Na montagem de "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" na Ajuda

Acompanhámos a montagem da exposição das 85 obras de Joan Miró, que em tempos pertenceram ao BPN. É a primeira vez que as vamos ver em Lisboa. Aproveite, só tem 4 meses para o fazer. Depois disso, a colecção regressa para o Porto, onde ficará para sempre.

montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
1/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
2/14
Fotografia: Francisco SantosRobert Lubar Messeri é o curador da exposição
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
3/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
4/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
5/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
6/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
7/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
8/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
9/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
10/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
11/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
12/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
13/14
Fotografia: Francisco Santos
montagem expo miró (Fotografia: Francisco Santos)
14/14
Fotografia: Francisco Santos

Exactamente um ano depois do Porto, é a vez de Lisboa receber a exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”, que inaugura já nesta quinta-feira, dia 7, e abre ao público no dia a seguir, sexta-feira. Esta será a primeira vez que as 85 obras, que em 2014 tanto deram que falar, são expostas ao público – na Fundação Serralves, por questões de espaço, só foram mostradas 78 peças.

A poucos dias da inauguração, no Palácio Nacional da Ajuda ultimam-se todos os detalhes. Robert Lubar Messeri, norte-americano a viver em Madrid, especialista na vida e obra do artista catalão, é o curador da exposição. Nada se faz na Ajuda sem a sua autorização. É ele que dá as indicações à equipa. Um quadro um bocadinho mais para a esquerda, outro para a direita. Fá-lo com propriedade, como se as obras fossem suas. Miró não é apenas a obra que estuda e o seu trabalho, é a sua inspiração, desde miúdo.

“Eu cresci no Museu de Arte Moderna em Nova Iorque. Ainda sem saber nada de Miró, em criança, sempre me chamou à atenção a força incrível das suas pinturas. Não é preciso saber história de arte para perceber e apreciares um quadro. É preciso é ter olhos sensíveis para olhar para o mundo criativo dos pintores”, diz-nos Messeri, destacando “a força visual dos quadros” de Miró. “Sempre me impressionou. Isso e o tipo de controlo criativo nas suas obras. As pessoas pensam que Miró é muito espontâneo, mas se olharmos para o seu trabalho é uma espontaneidade que chega através de um cuidado e detalhado planeamento”, explica.

As 85 obras agora expostas, que em tempos pertenceram ao Banco Português de Negócios e que o Governo de Pedro Passos Coelho quis vender em 2014, permitem perceber isso mesmo. “É uma colecção que nos permite conhecer os métodos de trabalho e a forma de pensamento de Miró.”

Sobre a exposição em Lisboa, que ficará patente até 8 de Janeiro de 2018, exactamente o mesmo tempo que esteve no Porto, onde foi vista por 240.048 pessoas, o curador explica que terá a esma organização e trajecto. “Acho que o trabalho aqui parece muito diferente, há algumas surpresas que vão funcionar melhor”, aponta. “O facto de as obras terem mais espaço para respirar faz com que também se destaquem mais. Acho que há uma nova relação entre as pinturas para as pessoas descobrirem.”

Obras de arte para ver em Lisboa

As obras de arte que tem mesmo de ver

Conhece as propriedas do pó de múmia? E o nome da imagem do arcanjo que seguiu nas naus portuguesas em jeito de protecção? Não imagina as histórias que guardam os museus em Lisboa, com peças para todos os gostos. É obrigatório conhecer estas obras de arte.  + Museus em Lisboa: 20 que tem mesmo de visitar

Ler mais
Por Mauro Gonçalves

Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos

É uma grande injustiça dizer que a palavra museu cheira a mofo. Mas se começou por arrastar os miúdos para uma exposição interminável que só interessou aos pais... é bem possível que o programa enfrente alguma resistência. Não desanime. Fomos à procura dos melhores museus para crianças em Lisboa. Para ir ao passado e ao futuro, sem sair do presente.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Comentários

0 comments