A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
astronomia
Fotografia: Greg Rakozy/ Unsplash

O céu de 2022: eventos astronómicos a não perder

Olhe para cima. Já viu como o céu está bonito? Estes são os eventos astronómicos a não perder em 2022.

Raquel Dias da Silva
Escrito por
Raquel Dias da Silva
Publicidade

Depois de um 2020 e 2021 com actividade celestial modesta, é natural desejar-se um novo ano um pouco mais surpreendente. Mas tirando um eclipse total da Lua e um eclipse parcial do Sol, em Maio e Outubro respectivamente, a coisa não vai animar muito: os astroturistas, amadores e profissionais, vão ter de se contentar com os poucos fenómenos previstos e lembrar-se que o que interessa é ver as estrelas a brilhar. É que, apesar do calendário astronómico para 2022 contar com fenómenos raros, a maior parte dos espectáculos não vai ser visíveis a partir de Portugal. De qualquer forma, para não perder pitada do que se vai passar lá em cima, espreite esta lista de eventos astronómicos e comece a pensar nos dias à janela, no jardim ou no terraço, a apreciar eclipses e chuvas de meteoros. Para mais informações científicas, o Observatório Astronómico de Lisboa tem tudo o que precisa, incluindo um calendário de bolso, que pode imprimir e levar consigo para todo o lado.

Recomendado: Apps para descobrir o céu e fazer astroturismo à janela

Eventos astronómicos a não perder

Janeiro
Fotografia: Vincentiu Solomon

1. Janeiro

Foi um bom início de ano, com o pico das Quadrântidas a 3 de Janeiro. Quem não teve oportunidade de o ver, tem até dia 12 para tentar vislumbrar uma das melhores chuvas de meteoros no hemisfério norte. Se as condições de observação não forem as ideais no local onde se encontra, poderá observar o fenómeno através de uma transmissão ao vivo no canal de YouTube do Virtual Telescope Project.

Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, o nome Quadrântidas resulta da constelação obsoleta “Quadrans Muralis” (Quadrante Mural, assim designada em honra do Quarto de Círculo de T. Brahe), hoje parte da constelação do Boieiro. O radiante da chuva é próxima da Ursa Maior, entre as constelações do Dragão e do Boieiro, numa zona onde no passado se encontrava uma constelação já extinta: Quadrante Mural, criada em 1795 pelo astrónomo Jérôme Lalande e posteriormente abandonada pela Associação Internacional de Astronomia.

E há mais motivos para observar o céu nocturno. Em Janeiro, todos os planetas visíveis a olho nu serão visíveis em Portugal. Se tiver um telescópio por perto, aproveite também para encontrar Urano na constelação de Peixes e Neptuno na de Aquário, onde vão permanecer durante todo o resto do ano.

Março
Fotografia: Daiga Ellaby

2. Março

Além do Equinócio, que no hemisfério norte sinaliza o primeiro dia de uma nova Primavera, a 20 de Março, não haverá mais eventos astronómicos dignos de nota.

Publicidade
Abril
© Islam Hassan/Flickr/CC BY-SA 2.0

3. Abril

Resíduos do cometa C/1861 G1 (Thatcher), a chuva de meteoros das Líridas ocorre todos os anos. O pico máximo, com apenas 20 meteoros por hora, está previsto acontecer entre os dias 22 e 23 de Abril. Mais tarde, a 30, acontecerá um eclipse parcial do Sol, infelizmente não visível em Portugal. 

Maio
Photograph: NASA/Aubrey Gemignani

4. Maio

O primeiro grande acontecimento astronómico do ano visível em Portugal, um eclipse total da lua, está previsto para 16 de Maio. Começa às 04.29 e termina às 5.54. Para o ver, ou faz directa ou põe o alarme para acordar a tempo do espectáculo. Antes, haverá ainda chuva de meteoros da Eta Aquáridas, com pico máximo nos dias 6 e 7.

Publicidade
Junho
Fotografia: Andrew Preble

5. Junho

Em Junho, haverá uma Super Lua, no dia 14. Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, “fala-se em Super Lua sempre que o instante de Lua Cheia ocorre quando a Lua está a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu da sua órbita”. 

Setembro
Fotografia: Rubén Bagüés

6. Setembro

Além do Equinócio, que no hemisfério norte sinaliza o primeiro dia de um novo Outono, a 23 de Setembro, não haverá mais eventos astronómicos dignos de nota.

Publicidade
Outubro
Fotografia: Karl Magnuson

7. Outubro

Está previsto um eclipse parcial do sol, a 25 de Outubro, entre as 09.58 e as 14.02. Será visível a partir de toda a Europa, do Médio Oriente, do norte de África, da Ásia Ocidental, do Oceano Atlântico norte e do Oceano Índico norte.

Novembro
Photograph: Sydney Observatory/Geoff Wyatt

8. Novembro

Visível a partir do oceano Atlântico norte, haverá um eclipse total da lua a 8 de Novembro, entre as 10.16 e as 11.42.

Guia para astroturistas

  • Música

Além de tornar as noites menos escuras e de fazer subir e descer a superfície dos mares, o satélite da Terra também agita os cantos escuros e misteriosos das almas dos compositores. De uma peça obscura de um autor ibérico anónimo do século XVI ao celebérrimo Clair de Lune, de Debussy, muitos foram os compositores que foram inspirados pela lua – como foi o caso de Haydn, Schubert ou Schumann.

Publicidade
  • Música

É verdade que a poluição luminosa tem vindo a arruinar o espectáculo do céu nocturno, mas nem por isso este deixou de ser uma forte inspiração para os escritores de canções pop. Das décadas de 70 e 80 até aos dias de hoje, não faltam pérolas sobre as estrelas, algumas tão boas que nos conseguem até levar ao céu.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade