A Time Out na sua caixa de entrada

Esta sexta-feira, junte-se à festa dos 300 anos do Palácio de Mafra

Por Maria Ramos Silva
Publicidade

Das 09.15 às 22.00 conte com conferências, o lançamento de um número temático da revista Património, a inauguração da exposição “Do Tratado à Obra” e ainda um concerto.

Corria o ano de 1701 quando João Frederico Ludovice (1673-1752) chegou a Lisboa vindo da Alemanha, em resposta ao convite lançado pelos Jesuítas, para realizar um sacrário para a Igreja de Santo Antão de Lisboa. Acabaria por converter-se no arquitecto régio a quem D. João V confiou a concepção desta monumental obra. 

Esta sexta-feira passam 300 anos sobre o lançamento da primeira pedra do Real Edifício de Mafra e há boas razões para acompanhar o programa que se estende desde as 09.15 até à noite.

É pela manhã que arranca o ciclo de conferências dedicado à edificação do Palácio, com a participação de investigadores nacionais e estrangeiros como Horácio Bonifácio, José Monterroso Teixeira, Nuno Ludovice, Sérgio Gorjão, Paulo Pereira, Giuseppina Raggi, Andrea Merlotti (da Real Venaria de Turim) e José Joaquín Parra Bañon (da Universidad de Sevilla).

Ao final da tarde, pelas 18.30, é lançada a Revista Monumentos’35, dedicada ao Palácio de Mafra na sua vertente histórica, artística, construtiva e arquitectónica.

Meia hora mais tarde, é inaugurada a exposição “Do Tratado à Obra: Génese da Arte e da Arquitetura no Palácio de Mafra”, comissariada por Paulo Pereira, professor da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, por Sérgio Gorjão, museólogo do PNF/DGPC e por Sandra Vaz Costa, historiadora de arte da DGPC. Depois de Portugal, a exposição seguirá para a Alemanha, o país natal de João Frederico Ludovice.

Por volta das 22.00 começa o concerto a seis órgãos e três coros na Basílica, o último capítulo deste dia de festa.

Uma nota extra para a tecnologia sofisticada envolvida neste aniversário. O conjunto arquitectónico foi pela primeira submetido a um varrimento laser tridimensional, "que permite obter imagens dinâmicas e/ou estáticas para apreensão do volume e massa arquitectónica, bem como sequências de pormenor a fixar os vários corpos construídos: Palácio do Rei, Palácio da Rainha, Basílica, Convento e Palacetes dos Infantes e das Infantas", explica a nota de imprensa. 

+ Fim-de-semana perfeito em Lisboa

+ Escapadinhas com crianças: atracções a menos de uma hora de Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade