiros aficionados do croquet, modalidade irlandesa que ajudaram a espalhar pelo reino e pelas colónias e que era praticada não só por homens mas também por mulheres. Factos históricos (ou mitos) à parte, o croquet não se transformou num desporto de massas, e em Portugal não há assim tantos campos para jogar. O mais recente fica na Casa das Cegonhas, uma casa de família na Herdade de Porches, em Alcácer do Sal, que há três anos se transformou num pequeno turismo rural.

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com