Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos
Exposição Viral
Pavilhão do Conhecimento Exposição Viral

Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos

Quer diversão a dobrar, para miúdos e graúdos? Basta seguir o nosso roteiro de museus para crianças em Lisboa

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

É uma grande injustiça dizer que a palavra museu cheira a mofo. Mas se começou por arrastar os miúdos para uma exposição interminável que interessa apenas a adultos... é bem possível que o programa enfrente uma certa resistência. Não desanime. Um roteiro museológico não tem de ser um programa aborrecido, muito pelo contrário. Por isso, fomos à procura dos melhores museus para crianças em Lisboa. Para ir ao passado e ao futuro, sem sair do presente. Há museus que guardam memórias de outros tempos, outros que fazem uso da imaginação. Uns dedicam-se às pinturas, outros às instalações, às vezes interactivas. Aí estão os melhores museus para crianças em Lisboa. Ah, mas atenção: não se esqueça da máscara nem de consultar as novas regras dos museus (por via das dúvidas, lembre-se de agendar a visita previamente).

Recomendado: Fim-de-semana perfeito em família

Viagens ao passado

Museu do Oriente
Museu do Oriente
©Museu do Oriente

1. Museu do Oriente

Museus Estrela/Lapa/Santos

Os pais adoram brunches, mas estão sempre a adiar por causa dos miúdos? Comece já a planear o próximo domingo com um programa familiar no Museu do Oriente. Além das exposições permanentes, onde os petizes vão poder aprender mais sobre a ópera chinesa e a presença portuguesa na Ásia, recomenda-se a visita à exposição temporária “Teresa Cortez: Um Mundo Lúdico À Espreita”, uma retrospectiva dos 45 anos da artista, que “é um espaço de liberdade criativa que reflecte em diferenciados temas e objetos a vizinhança com a cultura popular”.

Mosteiro dos Jerónimos
Mosteiro dos Jerónimos
Fotografia: Arlindo Camacho

2. Museu Nacional de Arqueologia

Museus Belém

Alberga uma múmia famosa e não é só por ter mais de 2000 anos. O único caso conhecido em todo o mundo de uma múmia a que foi diagnosticado cancro na próstata (uma descoberta feita em 2011) faz parte da colecção deste museu, instalado no Mosteiro dos Jerónimos. E é também bom saber que os guerreiros galaico-lusitanos de granito, à entrada, datam do século I d.C. e são tesouro nacional. Mas há mais para ver: máscaras funerárias, esfinges egípcias e achados nacionais de ourivesaria, numismática, vidro e escultura.

Publicidade
Museu Arqueológico do Carmo
Museu Arqueológico do Carmo
Fotografia: Manuel Manso

3. Museu Arqueológico do Carmo

Museus História Chiado

Não tenha medo de levar os miúdos a ver as peças que se mostram neste espaço museológico (que partilha o edifício com a Associação dos Arqueólogos Portugueses) – são deles as perguntas mais curiosas e são eles que menos incómodo revelam quando se cruzam com o ex-líbris do Museu Arqueológico do Carmo, nascido das ruínas deixadas pelo terramoto de 1755. Falamos de múmias, que deram entrada na colecção em finais do século XIX, pela mão daquele que viria a ser o segundo presidente do museu, o Conde de São Januário. Mas há muito mais a descobrir, acredite. Está cheio de grandes achados, peças históricas e artísticas, da pré-história à época contemporânea. 

Farmácia
Farmácia
Fotografia: Ana Luzia

4. Museu da Farmácia

Museus Chiado/Cais do Sodré

Visitar a exposição permanente é, por si só, uma viagem ao passado. Eles vão gostar de saber que havia raspas de corno entre os ingredientes da Pedra de Goa, um segredo usado pelos jesuítas no século XVII para mordeduras de serpente. E até os pais vão ficar surpreendidos com a farmácia portátil que pertenceu aos czares russos. A geringonça data de 1800, era transportada por cavalos e fazia parte da bagagem nas viagens de família.

Publicidade
Museu nacional dos coches
Museu nacional dos coches
©MNCoches

5. Museu Nacional dos Coches

Museus Belém

É uma colecção única no mundo e agora respira melhor desde que em 2015 passou para um novo edifício na Avenida da Índia, a poucos metros do antigo Picadeiro Real, a primeira morada dos coches a partir de 1905, onde ainda existe um núcleo expositivo. Os miúdos vão adorar descobrir que havia um tempo em que se circulava sem cinto de segurança (e quem sabe brincar aos príncipes e às princesas). O primeiro coche a entrar no novo museu foi o Landau do Regicídio, talvez o mais icónico da colecção composta por viaturas de gala e de passeio dos séculos XVI a XIX, provenientes da Casa Real Portuguesa, Igreja e colecções particulares. Dentro do museu, tem ainda à sua disposição sete ecrãs interactivos, 11 ecrãs passivos e duas grandes projecções que completam a informação sobre a colecção. Para enriquecer a sua visita, experimente a app, disponível para sistemas iOs e Android, que permite ver o interior das viaturas e revela também algumas curiosidades.

museu do aljube, lisboa
museu do aljube, lisboa
©José Frade

6. Museu do Aljube

Museus Santa Maria Maior

Salazar é já uma figura longínqua na memória dos mais novos, mas a história do antigo regime, ainda do tempo dos avós, faz parte das memórias dos pais, o que torna o Museu do Aljube, apesar de um programa pesado, uma boa sugestão para uma tarde de história em família. Aljube foi cadeia eclesiástica, presídio de mulheres e, a partir de 1928, destino de presos políticos e sociais. Ainda lá estão as celas exíguas, de um metro por dois, e o telefone do corredor, que anunciava a chamada dos detidos para os interrogatórios da PIDE. Perante o cenário 3D de uma reunião política clandestina, os miúdos mais curiosos vão ainda querer saber porque havia uma máquina de escrever protegida por uma espécie de caixa de madeira em toda a volta. Servia para redigir os panfletos da propaganda comunista e a protecção confirma o secretismo que rodeava o momento: era preciso abafar o som das teclas.

Viagens no presente

Actividades para crianças no Museu Berado
Actividades para crianças no Museu Berado
©Museu Berardo

1. Museu Colecção Berardo

Museus Belém

Não é difícil fazer da visita ao museu um momento divertido só com comentários bem-humorados sobre a arte do século XX. Até a Matemática é bem-vinda, se quiser pôr os miúdos a calcular o peso da obra mais valiosa no valor total da colecção, que vale 316 milhões de euros – o quadro de Picasso Femme dans un fauteuil (métamorphose), de 1929, avaliado em 18 milhões. Se falta imaginação aos pais, é pedir ajuda ao serviço educativo do museu, responsável pelas visitas e actividades para as famílias.

Oficina Uopia no Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian
Oficina Uopia no Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian
©Maria Remédio

2. Museu Calouste Gulbenkian

Museus São Sebastião

Os jardins valem a pena, mas já não é só a morada que une o CAM ao Museu da Fundação Calouste Gulbenkian. Penelope Curtis assumiu a direcção conjunta das instituições e isso sente-se, com um programa cheio a cruzar os dois acervos. Para famílias, a agenda educativa faz-se online, pelo menos por agora. Mas, quando for possível, haverá como habitualmente concertos comentados, visitas às exposições que são jogos de mistério para descobrir quem está ali desenhado, actividades de botânica e urban scketchers no jardim.

Publicidade
Museu Nacional da História Natural e da Ciência
Museu Nacional da História Natural e da Ciência
©Museu Nacional da História Natural e da Ciência

3. Museu Nacional de História Natural e da Ciência

Museus História natural Princípe Real

É o sítio ideal para explorar a evolução das espécies e ficar a saber mais sobre o reino animal e sobre o mundo vegetal, em destaque no Jardim Botânico. O laboratório químico do século XIX também é obrigatório, mas porque o conhecimento não vem só do que se lê, nem mesmo de visitas guiadas (que também há, incluindo com teatro à mistura), vale a pena espreitar a agenda do museu, que se tem feito online, mas deverá retomar o ritmo habitual para breve.

Museu do dinheiro
Museu do dinheiro
Fotografia: Arlindo Camacho

4. Museu do Dinheiro

Museus Baixa Pombalina

O museu dedica-se ao dinheiro, mas não lhe pede nem um cêntimo para entrar. E, sendo o vil metal um tema sempre presente, nada como aprofundá-lo para que eles aprendam a dar-lhe valor. O espaço começou por ser a Igreja de São Julião (em finais do século XVIII) e depois caixa forte e estacionamento do Banco de Portugal. Até que em 2007 se decidiu devolver-lhe alguma dignidade. Inaugurado em 2016 e com uma forte aposta na interactividade, aqui é possível percorrer a história do dinheiro e a sua relação com a sociedade e ainda aceder ao Núcleo de Interpretação da Muralha D. Dinis, construída no século XIII. Pode também cunhar uma moeda à sua imagem e tocar numa barra de ouro de 12 kg.

Publicidade
Museu das Marionetas - Barnabé
Museu das Marionetas - Barnabé
©DR

5. Museu da Marioneta

Museus Estrela/Lapa/Santos

Além de uma enorme colecção de marionetas portuguesas tradicionais, este Museu da Marioneta tem no seu acervo uma significativa colecção de marionetas do sudeste asiático, bem como outras respeitantes à ancestralidade africana e brasileira. Para além da exposição de marionetas, também há uma de máscaras, da tragédia grega às danças autóctones, e outra de adereços, como a almofada da coroa ou a arca de Salomé. Para diversão a dobrar, sugerimos que espreite também a agenda de espectáculos, que deverá retomar o ritmo pré-confinamento. E prometemos ainda que há oferta pedagógica para toda a família, nem que seja online, com as Oficinas Confinadas e os ateliers para as famílias.

Museu Nacional do Desporto
Museu Nacional do Desporto
Museu Nacional do Desporto

6. Museu Nacional do Desporto

Museus Desporto Santa Maria Maior

Foi inaugurado em 2012, 100 anos depois da participação portuguesa nos Jogos Olímpicos e resulta do convite público dirigido às federações desportivas para darem a conhecer o património que os atletas e as diversas modalidades deixaram. Entre muitos outros motivos de interesse, alberga a Biblioteca Nacional do Desporto, com cerca de 60 mil itens registados, desde monografias modernas sobre o tema em foco até registos históricos, caso de De Arte Gymnastica, de Hieronymi Mercurialis, considerado o primeiro livro de desporto editado em todo o mundo. Para os miúdos, o mais entusiasmante são mesmo as exposições e os módulos interactivos, como o Espaço-Corpo, onde vão poder descobrir quanto pesam, quanto medem ou qual o seu índice de massa corporal; ou o Espaço-Actividade Física, onde dá para correr, rematar à baliza ou juntar os amigos para um jogo virtual.

Viagens ao futuro

Exposição Risco no Pavilhão do Conhecimento ( 2016)
Exposição Risco no Pavilhão do Conhecimento ( 2016)
©DR

1. Pavilhão do Conhecimento

Museus Ciência e tecnologia Parque das Nações

É um daqueles casos em que se inverte a ordem dos factores: é, primeiro que tudo, fascinante para miúdos; depois corre o risco de ser surpreendente também para os adultos. O Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva é um museu de ciência nascido em 1999 no Pavilhão do Conhecimento dos Mares da Expo 98. O edifício foi desenhado pelo arquitecto Carrilho da Graça e acolhe uma exposição permanente, várias exposições temporárias simultâneas e um sem-fim de actividades que eles vão adorar. Para ir preparado, espreite as instruções para uma visita segura.

Casa do Futuro
Casa do Futuro
©Museu das Comunicações

2. Museu das Comunicações

Museus Ciência e tecnologia Chiado/Cais do Sodré

A exposição permanente chama-se Casa do Futuro e é mesmo uma casa, com porta, cozinha e sala de jantar. Só que especial: a aplicação da robótica às exigências do lar – que se chama domótica – faz com que tudo aqui seja controlável a partir do exterior. Os miúdos podem imaginar-se de férias do outro lado do mundo, ao mesmo tempo que acendem as luzes ou mexem nas persianas na sua casa. Lá dentro, a mesa da sala tem um ecrã led que permite mudar a cor do tampo, o frigorífico lê códigos de barras para não deixar nada estragar-se e os armários abrem-se com cartões magnéticos. No fim desta viagem ao futuro, eles vão gostar de perceber o caminho percorrido até lá, desde os meios de comunicação mais antigos, como o excêntrico telégrafo.

Publicidade
MAAT
MAAT
Fotografia: Arlindo Camacho

3. MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

Museus Belém

Projecto da Fundação EDP, o Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia já está mais do que consagrado nas iniciais MAAT. As suas formas arquitectónicas marcaram o ano de 2016 na cidade, justificando frutíferas romarias à zona de Belém, uma tendência que, de resto, está longe de abrandar. Mesmo que a sua criança ainda não tenha idade para fotografar a belíssima curva do edifício ao pôr-do-sol, não faltam ideias para aproveitar o espaço. A Central só abre no dia 26 de Abril, mas até lá vale a pena visitar o maat, que tem um novo programa de exposições.

Museu da Vila
Museu da Vila
©DR

4. Museu da Vila

Museus História Cascais

Qualquer visita a Cascais deve passar por este pequeno Museu de entrada gratuita, onde se explica a história da vila de uma ponta à outra. Desde o período do Neolítico até ao século XX, com recurso a tecnologia interactiva. Uma das novas peças do museu é uma asa de gaivota em que são projectadas imagens sobre vários temas relacionados com Cascais e uma experiência imersiva que pretende mostrar como a vila e o concelho se têm tentado tornar uma cidade inteligente.

Publicidade
Centro interactivo mitos e lendas de sintra
Centro interactivo mitos e lendas de sintra
©DR

5. Centro Interativo Sintra Mitos e Lendas

Museus História Sintra

Inaugurado em 2015 no edifício do posto de turismo da Vila de Sintra, é aqui que se deve dirigir para se inteirar dos mistérios da cidade, entre a ficção e a realidade através de 17 espaços diferentes recheados de hologramas, efeitos sensoriais, realidade aumentada ou filmes 3D. No Sintra Mitos e Lendas pode experimentar a sensação de entrar no Poço Iniciático da Regaleira, embarcar numa aventura que o põe frente-a-frente com o tenebroso Adamastor ou explorar ecrãs tácteis que permitem interagir com imagens e histórias georeferenciadas que incluem animações em realidade aumentada.

Mais programas para fazer com crianças

Hora do conto com a actriz Sofia Correia
DR

Coisas para fazer com os miúdos dentro de casa

Miúdos

Ver televisão o dia inteiro está fora de questão – mas também não seja intransigente, um episódio por dia nem sabe o bem que lhes fazia (a eles e ao pais!). Entre leituras, pinturas, cozinhados e trabalhos manuais, o que não falta são coisas para fazer com os miúdos dentro de casa. Boa sorte!

jardim da estrela
David Clifford

Os melhores sítios para fazer piqueniques em Lisboa

Coisas para fazer Eventos alimentares

Sabe onde piquenicar em Lisboa? É a forma ideal de fugir da cidade sem chegar a sair dela. É pegar, meter na cesta e estender a toalha nesses hectares relvados jardins fora. Há verdadeiros tesourinhos que vai querer conhecer, sobretudo agora que está oficialmente aberta a época do bom tempo, os raios de sol já queimam e a vontade de sair de casa é mais que muita, ainda que cada saída deva ser feita com a devida prudência e com as devidas distâncias.

Publicidade
baobá
DR

Livrarias para crianças em Lisboa que tem mesmo de visitar

Miúdos Eventos literários

A leitura é uma peça-chave para a educação dos miúdos e uma das melhores formas de os entreter. Em Lisboa (e arredores) já existem algumas livrarias dedicadas aos mais pequenos, onde a literatura infanto-juvenil é o foco, os livros de editoras independentes – da Pato Lógico à Planeta Tangerina – têm lugar de destaque e o mundo da ilustração é a chave de ouro.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade