Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Museus interactivos em Lisboa e arredores para visitas divertidas
Museu do Dinheiro
Francisco Nogueira Museu do Dinheiro

Museus interactivos em Lisboa e arredores para visitas divertidas

Carregue nos botões, ponha os óculos de realidade virtual e descubra os melhores museus interactivos de Lisboa e arredores

Por Renata Lima Lobo e Raquel Dias da Silva
Publicidade

Nem todos são grandes fãs de percorrer um museu que apresente a sua colecção apenas com a ajuda de pequenas legendas ou escritos nas paredes que enquadram o percurso. Ir a um museu não tem de ser uma seca e há cada vez mais espaço para a interactividade no desenho museológico nacional. Não substituem a riqueza analógica de um Museu Nacional de Arte Antiga ou de uma Fundação Calouste Gulbenkian, mas piscam o olho à modernidade e ao crescente hábito de metermos a mão em tudo o que é ecrã-táctil (agora com mais cuidados e uma dose de álcool-gel antes e depois). A realidade virtual está também cada vez mais presente nos museus interactivos de Lisboa, Sintra ou Cascais. Está na hora de conhecê-los.

Recomendado: Fim-de-semana perfeito em família

 

Museus interactivos em Lisboa e arredores para visitas divertidas

Museu cosme damião
Museu cosme damião
©Fernando Correia

1. Museu Benfica – Cosme Damião

Museus Sete Rios/Praça de Espanha

Mais do que uma “sala das taças”, um sítio para observar pratas, galhardetes e medalhas, o Museu Cosme Damião é um lugar para conhecer detalhadamente a história do clube e da cidade. Sabia que em 1960 o Benfica foi campeão nacional de actividades submarinas? E que em 1918 o Benfica recebeu a visita do tenor lírico Tito Schipa? Se tivesse visitado o Museu Cosme Damião, sabia. Há vários filmes, jogos e actividades interactivas, da qual destacamos a atracção final: um simulador de penáltis que vale o preço do bilhete.

Museu da Vila
Museu da Vila
©DR

2. Museu da Vila

Museus História Cascais

Já imaginou poder recuar no tempo e fotografar-se como se estivesse em 1900? Ou então descobrir, através de animações, como era um local durante a Segunda Guerra Mundial? O renovado Museu da Vila, em Cascais, dá a conhecer a história da vila e do concelho, desde o período do Neolítico até ao século XX, com recurso a tecnologia interactiva. Uma das novas peças do museu é uma asa de gaivota em que são projectadas imagens sobre vários temas relacionados com Cascais e uma experiência imersiva que pretende mostrar como a vila e o concelho se têm tentado tornar uma cidade inteligente. Vale a pena a visita, mas não se esqueça que agora os museus cascalenses só estão abertos de terça-feira a domingo, com encerramento à hora do almoço (entre as 13.00 e as 14.00).

Publicidade
Museu das Comunicações
Museu das Comunicações
Museu das Comunicações

3. Museu das Comunicações

Museus Ciência e tecnologia Chiado/Cais do Sodré

A exposição permanente chama-se Casa do Futuro e é mesmo uma casa, com porta, cozinha e sala de jantar. Só que especial: a aplicação da robótica às exigências do lar – que se chama domótica – faz com que tudo aqui seja controlável a partir do exterior. Os miúdos podem imaginar-se de férias do outro lado do mundo, ao mesmo tempo que acendem as luzes ou mexem nas persianas na sua casa. Lá dentro, a mesa da sala tem um ecrã led que permite mudar a cor do tampo, o frigorífico lê códigos de barras para não deixar nada estragar-se e os armários abrem-se com cartões magnéticos. No fim desta viagem ao futuro, eles vão gostar de perceber o caminho percorrido até lá, desde os meios de comunicação mais antigos, como o excêntrico telégrafo. Aos sábados há workshops que incluem oficinas de televisão e espionagem com walkie-talkies.

Museu do dinheiro
Museu do dinheiro
Fotografia: Arlindo Camacho

4. Museu do Dinheiro

Museus Baixa Pombalina

Abriu as portas em 2016 e aposta forte na interactividade. No Museu do Dinheiro é possível percorrer a história do dinheiro e a sua relação com a sociedade e ainda aceder ao Núcleo de Interpretação da Muralha D. Dinis, construída no século XIII. Pode também ouvir o deus grego Hermes com atenção: uma figura robótica que encarna o deus do comércio e das trocas e que dialoga com o público. Há ainda um grande dispositivo multimédia, manipulável pelo público, que permite descobrir a história do dinheiro ou um painel lúdico, também interactivo, que roda e amplia alguns tesouros numismáticos. Quanto às novas regras de segurança, são fáceis de decorar: uso de máscara, distância q.b., etiqueta respiratória e uma boa higiene das mãos.

Publicidade
Centro interactivo mitos e lendas de sintra
Centro interactivo mitos e lendas de sintra
©DR

5. Centro Interativo Sintra Mitos e Lendas

Museus História Sintra

Inaugurado em 2015 no edifício do posto de turismo da Vila de Sintra, é aqui que se deve dirigir para se inteirar dos mistérios da cidade, entre a ficção e a realidade através de 17 espaços diferentes recheados de hologramas, efeitos sensoriais, realidade aumentada ou filmes 3D. No Sintra Mitos e Lendas pode experimentar a sensação de entrar no Poço Iniciático da Regaleira, embarcar numa aventura que o põe frente-a-frente com o tenebroso Adamastor ou explorar ecrãs tácteis que permitem interagir com imagens e histórias geo-referenciadas que incluem animações em realidade aumentada.

ponte 25 abril
ponte 25 abril
Fotografia: Arlindo Camacho

6. Pilar 7 da Ponte 25 de Abril

Atracções Alcântara

Não é um museu, mas esta é uma atracção turística de Lisboa que leva os visitantes ao interior deste pilar para uma experiência sensorial. Ao terminar a visita é convidado a entrar num espaço dedicado à realidade virtual. Com óculos e auscultadores na cabeça, é iniciada uma viagem virtual em 360º que acompanha os técnicos de manutenção até ao ponto mais alto da Ponte 25 de Abril. Só não dá para tirar selfies: afinal, aqui, estamos no mundo do faz-de-conta.

Mais museus

Museu do Dinheiro
Inês Félix

Dez museus grátis em Lisboa e arredores

Museus

Não é ao domingo de manhã, sábado à tarde ou segunda de madrugada. Estes museus são de entrada gratuita sempre que a porta está aberta ao público (em alguns terá de marcar). E a busca pela descoberta de um museu gratuito também pode significar a descoberta de um museu que nem sempre está nas bocas do mundo e, como sabe, o conhecimento não ocupa lugar por isso quanto mais melhor.

cómoda de fernando pessoa na casa museu de fernando pessoa
©José Frade

Descubra onde moram casas-museu na Grande Lisboa

Museus

Sejam de pintores, poetas, cantores, advogados, aristocratas ou pintores, há muito para conhecer e aprender nestas verdadeiras casas abertas ao público. Pelo meio vai poder travar conhecimento com pérolas como a cómoda que fazia parte do quarto de Fernando Pessoa, a quase intocada casa de Amália Rodrigues, ou a morada de um decorador que privou não só com a fadista como também com Coco Chanel, Maria Callas, Truman Capote e Henry Kissinger.

Publicidade
Casa das Histórias Paula Rego
Fotografia: Arlindo Camacho

Paragens obrigatórias no Bairro dos Museus em Cascais

Coisas para fazer

Cascais criou um verdadeiro microclima cultural com a implementação daquilo a que chamou de Bairro dos Museus. O conceito é simples e só requer que dê umas voltinhas pelo perímetro que concentra um conjunto de equipamentos dedicados à cultura na vila. Preparado para a maratona? O Centro Cultural de Cascais, a Casa Sommer, o Museu Conde Castro Guimarães, a Casa das Histórias de Paula Rego e a Casa de Santa Maria são alguns dos pontos de paragem obrigatória neste roteiro cultural.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade