0 Gostar
Guardar

Oito grupos de teatro que tem que conhecer

Os novatos estão em clara maioria nesta lista marcada ainda por um veterano e outro exemplo de longevidade menos comercial. Conheça estas propostas alternativas

©Alipio Padilha
Mónica Garcez em Commedia.Purgatorio, da Karnart

Por aqui entram em cena os clássicos e as novas dramaturgias, os cânones e o cruzamento de linguagens. Do Júlio de Matos a um armazém, re(descubra) as companhias de teatro mais alternativas que completam o roteiro de Lisboa. 

Pequenas grandes companhias

33 Ânimos

33 Ânimos

Com quantos ânimos se faz o cruzamento de linguagens e meios? Ora responda 33. A 33 Ânimos foi criada em 2012 por Daniela Rosado e Ricardo Cabaça, e desde então tem enquadrado a sua actividade no território do teatro pós-dramático. E se a nova dramaturgia é um dos focos do colectivo lisboeta, os clássicos não só merecem atenção como são habitualmente revisitados, cruzados com novas perspectivas.

Os Possessos

Os Possessos

Em Março, Os Possessos estrearam II - A Mentira, no teatro da Politécnica, com direito a reposição em Setembro no teatro D. Maria II, prosseguindo a linha semeada por João Pedro Mamede, Catarina Rôlo Salgueiro e por Nuno Gonçalo Rodrigues, os elementos fundadores deste grupo, com um toque de Camus. Objectivo da formação teatral saída da colheita de 2015: criar "uma ficção comum".

Grupo de Teatro Terapêutico

Grupo de Teatro Terapêutico

Em 1968, dois médicos do Júlio de Matos desafiavam João Silva a desenvolver um projecto pontual de teatro no hospital. Entretanto, passaram mais de 40 anos e o Grupo de Teatro Terapêutico segue o seu caminho. É um colectivo singular que funciona no actual Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa e que nas últimas décadas apresentou ao público cerca de 23 peças, com um elenco constituído por pessoas com experiência de doença mental. Se em 1970 o grupo apresentava Caleidoscópio, um texto sobre as misérias da sociedade e da guerra, Torcicolo (na foto) foi apresentado no começo de Novembro no hospital.

Karnart

Karnart

Foi fundada em 2001, pelo actor e encenador Luís Castro e pelo artista plástico Vel Z. Há meia dúzia de anos, a Karnart trocou a secção de Anatomia da antiga Escola Superior de Medicina Veterinária, em Picoas, por um armazém no Beco da Mitra, a um passo do Centro Cultural de Belém. A estrutura percorre temas como as minorias e as questões ambientais, os direitos dos animais e as religiões, cruzando valores clássicos do teatro com a criação de objectos plásticos, performativos e audivisuais.

Auéééu Teatro

Previnem que o termo auéééu "designa-se a si mesmo, não possui qualquer outro significado senão o que ele a si se atribui". Beatriz Brás, Filipe Velez, Frederico Barata, Joana Manaças, João Santos, João Silva, Miguel Cunha, Sérgio Coragem e Vânia Ribeiro são os fundadores desta companhia e associação cultural criada em 2014. O colectivo da Auéééu Teatro baseia-se na produção de objectos interdisciplinares na área do teatro, dança, música, literatura e cinema. Em Outubro, passaram pelo D. Maria no âmbito do Ciclo Recém-Nascidos.

Silly Season

Silly Season

Nunca mais vai pensar nos meses estivais quando ouvir o nome Silly Season, a forma mais sintética de descrever este colectivo formado pelo Balleteatro Contemporâneo do Porto, Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa e Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. E o princípio de colaboração com outros cérebros é mesmo a nota dominante neste grupo, que foi buscar o seu nome ao primeiro espectáculo, homónimo, estreado no Espaço do Teatro Praga a 11 de Outubro de 2012. Entretanto, a estrutura está associada ao Rua das Gaivotas6, o espaço cultural que acolhe propostas de jovens criadores.

Os Pato Bravo

Em Novembro, estiveram com a Palavra Com Lugar no tributo a Mário Cesariny, na Casa da Liberdade. OS PATO BRAVO nasceram em 2014 pela mão de Joana Cotrim e Pedro Sousa Loureiro e visam a criação de peças de teatro, intervenções site specific em espaços convencionais e não convencionais e o canto lírico. Querem entreter e levar a reflectir, desafiar público e participantes e trabalhar nomes mais ou menos clássicos a partir de novas formas de dramaturgia.

Teatro da Cidade

Teatro da Cidade

Em Abril chegaram ao palco da Cornucópia com Os Justos, uma estreia patrocinada por Albert Camus. O Teatro da Cidade é formado por jovens actores, saídos da Escola Profissional de Teatro de Cascais e da Escola Superior de Teatro e Cinema. Ora tome nota dos seus nomes, porque eles prometem ir andando por aí: Guilherme Gomes, Nídia Roque, Rita Cabaço, Bernardo Souto e João Reixa.

Comentários

0 comments