Global icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores bares de vinho em Lisboa

Os melhores bares de vinho em Lisboa

Apetece-lhe simplesmente um copo de vinho e um petisco a acompanhar? Faça uma pausa nestes bares de vinho em Lisboa
Donna Taça
Duarte Drago
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Lisboa foi eleita um dos melhores destinos vínicos do ano no último número da Wine Enthusiast, revista de referência internacional no sector vitivinícola. Entre elogios à intersecção entre a “preservação do património” e a “bem-vinda mudança”, destaca-se “a posição de Lisboa ao longo do Atlântico” e as vinhas de Colares, com castas como Ramisco para “tintos saborosos” e Malvasia para “brancos salinos”. Não será de estranhar, por isso, que os bares de vinho (ou wine bars), garrafeiras e lojas da especialidade estejam cada vez mais na moda. Nesta lista, para se aconchegar ao fim do dia, reunimos os melhores bares de vinho da cidade, às vezes acompanhados de petiscos igualmente saborosos.

Recomendado: Os melhores cursos de vinhos em Lisboa

Vinho a copo

bar da odete
Fotografia: Arlindo Camacho
Bares, Bares de tapas

Bar da Odete

icon-location-pin Santa Maria Maior

Odete Cascais gastou anos a pregar a mensagem nas páginas da Time Out: que não há no mundo país como este para beber grandes vinhos sem grandes despesas. Ora, esse saber deu lugar a um bar de vinho a copo no coração do Time Out Market e, mais tarde, a uma casa de vinho nos Restauradores. O termo wine bar é evitado porque tudo nesta casa é português até ao tutano, da garrafeira aos materiais da decoração, passando por todos os produtos usados nas sandes e tábuas de queijos e enchidos. Sempre que a nossa Odete (é inevitável, continua família) apresenta uma nova carta, a grande novidade é que está tudo na mesma: selecção cuidada e serviço informado. Entre os 4€ e os 8€, a oferta é difícil de bater, mas daí até um Quinta do Vale Meão (35€) é tudo para servir a copo e em perfeitas condições a toda a hora, mesmo se o lema continue “às sete na Odete”.

Restaurantes, Europeu

Nova

icon-location-pin Chiado

A Nova é, bem vistas as coisas, uma ideia velha. No mesmo espaço, uma loja e um lugar para petisco e vinho a copo. Antigamente, chamava-se a isto uma venda. Hoje, é um wine bar. Mas lá está, as boas ideias tendem a envelhecer tão bem quanto o bom vinho e a experiência que se consegue nesta casa, não sendo nova, é estranhamente rara em Lisboa: beber bom vinho a copo, com uma oferta simpática de coisas para picar, bom aconselhamento e, no fim, a opção de comprar a garrafa. Parece simples, mas foram precisos dois publicitários para elaborar a ideia – Pedro Caixado e Miguel Branco, da agência Multinice. A oferta a copo é cuidada, começa nos 3,50€ e atravessa todas as regiões, castas e vinificações. Os petiscos acompanham a exigência de qualquer prova, entre queijo de cabra fresco com tomate seco, azeite e manjericão (4,50€), lascas de bacalhau com puré de grão (9€) ou uma muxama de atum com salada de rúcula (10€). 

Publicidade
By the Wine - Sala
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

By the Wine

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Neste bar, também mora um restaurante, mas é o balcão que nos conquista. É um dos melhores sítios do Chiado para beber um copo de vinho ao fim do dia e, sem dúvida, dos que têm mais pinta. São 16 bancos altos com vista para uma prateleira de uns 40 vinhos, tudo José Maria da Fonseca, servidos por uma dúzia de empregados, tudo gente nova com alguma formação nas caves de Azeitão. Entre os 2,60€ e os 4€, o bouquet de escolhas é admirável. Peça ajuda à vontade. E aprecie a decoração, com garrafas a cobrir o tecto (diz quem teve muito tempo para contá-las que são 3267 garrafas). Para acompanhar, pode até ficar pelo couvert de azeite, azeitona, passata de tomate e um belíssimo pão rústico (3€). Mas arrisque umas ostras do Sado (2€/unidade) ou um queijo de Azeitão (6€). Às tantas ainda acaba a jantar.

Adega do Chafariz do Vinho
Fotografia: Ana Luzia
Bares

Chafariz do Vinho

icon-location-pin Princípe Real

Jesus transformou água em vinho e nós em Lisboa quisermos ir mais longe e transformámos uma mãe d'água do século XIX num wine bar. O Chafariz do Vinho é, ainda e sempre, um lugar de culto para o vinho a copo em Lisboa, com centenas de opções, e se por acaso nos esquecemos de o referir mais vezes é apenas porque andamos a dormir. Com chancela do crítico João Paulo Martins, organiza-se uma extensa colecção de vinhos (o termo enoteca não aparece por acaso), parte da qual entra pela Mãe D'Água acima, onde encontra excelentes condições de preservação. O Chafariz também é um restaurante que se recomenda, mas a proposta que lhe lançamos é um copo ao fim do dia. De terça a quinta, das 18.00 às 20.30, há uma happy hour de provas que começam nos 10€ para quatro vinhos. 

Publicidade
Donna Taça
Duarte Drago
Restaurantes

Donna Taça

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

São mais de mil rótulos de vinhos de pequenos produtores que dificilmente encontra noutro lugar. O Donna Taça é o bar perfeito para se tornar um enólogo. Abriu em Dezembro na Rua do Telhal, no espaço de uma antiga sauna gay. Se na parte de cima é wine bar, em baixo, na cave, é onde funciona o negócio de exportação de Fernanda Araújo Rosa. Todos os vinhos que estão no bar foram provados pela equipa da casa, que sabe a sua história e está disponível para contá-la. Há vinhos portugueses, franceses, argentinos, chilenos, sul-africanos, australianos e até austríacos. “Sempre com a preocupação de serem pequenas produções e de terem alguma história daquele país ou daquela vinícola.” Como não são seleccionados pelo preço, mas sim pela sua qualidade, há para todas as bolsas, a começar nos 6€, por exemplo, e a multiplicar por vários dígitos, a mais de 500€.

Prova-enoteca
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Prova-Enoteca

icon-location-pin Belém

É uma mercearia, garrafeira e espaço para petiscos, mas dá para ir só pelo vinho a copo. Na garrafeira, há mais de 80 referências de vinhos portugueses, entre brancos, tintos, verdes ou rosés, escolhidos com a ajuda do sommelier Manuel Moreira. Pode pedir qualquer um a copo (há um taxa de serviço de 6€) e acompanhar, por exemplo, com uma tiborna (a partir de 2,50€), como a de petinga com molho pesto, ou as mais clássicas tábuas de queijos e enchidos (desde 6€). Como a cereja no topo do bolo, há ainda provas de vinho e workshops.

Publicidade
Jobim
©Manuel Manso
Bares

Jobim

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Não é novidade para ninguém que os vinhos são do melhor que Portugal tem para oferecer. O Jobim, no número 116 da Rua da Imprensa Nacional, é só mais uma prova disso. A carta de vinhos, composta maioritariamente por referências portuguesas, é complementada por petiscos que celebram a gastronomia internacional e a reinventam com os melhores produtos nacionais. António seleccionou brancos, tintos, Portos, rosés, moscatel e espumantes para preencher a montra de vidro – se estiver assoberbado com tanta oferta, o enólogo está sempre lá para fazer recomendações. Há vinho a copo (entre os 4€ e os 18€) ou à garrafa (entre os 14€ e os 79€) mas também pode pedir um cocktail. Se passar à porta do Jobim, vai ouvir logo os sons de jazz e bossa nova que convidam turistas e vizinhança a entrar. Lá dentro há um banco corrido, estofado em tons de bege, quatro mesas e um balcão junto à janela. Os copos são desirmanados e os quadros têm obras de pintura famosas recriadas de forma original. No Jobim não é preciso muito, só vontade de apreciar o néctar. Sem pressas e ao som de boa música.

Bacchanal
Manuel Manso
Bares

Bacchanal

icon-location-pin Cais do Sodré

Na Roma Antiga, o bacanal era uma celebração em honra de Baco, deus do vinho, que por norma acabava em quilómetros de orgias e promiscuidade. Mas neste Bacchanal a ideia não é essa – a não ser que se queira enrolar com vários vinhos. Aí sim. E a avaliar pelos expositores do bar é bem possível que acabe a envolver-se com vinhos de inúmeras castas e de todas as regiões vinícolas portuguesas. Afinal, bacanal que é bacanal tem oferta diversa. O vinho a copo começa nos 4€ e vai até aos 11€, mas se quiser a garrafa os preços sobem até aos 100€. 

Publicidade
Restaurantes, Português

Lisbon Winery

icon-location-pin Bairro Alto

É um centro de provas e bar de vinhos, onde se encontra uma cisterna do século XVI, património arqueológico da cidade. Tem mais de 200 vinhos portugueses de pequena produção e os mais baratos custam 4€ (a copo). Há opções mais caras como vinhos do Porto e da Madeira. Também pode pedir garrafas, o ideal se for com um grupo de amigos. Para acompanhar, há queijos e enchidos, à boa maneira portuguesa. Se quiser, pode optar por uma prova premium (65€), que inclui comentário por especialistas, cinco vinhos portugueses de topo a copo, seis variedades diferentes de queijos artesanais, seis variedades diferentes de enchidos de porco alentejano, presunto Pata Negra de cura prolongada, pão e água.

És tu Baco?

Os melhores enoturismos para uma escapadinha de Lisboa
Crédito: Kym Ellis/ Unsplash
Coisas para fazer

Os melhores enoturismos para uma escapadinha de Lisboa

Portugal é um país de forte tradição vitivinícola e, a avaliar pelos inúmeros prémios e distinções em concursos internacionais, a excelente qualidade dos seus vinhos não passa despercebida. Para os apreciar e conhecer, nada como visitar as regiões de produção e envolver-se na sua cultura, através de visitas guiadas às instalações ou provas de vinhos e outros produtos locais, por exemplo. Mas, porque nem só da vinha e do vinho vive um homem, poderá ainda alargar horizontes com um passeio de balão ao pôr-do-sol, uma caminhada ou um mergulho numa piscina salgada. Explore os melhores enoturismos para uma escapadinha de Lisboa, destino obrigatório para os amantes de vinho em 2019, e torne-se um seguidor fiel do Baco, o Deus do vinho, da ebriedade, dos excessos e da natureza (dos prazeres da vida, portanto).

Garrafeira Pura
©DR
Restaurantes

O que são e onde beber vinhos naturais em Lisboa

Os vinhos naturais e biológicos não são moda passageira, são diferentes, e o método de produção é, aliás, bem antigo. Começamos por lhe explicar as diferenças entre vinificação natural, biológica e biodinâmica e dizemos-lhe onde pode ir tirar as teimas e provar este tipo de vinhos em Lisboa. Bons brindes.

More to explore

Publicidade