Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez clássicos da literatura portuguesa esquecidos em casa que deveria ler

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

A biblioteca entrega os livros em casa
© Syd Wachs/DR Cada leitor pode requisitar até seis obras

Dez clássicos da literatura portuguesa esquecidos em casa que deveria ler

Estão muitas vezes esquecidos nas prateleiras ou nem sabemos que os temos. Fomos à procura de dez grandes livros da literatura portuguesa.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Nestes dias de confinamento, faça um exercício (sendo honesto). Olhe para as prateleiras e estantes de casa. Olhe bem. E contabilize os livros que comprou mas nunca leu; os que disse que leria nas próximas férias ou nos dias vagos que nunca chegaram. Agora, não há desculpas. Aproxime-se desse monte de livros em que nunca tocou ou que deixou a meio e escolha um. Esta é altura para pôr a leitura em dia. E nem vá mais longe, fique-se pelos escritores nacionais, muitas vezes desvalorizados ou caídos em esquecimento. As obras que se seguem, descansam muitas vezes nas prateleiras, sem saber que as temos. Se não as encontrar, pode sempre encomendá-las. Valem a pena.

 Recomendado: 15 livros para fazer download gratuito

Dez clássicos da literatura portuguesa esquecidos em casa que deveria ler

O malhadinhas
O malhadinhas
DR

O Malhadinhas, de Aquilino Ribeiro (1922)

Integra o Plano Nacional de Leitura como livro recomendado para o oitavo ano de escolaridade. Inicialmente publicado enquanto parte da colectânea Estradas de Santiago (1922), foi lançado como um volume autónomo em 1958 e tornou-se, provavelmente, a obra mais conhecida do autor. Mais tarde, Aquilino Ribeiro viria a juntar-lhe a novela Mina de Diamantes. Em forma de monólogo, o livro conta a história de António Malhadas, mais conhecido por Malhadinhas, um almocreve grosseiro e manhoso, com um sentido de justiça apurado. O personagem, devido ao seu temperamento, vai-se envolvendo em peripécias. Apesar de ser cheio de manhas, Malhadinhas reflecte sobre o mal e põe em prática a justiça da forma que entende ser mais correcta. Esta novela picaresca é uma obra de referência devido à pureza da linguagem coloquial usada e os provérbios e ditados que se perderam no tempo.

terra fria
terra fria
DR

Terra Fria, de Ferreira de Castro (1934)

A história passa-se em Terras do Barroso, Trás-os-Montes. O local da acção é a Aldeia de Padornelos, entre montanhas, onde Leonardo procura sustento para si e para a família como jornaleiro. A chegada de um emigrado nos Estados Unidos à aldeia acalenta-lhe a esperança de conseguir ter um negócio próprio e de prosperar, mas rapidamente percebe que ao receber seja o que for perde o sossego na vida e até a mulher. A obra publicada em 1934 foi bem recebida pela crítica, ao conciliar o realismo de quem vive nestas terras e o tom de tragédia.

Publicidade
esteiros
esteiros
DR

Esteiros, de Soeiro Pereira Gomes (1941)

Publicado em 1941, Esteiros é um livro inspirado em personagens reais. Do seu quarto em Alhandra, o autor  assistia à vida difícil dos que trabalhavam a recolher barro dos estreitos canais do Tejo. Uma vida condenada à miséria, a troco de um salário que era quase nada. A obra abre com uma dedicatória: “Para os filhos dos homens que nunca foram meninos escrevi este livro”. No fundo, esta é a história de cinco crianças que trabalham por obrigação e o retrato duro de um país votado à pobreza e sem aspirações. 

esteiros
esteiros
DR

Uma Abelha na Chuva, de Carlos de Oliveira (1953)

À semelhança de Alves Redol, Soeiro Pereira Gomes e Mário Dionísio, Carlos de Oliveira foi um dos pioneiros do neorrealismo em Portugal. O autor queria escrever sobre o mundo e mudá-lo. Neste romance de 1953, de Oliveira faz nascer um amor entre um motorista e uma criada na aldeia de Montouro. O seu casamento é infeliz, como tantos outros, mas vive de aparências. A obra conta as peripécias de Álvaro e Maria dos Prazeres, da sua relação de compromisso que muitas vezes é assolada pelo conflito de paixões e desejos recalcados. O livro traça um retrato ao país triste e isolado, que à altura era vítima do pulso de ferro de Salazar.

Publicidade
O trigo e o joio
O trigo e o joio
DR

O Trigo e o Joio, de Fernando Namora (1954)

É mais um romance neorrealista na lista, este de Fernando Namora, publicado em 1954. "Gostaria de vos contar coisas dessa gente. Coisas da vila, do Alentejo cálido e bárbaro e dos heróis que lhe dão nervos ou moleza, risos ou tragédia. [...] E gostaria de vos falar ainda dos trigos e dos poentes incendiados, dos maiorais e dos lavradores, do espanto dos dias, do apelo confuso da terra, da solidão." É assim que dá início à obra o narrador que se propõe a falar de vidas humildes, unidas por uma história trágica. 

Os amantes e outros contos
Os amantes e outros contos
DR

Os Amantes e Outros Cantos, David Mourão-Ferreira

A primeira edição deste livro está registada em Maio de 1968, mas só viria a ser publicada uns tempos depois. Como o título indica, a obra reúne vários contos em que o amor e a morte estão sempre presentes. A imaginação toma conta das narrativas, onde a violência e os tabus se entrelaçam na trama. Eduardo Prado Coelho, no posfácio, questiona “Lidos os contos deste livro, saberemos nós designar, achar palavra para o que lemos?”. “Não creio”, responde. E resume desta maneira: “eles, os contos, escrevem-se deliberadamente sobre o vazio desse nome que se esquiva”. Os oito contos escritos por Mourão-Ferreira transparecem a experiência vivida na pele, elevando-o como um dos melhores contistas nacionais.

Publicidade
Léah
Léah
DR

Leah, de José Rodrigues Miguéis (1958)

Advogado de profissão, foi uma das personalidades que lançou a revista Seara Nova, em 1922. Exilou-se nos Estados Unidos , primeiro por motivos profissionais, e depois devido à oposição ao regime. Em Leah, o autor faz uma crítica severa à situação político-social do país. Apesar de afastado, continuou sempre muito atento ao que se passava em Portugal. As histórias narradas em forma de contos exploram as diferenças culturais dos personagens portugueses e dos personagens estrangeiros, seja nas questões transversais da vida, como o amor, ou apenas no quotidiano dos dias.

Uma coisa em forma de assim
Uma coisa em forma de assim
DR

Uma Coisa em Forma de Assim, Alexandre O’Neill (1985)

Este livro de Alexandre O’Neil reúne toda a prosa do autor. São pequenas ficções, contos, crónicas, reflexões ou devaneios, onde está sempre presente um carácter biográfico. O autor reuniu em 1985 os textos publicados na imprensa, dando-lhes o nome de Uma coisa em Forma de Assim. Maria Antónia Oliveira, editora do livro, explica-o desta forma: “Na sua escrita leve, clara e irrespeitosa, O'Neill apresenta-nos aqui pequenas ficções, arremedos de contos, crónicas, reflexões e devaneios, alegorias, textos onde se nota uma ressonância biográfica [...], outros assumidamente biográficos [...], uma crónica-cadavre exquis e mesmo um texto produzido a partir de um volumoso catálogo da Manufacture Française d'Armes et Cycles de Saint-Étienne que fazia parte da sua farta biblioteca. [...] São [...] textos previamente publicados na imprensa os que O'Neill reuniu, no ano de 1985, sob o engenhoso título Uma Coisa Em Forma de Assim – como se quisesse lembrar-nos, assim como quem não quer a coisa, que não tinham sido vãos os já longínquos anos em que ajudara a fundar o Grupo Surrealista de Lisboa."

Publicidade
Cartas a Sandra
Cartas a Sandra
DR

Cartas a Sandra, de Vergílio Ferreira (1996)

A obra inacabada de Vergílio Ferreira (1996) abre com uma apresentação assinada por “Xana”, a filha de Paulo e Sandra, personagens do seu romance Para Sempre. As dez cartas que integram a obra são uma espécie de diálogo amoroso do pai da narradora com a sua mãe. Nas suas palavras, Sandra já está morta mas Paulo continua a ter necessidade de lhe falar e de desabafar. Através destas cartas é contada uma história sobre a vida, mas, acima de tudo, sobre a morte e o impacto que ela tem no ser humano. Qual é o sentido da vida? É o que leitor semeia na mente de quem lê.

De profundis, valsa lenta
De profundis, valsa lenta
DR

De Profundis, Valsa Lenta, de José Cardoso Pires (1997)

Cardoso Pires é um dos grandes nomes da literatura portuguesa em perigo de cair no esquecimento. Na verdade, até há bem pouco tempo, os seus livros não eram tão fáceis de encontrar. A D.Quixote, editora nos últimos anos de vida, deixou de os comercializar, até que a Relógio d’Água republicou algumas das suas obras mais conhecidas. De Profundis, Valsa Lenta é uma narrativa emotiva, na primeira pessoa, sobre o acidente vascular cerebral que o escritor sofreu em 1995. O autor descreve todo o processo kafkiano da doença, desde que surgem os primeiros sintomas ao tomar o pequeno-almoço até à recuperação da memória.

Mais coisas para fazer em casa

ebook
©Perfecto Capucine/Unsplash

Livros grátis para descarregar durante a quarentena

Coisas para fazer

A Internet é agora a grande janela para o mundo. Em tempos de pandemia mundial nunca são demais as ideias para nos entretermos no recato do lar, entre a sala de jantar, o quarto, a varanda ou mesmo o jardim para os mais sortudos. 

Livros sobre Lisboa que tem de ler

Compras

A cidade tem pano para mangas e muitas histórias para contar. E são muitos os que partilham as suas investigações, talentos, experiências e sapiência nas páginas destes livros sobre Lisboa. As edições que se seguem têm a cidade das sete colinas como pano de fundo, embora a tratem sob diferentes perspectivas, de transportes públicos, arte, cultura e roteiros a histórias de tempos idos ou até a um gato aventureiro. 

Publicidade
Feud: Bette and Joan
©IMDB

As melhores séries do momento

Filmes

Não param de se estrear novas e boas séries. Com a chegada da Netflix, HBO, Amazon Prime e outras tantas ao radar nacional, a vida ficou bastante mais complicada. No bom sentido, claro; é que o que não falta são produções muito bem conseguidas para ver, da segunda temporada de Narcos: Mexico à chegada de Freud: Bette and Joan, a série que nos conta a rivalidade entre as actrizes Bette Davis e Joan Crawford.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade