Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right ‘When The Past Was Around’ força-nos a remexer no passado

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

When The Past Was Around
DR When The Past Was Around

‘When The Past Was Around’ força-nos a remexer no passado

‘When The Past Was Around’ é um pequeno jogo independente sobre a perda. Merece um par de horas da sua vida.

Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

★★★☆☆

Muitos jogos independentes lidam com o luto e a perda, com o fim de relações. When The Past Was Around, criado por Brigitta Rena (A Raven Monologue, She & The Light Bearer) e pelos estúdios indonésios Mojiken e editado pelos seus compatriotas da Toge Productions, é mais um jogo indie sobre o luto e a perda. Mas não é só mais um. 

Os gráficos são o primeiro elemento que desperta a atenção; todos os cenários, objectos e personagens foram desenhados à mão e parecem saídos de um livro de banda desenhada. Depois repara-se na banda sonora, que começa discreta e repetitiva (no bom sentido), mas nunca pára de abrilhantar e acompanhar a narrativa, que por sua vez é emotiva e ambígua. 

When The Past Was Around é uma experiência holística, um videojogo preciso e conciso. Chegar ao fim da história demora apenas uma ou duas horas, mas a curta duração é um ponto forte. Assegura que nunca se torna maçador, e é tempo suficiente para os autores contarem a história que querem contar.

Apesar de estética e tematicamente lembrar o romance interactivo Florence, que gabámos nestas páginas há uns anos, a estrutura e as mecânicas lembram escape games virtuais como os títulos da série Cube Escape e Rusty Lake. Mas não é preciso conhecer nenhuma destas referências para desfrutar da experiência.

Interagimos com o mundo através do toque nos objectos espalhados pelo ecrã (na Switch, onde o jogo foi lançado perto do Natal), ou movendo o cursor e carregando nos botões do rato (no computador, para o qual está disponível desde Setembro) ou do comando (em todas as plataformas). O tempo é passado a desarrumar e a destruir salas, enquanto uma mulher pesarosa procura por objectos escondidos e resolve quebra-cabeças.

Depois de resolvidos todos ou pelo menos alguns dos quebra-cabeças numa sala, passamos para a seguinte, que voltamos a ser forçados a virar do avesso, reflectindo a dor e o desnorte da protagonista, à medida que, subtilmente, a história se desenrola, sem que ninguém diga ou escreva uma única palavra. A música e as imagens são os únicos elementos narrativos, conferindo um grau de ambiguidade ao enredo.

Sem revelar demasiados pormenores, é óbvio desde cedo que a história se prende com a superação de uma relação que acabou (devagar, à medida que jogamos, percebemos porquê), e com a tentativa de voltar a tirar prazer das experiências e dos momentos que se partilharam com um velho amante. Tudo o resto, porém, fica aberto à interpretação.

Desde o lançamento, têm-se multiplicado online os textos e vídeos de pessoas que tentam descortinar o que se está passar. O que se passou. Mas cada um pode e deve interpretar os acontecimentos como bem entender. Como num poema.

Disponível para PC, PlayStation 4, Switch e Xbox One

Os melhores jogos para...

PlayStation 4

Coisas para fazer Jogos e passatempos

Das pequenas edições independentes às últimas produções multimilionárias, mais uns quantos clássicos à mistura, há títulos para todos os gostos na PlayStation 4.

Switch

Coisas para fazer Jogos e passatempos

É uma consola deste tempo, em que estamos habituados a relacionar-nos com o entretenimento em vários contextos e lugares. E tem vários jogos exclusivos.

Publicidade

Xbox One

Coisas para fazer Jogos e passatempos

Há centenas de títulos que vale a pena jogar na consola da Microsoft. Desde produções independentes a grandes blockbusters, estes são os 12 melhores jogos para Xbox One.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade