Como um livro previu o fenómeno Trump...há 82 anos

Em "Isso não pode acontecer aqui", Sinclair Lewis imaginou um candidato populista que abomina a imprensa livre e defende o regresso aos valores que fizeram a América grande.
©Sgt. Samuel Guerra/Wikipedia
Publicidade

Nos EUA, um candidato populista que abomina a imprensa livre e defende o regresso aos valores que fizeram a América grande torna-se presidente e converte o país numa ditadura. Apresentamos um romance publicado... há 82 anos.

O sobrevalorizado A Conspiração Contra a América (2004), de Philip Roth, não só tem escassos méritos literários como nem sequer se funda numa ideia original: 69 anos antes de Roth ter ficcionado uma América fascista e antisemita presidida por Charles Lindbergh, já Sinclair Lewis (1885-1951) publicara It Can’t Happen Here, que narra a ascensão do demagogo Berzelius Windrip à presidência dos EUA e a forma como assumiu o controlo de todas as instâncias do poder e impôs uma ditadura de inspiração fascista.

Apesar de ter sido distinguido com o Nobel da Literatura em 1930, Lewis é hoje autor quase ignoto em Portugal e os raros livros seus que foram traduzidos estão esgotados há muito. A razão para Isso Não Pode Acontecer Aqui surgir agora nas nossas livrarias é, como se escreve na contracapa, ter-se tornado “uma obra profética após a eleição de Donald Trump”. Com efeito:

1) Windrip é um demagogo cuja rudeza e falta de tacto têm o condão de aliciar as massas que desconfiam dos “intelectuais”: “era banal, quase iliterato, um mentiroso facilmente detectável e, nas suas ideias, quase idiota; [o seu] humor era o cinismo matreiro de um balconista de loja de província. Não havia certamente nada de estimulante nos seus discursos, nem nada de convincente na sua filosofia”.

2) Windrip é um populista que convence os eleitores de que, ao contrário dos outros políticos, só pensa nas necessidades do povo e não em satisfazer grupos de interesses.

3) Windrip entende que “os directores de jornais [...] estão sempre a conspirar em formas de poderem engendrar as suas mentiras, divulgar as suas posições pessoais e encher os seus ávidos blocos de notas, caluniando pelo caminho estadistas que deram tudo pelo bem comum”.

4) Windrip é contra o comércio livre e a favor de uns EUA auto- -suficientes: “Não ficarei satisfeito enquanto este país não conseguir produzir todas e cada uma das coisas de que precisamos [...] e assim mantermos os dólares em casa”.

5) Windrip rejeita o multilateralismo e os tratados internacionais.

6) Windrip impinge aos eleitores o retrato de uma América em decadência, que só ele será capaz de reerguer: “A vós e só a vós, peço ajuda para voltar a fazer da América um país orgulhoso e rico”.

Mas também há diferenças entre Trump e Windrip: Trump é narcisista, irascível, imaturo e, logo, muito perigoso, mas não deu sinais de perfilhar ideologias totalitárias de direita, enquanto Windrip se assume como fanático antibolchevique e anti-semita e, após ser eleito, toma o poder de assalto por métodos afins dos usado por Hitler – com os MM (Minute Men) decalcados das SS e SA nazis, a abater ou internar em campos de concentração quem ouse discordar da “linha oficial” – e instaura um Estado corporativista ao estilo do fascismo italiano.

O excesso de esquematismo da narrativa, claramente inspirada pelos eventos na Alemanha pós-1933, é contrabalançado pela prosa elegante e irónica e pelo espírito insubmisso. Uma leitura instrutiva em tempos em que o populismo campeia e a extrema-direita ganha força no seio das sociedades abastadas, egocêntricas e desprovidas de memória.

Isso não pode acontecer aqui

**** (quatro estrelas)

D. Quixote

440 pp

17,01€

Três autores proféticos

1
Camera

Arthur C. Clarke

Podemos não estar exclusivamente situados no ano 2001, numa referência a 2001, Odisseia no Espaço, mas o livro que inspirou o filme de Kubrick aborda a revolução nos media, tanto ao nível do imediatismo da notícia como a novidades nas suas plataformas.

2
Camera

Aldous Huxley

Admirável Mundo Novo, uma das obras mais influentes no século XX, alude a uma sociedade capitalista em estreita dependência das drogas, vergada à escravatura da razão. Os números do consumo de antidepressivos falam por si.

Publicidade
3
Camera

E. M. Foster

Bem se pode dizer que o britânico apontou para a era da internet em 1909, ano de A Máquina Pára. Foster perspectiva um mundo onde as interacções humanas são mediadas por ecrãs. Onde é que já vimos isto?

Outras leituras

Arte

Bangladesh e outros contos de Eric Nepomuceno

Voz pausada, sorriso franco, simpatia indiscutível, muitas milhas percorridas, histórias acumuladas e memórias para reciclar. Tradutor, jornalista, ficcionista, em 2018 perfaz 70 anos de idade. Foi uma das figuras da edição deste ano das Correntes D’Escritas, festival onde escutámos o seu linguajar solto do Rio de Janeiro. 

Arte

A meteorologia das almas de Marina Perezagua

Há uma possibilidade de bonança, mas o caminho destas personagens nem sempre se deixa torrar pelo sol. Violento, inquietante, cruel e insólito são apenas alguns ingredientes de A Tempestade, autêntica central meteorológica dos estados das almas e corpos humanos. Marina Perezagua (Sevilha, 1978), a mesma autora do aclamado Yoro, editado em Junho de 2016, ajuda-nos a navegar por esta colectânea de contos. 

Publicidade
Arte

"Constantinopla": um belo livro de viagens do século XIX

Edmondo de Amicis (1846-1908) é recordado quase exclusivamente por Coração (Cuore), um livro para rapazes cuja pedagogia dos “bons sentimentos” envelheceu mal, mas que, quando surgiu, em 1886, teve extraordinário sucesso em Itália, cuja unificação recente a obra exaltava. Porém, De Amicis foi também um viajante muito activo e publicou meia dúzia de livros em que verteu impressões colhidas em Espanha, Londres, Holanda, Marrocos, Paris e Constantinopla. 

Arte

Os livros que vamos querer ler em 2018

Um ano não chega para ler tudo, nem tudo tem que ser lido este ano. Partilhamos algumas prioridades para organizar a agenda e contar o número de vezes que o candeeiro vai ser desligado para lá da hora. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com