A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
curso de vinho
Fotografia: Nik MacMillan/ Unsplash

Grandes mulheres, vinhos maiores

Antonina Barbosa, Leonor Freitas e Sandra Tavares da Silva impuseram-se num sector ainda dominado por homens.

Escrito por
Mariana Lopes
Publicidade

Vindima a vindima, elas foram conquistando o seu lugar num mundo que durante demasiado tempo foi masculino. Além de produzirem vinhos aclamados, estas três mulheres estão ao leme das suas empresas e trilham o futuro para as que hão-de vir. Apresentamos Antonina Barbosa, directora-geral da Falua, Leonor Freitas, a “Dona Ermelinda”, e Sandra Tavares da Silva, responsável pela Quinta de Chocapalha e Wine&Soul.

Recomendado: Entregas de vinho ao domicílio para que o copo nunca fique vazio

Antonina Barbosa, a diplomata
©DR

Antonina Barbosa, a diplomata

Licenciada em Bioquímica e mestre em Enologia, Antonina Barbosa é actualmente enóloga-chefe e directora-geral da Falua, empresa mais conhecida pela marca Conde Vimioso, do Tejo. O seu primeiro impacto como enóloga foi em 2004, precisamente na Falua e ao lado do icónico enólogo João Portugal Ramos. Nessa altura era tudo diferente, havia muito poucas mulheres no vinho, mas Antonina diz que nunca pensou muito nisso e que a confiança com que fazemos o percurso é o que mais influencia a forma como somos vistos. Confiança e discrição são, de facto, duas palavras que definem muito bem a enóloga responsável por uma das marcas que hoje mais honram e bem representam a região do Tejo.

Leonor Freitas, a magnânima
©DR

Leonor Freitas, a magnânima

A “Dona Ermelinda” dispensa apresentações, mas é indispensável que se fale dela sempre que o tema é mulheres e vinho. Leonor Freitas elevou a casa agrícola da família ao estatuto de uma grande empresa, que hoje factura milhões, com 550 hectares de vinha só na Península de Setúbal. Apostar num vinho bag-in-box – um produto menos bem visto – foi uma das suas primeiras e mais arrojadas decisões, que acabou por se tornar na que levaria a Casa Ermelinda Freitas ao sucesso. A empresa produz agora uma completa gama de vinhos com o factor “consensualidade” em primeiro lugar, não fosse essa a estratégia da casa, a culminar no topo de gama Leo d’Honor, nome que é referência à própria administradora, que faz também um trabalho social importante na sua região. “Não há profissões para homens e para mulheres”, afirma Leonor. “Há pessoas certas nos sítios certos.”

Publicidade
Sandra Tavares da Silva, a desbravadora
©DR

Sandra Tavares da Silva, a desbravadora

Esta menina de olhos e cabelos claros pode ter uma voz doce, mas na hora de fazer grandes vinhos mostra toda a sua dureza. Sandra Tavares da Silva, agrónoma e enóloga, é de Lisboa, mas cedo se apaixonou pelo Douro e partiu à sua descoberta, tendo hoje um projecto vínico próprio em cada uma dessas regiões, Quinta de Chocapalha e Wine&Soul, respectivamente. Em 2020, integrou a lista das 24 melhores enólogas do Mundo segundo o Financial Times, e desde aí que ninguém lhe larga a bainha da saia... Ou das calças, pois na verdade, é mais frequente vê-la na vinha com as suas calças de ganga e botas Timberland castanhas. Sempre foi obstinada, e desde muito nova que nunca desistiu de lutar pelas coisas que queria. “Quando se fechava uma porta, saltava pela janela”, conta Sandra. De facto, o medo de cair nunca lhe tirou as asas.

Boa Pinga – Três Grandes Escolhas

Conde Vimioso
©DR

Conde Vimioso

Regional Tejo Reserva tinto 2018 Falua · 14,99€*

Este vinho é um lote de Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon, Castelão e Aragonez que combina notas de fruta vermelha com especiarias e um toque de cacau. Muito fresco e elegante, tem bastante corpo e persistência.

Boa Trinca: Acompanhe com carré de borrego com alecrim, risoto de cogumelos, moussaka turca ou lasanha vegetariana.

Leo d’Honor
©DR

Leo d’Honor

Palmela tinto 2013 Casa Ermelinda Freitas · 30€*

Feito da uva Castelão, com origem em vinhas de 70 anos plantadas nos terrenos arenosos de Palmela, é um tinto que apetece mastigar, concentrado e a sugerir fruta negra, chocolate e ervas do campo.

Boa Trinca: Fica bem com plumas de porco preto com migas de espargos, beringelas à parmigiana e gnocchi recheados ou trufados.

Publicidade
CH by Chocapalha
©DR

CH by Chocapalha

Regional Lisboa tinto 2018 Sociedade Agrícola das Mimosas · 32€*

Muita elegância e sensualidade neste Touriga Nacional, a trazer ao nariz fruta silvestre e cereja escura, e também flores violeta. Na boca tem equilíbrio, óptima acidez e envolvência.

Boa Trinca: Penne com queijo provolone, tomate cereja e alho francês, lombinho de vaca selado, empadão de carne: tudo belas companhias.

*P.V.P. preço recomendado, indicativo e não vinculativo

Mais que beber

  • Bares

Os bares de vinho (ou wine bars, como lhes chamam os ingleses), garrafeiras e lojas da especialidade estão cada vez mais na moda. Nesta lista, para se aconchegar ao fim do dia, reunimos os melhores bares de vinho da cidade, às vezes acompanhados de petiscos igualmente saborosos.

  • Noite
  • Cafés/bares

A história daquela que é uma das mais populares bebidas da actualidade já tem séculos. Na capital portuguesa há muito onde a provar, portanto, o melhor mesmo é seguir o nosso roteiro dos melhores bares de gin em Lisboa e aproveitar para fazer um brinde.

Publicidade
  • Bares

Multiplicam-se as marcas, estilos e sítios para beber cerveja artesanal. Entre bares, garrafeira, fábricas e brewpubs há cada vez mais e mais variados projectos ligados à cerveja em Lisboa. E ainda há espaço para mais. Estes são os melhores sítios para beber uma fresquinha.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade