Notícias / Arte

Há cada vez mais património português à descoberta no Google

Museu do Traje
Museu do Traje

O património português continua a aumentar naquela que é a maior montra virtual de arte: a Google, através do seu instituto cultural. O ministério da Cultura e a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) assinam nesta quinta-feira um protocolo com a gigante tecnológica que permitirá a todos os seus 23 museus, palácios e monumentos integrarem esta plataforma.

E o que é que isto significa? Significa que a partir de agora, vamos poder ter acesso às colecções do Museu Nacional de Arte Antiga, Museu do Traje ou do Museu dos Coches, sem sairmos de casa. Tudo através de imagens de alta resolução, que permitem a visualização até ao mais ínfimo pormenor. Tal como no museu, também estas imagens aparecem com informação de contextualização.

Estas colecções juntam-se assim às mais de duas centenas que integram já o Google Cultural Institute, ficando ao lado de obras como A Noite Estrelada de Van Gogh, em exposição no Museum of Modern Art (MoMA), em Nova Iorque, e O Nascimento de Vénus, de Botticelli, na Galleria degli Uffizi, em Florença.

Numa primeira fase, a parceria com a Google abrange os acervos de sete museus nacionais: Arqueologia, Arte Antiga, Arte Contemporânea/Chiado, Traje, Teatro e Dança, Azulejo e Coches. Até ao final de 2018 alargar-se-á ao conjunto dos museus, monumentos e palácios sob alçada da DGPC. Falamos de espaços como o Mosteiro da Batalha e o de Alcobaça, o Museu da Música e o Panteão Nacional.

A entrada para o Google Cultural Institute permitirá a estes museus e monumentos chegarem mais longe, bem como a introdução das suas peças em diversas exposições internacionais virtuais.

No seu catálogo, o Google Cultural Institute traz-nos até casa mais de 50 mil obras de arte em alta definição de alguns dos maiores mestres. Da arte antiga à contemporânea, da pintura à cerâmica, da Índia e China ao Irão e Portugal. Há peças e exposições para todos os gostos e interesses. Nem a arte urbana fica de fora e aí Portugal é representado pela Galeria de Arte Urbana e o WOOL.

Este projecto foi lançado em Fevereiro de 2011 e conta já com cerca de três centenas de parcerias com museus, monumentos e palácios de mais de 40 países. Em Portugal, o Museu Colecção Berardo foi o primeiro a entrar para esta mostra.

Em 2015, um outro protocolo da Cultura permitia então a maior actualização do património cultural português na Google, com a entrada de 57 novos locais que se podem visitar virtualmente, do Mosteiro dos Jerónimos ao Castelo de Guimarães, passando pela vila de Óbidos ou a Serra da Estrela. A Google chamou-lhe As Maravilhas de Portugal, ainda hoje em destaque na plataforma.

Para celebrar este novo acordo, vão ser projectadas na fachada do Palácio da Ajuda, onde é assinado o protocolo, algumas das peças dos acervos nacionais que a Google vai disponibilizar online.

+ Casar a arte com a tecnologia no The New Art Fest

+ 20 museus que tem de visitar em Lisboa

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments